ERIKA TAMURA: Visto de Yonsei

Eu relutei muito em falar sobre esse tema, pois ainda acho um pouco precipitado esse tipo de abordagem. Mas como estou n o Brasil, muitas pessoas têm me perguntado e o que eu vejo é uma grande especulação em torno do assunto, mas de concreto mesmo, não vi nada definido.

Há algumas semanas atrás, estive no Ministério das Relações Exteriores do Brasil, em Brasília, e conversando com a Ministra Luiza Lopes, ela se mostrou muito empolgada com a possibilidade de liberação do visto para a quarta geração de descendentes de japoneses. a ministra, inclusive, tem pensado em atrelar algumas decisões com a liberação do visto, onde ela acredita que seja feito em breve.

Mas na semana passada, estive com o cônsul do Japão em São Paulo, Takahiro Nakamae, e percebi que a liberação do visto ainda depende de vários pontos a serem discutidos e estudados pelo governo japonês, e pode ser que não seja algo que será liberado em breve.

Realmente não sei, de verdade, não sei o que pensar. Há tantas especulações, que resolvi pesquisar sobre o que de fato, existe. Falaram sobre o discurso do primeiro ministro do Japão, Shinzo Abe, onde eu ouvi dizer que ele tinha dito que o visto para yonseis será liberado. Então tá, fui ver o tal discurso, e sinceramente não achei as palavras onde ele afirmava a liberação do visto. O que aconteceu, pelo menos o que eu vi, é que um político da oposição do ministro Abe, abordou o tema, falando que conheceu a América do Sul e que percebeu o interesse dos yonseis pelo visto, no que o premiê japonês, respondeu de forma muito polítcamente correto, dizendo que sim, há essa possibilidade e que o Japão poderia estudar sobre o assunto, e que na verdade, o governo já havia levantado essa hipótese, e que existe essa pauta sendo discutida dentro do seu ministério.

Na minha opinião, esse discurso do ministro Abe, não significou uma resposta positiva para o visto, mas já é um começo. Só o fato de já haver um debate sobre o tema, já podemos considerar uma luz amarela acesa. Torno a repetir, não existe nada concreto ainda.

No Brasil, um dos políticos engajados no tema, é o deputado federal Walter Ihoshi. Tenho conversado muito com o deputado, onde ele se mostra muito envolvido com o assunto, e também consciente com a realidade, ele sabe que não é uma luta fácil, mas não é impossível.

Agora a parte que muitas pessoas me perguntam, e quando eu respondo, todos acham precipitadamente que sou contra o visto para os yonseis, o que na verdade não sou. Sou a favor, DESDE QUE haja uma estrutura de imigração. Essa estrutura envolve um preparo de ambos os lados, do governo japonês, com uma política de imigração consistente; do governo brasileiro em salvaguardar os direitos do seu povo brasileiro; e dos próprios yonseis que estão reivindicando o visto, um preparo como conhecimento básico da língua japonesa e da cultura local.

Um dos motivos de todos os problemas que a comunidade brasileira tem enfrentado no Japão, diz respeito ao idioma e consequentemente a falta de comunicação, e o choque cultural. Não acho certo a liberação do visto de forma deliberada somente porque o Japão necessita de mão de obra na classe operária.

O Brasil está numa fase ruim? Está! Existe desemprego de forma discrepante se comparado com anos anteriores. Podemos considerar uma crise alarmante que tem assolado o país, mas isso não significa que os yonseis tenham que se debandar de forma precária, sem nenhum tipo de assistência e estrutura, para o Japão de forma desesperadora. Eu moro no Japão há 20 anos, sei dos problemas que a comunidade tem, e sei a luta de cada um, no dia a dia, para poder dar uma vida digna para a sua família, e digo mais, os problemas não estão sob controle, principalmente quando se trata de saúde, imaginem se nesse meio tempo, abre-se o visto para os yonseis, a tendência é haver um agravamento dos problemas já existentes, e o meu medo é que haja um descontrole dentro da comunidade brasileira no Japão, com consequências irreversíveis e devastadoras.

Por isso acho que há a necessidade de se tomar providências em que o intuito de se proteger o futuro da geração yonsei, e assim garantir o fortalecimento das relações bilaterais entre Brasil e Japão.

Por isso eu digo com todas as letras que eu não sou contra o visto para os yonseis, só acho que tem que se pensar no futuro dessa geração, pois estaremos tirando do Brasil, jovens com grandes capacidades e com uma riqueza ímpar no quesito material humano, e levando-os para dentro de uma fábrica para serem operários robôs. Antes de me criticarem precipitadamente, pensem em tudo o que eu escrevi e nas consequências boas e ruins que a liberação do visto para yonseis, sem um política e estrutura migratória, pode trazer para todos.

 

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 18 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

    photo1

     

    Related Post

    LEGISLAÇÃO com FELÍCIA HARADA: Desaposentação Por 7 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta quarta-feira (26) a possibilidade de uma pessoa aposentada que continua a trabalhar, ...
    MUNDO VIRTUAL: Davos e a nossa internet Davos é uma cidade localizada nos Alpes Suíços, conhecida como destino internacional para férias, onde se situa o maior resort alpino, e particularmen...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: PRA QUE 25 DE MARÇO?! Aproveitando que estava de folga Hiroaki aceitou o convite de Mário para ir até a “25 de Março” para fazerem compras. Como moravam perto de estação do...
    ERIKA TAMURA: Quem vai acordar o Brasil? Uma vez escrevi um artigo que dizia sobre os benefícios da crise. Na época o Japão passava por uma forte crise econômica e muitos brasileiros ficaram ...

    5 Comments

    1. sim eu concordo com tudo oque disse , mais é exatamente essa a proposta do deputado, Mikio shimodi

    2. Patricia auxiliadora ramos de oliveira says:

      Gostei muito do que você falou foi de uma grande ajuda para pensar refletir e se organizar em tudo

      Obrigada

    3. Vai lá Itália, e veja se os descendentes de 4 geração fazem pelo país , vc acha que os yonseis ia fazer o que no Japão ? Eu já morei lá sou yonsei e tem muitos outros que já viveram lá , questão de 6 meses para adaptar , seu ponto de vista esta tudo errado

    4. Thiago Gonçalves Prudencio says:

      Bom, nunca estive no Japão, mas acredto que por parte deles o grande mal nisso está em “perder” a influência da sua cultura, pois os estrangeiros dificilmente aprendem o idioma, a menos que realmente queiram… o que é arriscado, pois pode diminuir drasticamente a qualidade de vida/socio-economica do país. Mas com relação aos brasileiros/peruanos (yonseis) que deixariam as terras onde vivem e “descartariam” seu potencial para trabalhar em chão de fábrica não acho que seja um problema do Japão, pois se chagou a esse ponto é devido aos países raíz (Brasil/Peru) a não proporcionarem um ambiente propício para o desenvolvimento profissional. Aliás, nada impede que o individuo yonsei que vá para o Japão se esforce e possa se profissionalizar por lá:trabalhar, estudar e se capacitar. Enfim, é aquele negócio: o mal das pessoas é que a maioria se contenta com o mínimo necessário, mas nesse caso é problema de cada um…
      Bom, aprecio imensamente seu ponto de vista xD
      Espero incansavelmente a resposta oficial do governo japonês com relação aos planos de visto para 4ª geração ^^
      Valeu, fui!

    5. Vamos falar a verdade. Quem está desesperado em ir pro Japão ganhar uns trocados sao a parte mais pobre da colonia japonesa, os que nao estudaram, o se estudaram fizeram qualquer faculadade de fundo de quintal. Me respondam existe alguem Yonsei formado numa Poli, Ita, Medicina na USP que está nessa de ir pro Nihon?

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *