ERIKA TAMURA: Vivendo e aprendendo no Japão

 

Essa semana conversei com algumas pessoas que só reclamavam do Japão, mesmo morando neste país há anos, essas pessoas pareciam detestar tudo.
Eu sou da seguinte opinião, se não está satisfeito, vá embora. Ninguém é obrigado a morar no Japão contra a própria vontade. Não vivemos num estado de escravidão, e digo que o estudo e o aprendizado do idioma e da cultura japonesa tem um peso igual a uma carta de alforria, da época escravagista.

Em um outro artigo, em que fiz uma comparação entre Brasil e Japão, fui bastante criticada, mas percebi um pouco de rancor, não entendi o porquê das pessoas serem tão ranzinzas, a ponto de falar para eu não voltar nunca mais para o Brasil…Bom, se eu fosse agir nessa mesma linha de pensamento, eu diria à essas pessoas que reclamam de viver no Japão, que não coloquem os pés aqui então. Mas acredito que não é assim que funciona, aceito as críticas, mas também peço que respeitem a minha opinião. Acho que para ser respeitado aqui no Japão tem que se aprender a respeitar o povo japonês, com toda a sua cultura, seus mistérios, suas maneiras de pensar, de existir, tudo tem que ser levado em consideração, afinal, só é digno de respeito aquele que respeita a cultura alheia.

Quando estive no Brasil, ano passado, dei uma entrevista para o Arthur, no programa “Questão de opinião” da Folha da Região de Araçatuba, e o Arthur colocou em pauta, sobre a época do tsunami, onde muitos brasileiros decidiram retornar ao Brasil, e ele me perguntou: “ Mas você não quis voltar né Erika?” e eu respondi que não, porque eu me sentiria um rato que abandona navio que está naufragando. Tudo o que eu tenho na minha vida eu conquistei no Japão! E não tem nada a ver com bens materiais, mas sim com minha bagagem cultural, a minha cabeça, minha visão… Se hoje sou o que sou, e tenho esse teor de conhecimento é porque foi uma dádiva do Japão. E olha que aprendi tudo da pior, ou melhor, maneira que tinha pra se aprender, depende do ponto de vista. Afinal, vivi cada ensinamento, aprendi na prática cada lição que a vida me deu. E continua dando. Aqui no Japão não temos tempo para a teoria, aprendemos tudo com experiências da vida.

E me orgulho disso, pois fiz da minha vida aqui no Japão, uma oportunidade de crescimento, de desenvolvimento humano. Poderia ser mais uma pessoa a ficar se lamentando pela vida dura no Japão, mas quando se tem que colocar comida na mesa para os filhos, a lamúria dá lugar a atitudes. Poderia ter me revoltado e ter optado por outros caminhos, mas decidi percorrer pelo caminho mais longo, com obstáculos, mas que ao final me traria uma satisfação pessoal imensurável.

Acho muito cômodo para essas pessoas reclamarem do Japão, com um celular top nas mãos, andando de carro para todos os lados, tendo fartura de comida e pulando de um emprego para outro, buscando sempre o melhor salário, sendo que em outros países, e até mesmo no Brasil, existem pessoas que querem apenas um emprego, ou apenas comida básica, nem precisam de carros, apenas um chinelo confortável para continuarem na caminhada da vida. Muitas pessoas não pensam nisso, e abrem a boca para reclamarem de algo fútil.

Eu fui muito bem criada, nasci no luxo, cresci mimada, mas meus pais sempre me deram uma estrutura para que eu não me deslumbrasse, e foi aqui no Japão que dei valor a toda educação recebida pelos meus pais, pois eu poderia viver 100 anos no Brasil, que eu não aprenderia o que aprendi em 15 anos no Japão.

Portanto acima de tudo, ou de todos os valores materiais, acho que devemos ter a consciência de que para cada reclamação feita, existem pessoas que daria qualquer coisa para estarem no seu lugar.

Dificilmente eu reclamo de alguma coisa, mesmo quando estou sendo contrariada, pois aprendi a exercer o tal do gaman japonês, ou seja, aguentar até o limite. E pode ter certeza, sou muito grata ao Japão por tudo o que conquistei nessa vida, até mesmo nos momentos de adversidades, aprendi a lidar com tudo isso, e a cada dia que passa aprendo um pouco mais. É claro que tem vários pontos que eu não concordo, mas respeito, pois é uma característica cultural nipônica, mas quando não concordo não me submeto a isso, apenas respeito e deixo prá lá, mas não reclamo e nem falo mal.

Obrigada Japão, por me acolher tão bem, e me proporcionar o meu desenvolvimento espiritual e enriquecer a minha bagagem cultural.

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ERIKA TAMURA: Michel Teló no Japão Michel Teló e Erika Tamura (foto: Ricardo Ogura)       Essa semana o Japão recebeu de braços abertos o cantor brasileiro m...
ERIKA TAMURA: Fortalecimento da relação Brasil e J... Eu posso estar enganada, mas tenho observado que o mundo está girando rápido demais, e nessas voltas, percebi que o momento econômico do Japão...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: MINICONTO   Pegaram-no roubando eletrônico no carro. Por azar, presenciei o ato. Testemunha na delegacia. Quando chegava em casa, o ladrão passou em fre...
AKIRA SAITO: HEIJOSHIN “Ter sempre uma Mente e um Espírito Tranquilo, independentemente das circunstâncias”   Em nosso dia a dia, infelizmente passamos por uma situ...

13 Comments

  1. Erika, ñ conheço o japão, mas meus pais ja foram e tudo q temos é devido ao japão ter dado oportunidades para melhorarmos de vida, o Japão pra mim é a minha patria, me sinto 50% japones, 50% brasileiro. O brasil melhorou bastante, mas aki é tudo dificil, as pessoas aki ñ reconhece seu trabalho, quer sempre desvalorizar seu esforço, brasileiro tem mania de pedir desconto, acho isso feio. Mas são negocios,
    tenho certeza q ai no japão é melhor q aki, pessoas mais educadas, pessoas q se respeitam!!!

  2. MUITO BOM SEU DEPOIMENTO ERIKA ,PENSO DA MESMA FORMA ESTIVE AQUI DE 1997 A 2003 E RETORNEI EM NOVEMBRO DO ANO PASSADO ,SOU BRASILEIRO MINHA ESPOSA Q É DESCENDENTE AMO O JAPÃO COMO DISSE O EIJI ABE O BRASIL MELHOROU MAIS TDO É MUITO DIFICIL…QUERO EDUCAR MEU FILHO AQUI GOSTO MUITO DA CULTURA ORIENTAL .ENFIM COMO VC DISSSE QUEM NAO ESTA FELIZ Q VA EMBORA ….

  3. Adorei…concordo absolutamente!!!

  4. Concordo que reclamações, algumas vezes, refletem a falta de atitude ou reconhecimento. Eu adoraria ter a oportunidade de viver no Japão, ou de ter nascido lá. Amo a cultura, amo tudo referente. Não tenho nenhum descendência, mas se eu pudesse… ah, como seria bom! rs…

  5. Olá Erika!!!
    Morei parte da minha Vida no Japão e estou no Brasil a 3 anos…
    Japão é uma País de oportunidades, não só em relação a dinheiro,mas em aprendizado, respeito..tudo!!
    Quando cheguei ai, no Começo tudo são Flores,depois com o dia-a-dia..a gente passa a se deparar com a diferença Cultural, que é enorme..meus primeiros 2 anos foram muito difíceis,até que resolvi caminhar com meus próprios pés..Aprendi Nihon-go,fiz amizade com as japonesas (Grandes amigas até Hoje) que me ensinaram Muuuuito!Eu era muito dependente dos meus pais e do meu marido para Tudo,trabalhava em uma fábrica com mais de 400 brasileiros.Pedi demissão e fui trabalhar em uma fabriquinha,só eu e uma menina de brasileirs…Fizeram Ijime..chorei,mas aguentei,porque minha vontade de aprender era maior!!!
    Me mudei de bairro e resolvi colaborar com tudo que aparecia..Na creche,a sensei viu que eu era esforçada,e passou ter apciência na hora de me explicar tudo…
    Ganhei Muito Com isso!Tenho mil histórias..Mas tudo isso,fazem com que minha vontade de voltar seja Muito maior,do que a vontade de ficar no Brasil !
    Aki infelizmente o Brasil esta Longe de ser um País melhor !Muito trsite…
    Beijos
    Melly
    (Leio sempre seu Blog,mas hoje resolvi comentar!!)

  6. Oi Erika, gosto muito de suas matérias sobre o Japão e principalmente o seu posicionamento firme e coerente. Continue assim….. Sou seu fã. Visito o Japão pelo menos 1 vez por ano e amo esse país.

  7. Parabéns, Erika. Não sou japonês de sangue, nem fisicamente. Sou filho de austríacos, criado dentro da cultura germânica, com toda sua rica tradição (que eu amo muito e honro tudo isso). Mas, minha alma é japonesa. Sou estudioso e aprecio demais a cultura nipônica. Sinto-me um nihonjin. E entendo você perfeitamente. Muito bom texto. Concordo contigo em gênero, número e grau!

  8. Morei 2 qanos no Japao. Foi sensacional. Deu tudo certo, aprendi muita coisa, fiz muitos amigos e cresci pessoal e profissionalmente. Japão é incrível. Tem seus problemas (bem menos que o Brasil, é verdade) e suas virtudes. O Brasil também tem seus problemas e suas virtudes. A Tailandia também, os EUA também, a França também, … Sendo assim, voltei ao Brasil porque, assim como você, sinto que posso fazer minha parte pra tornar o Brasil melhor com pequenas atitudes. Infelizmente muitos que deixem o Brasil não voltam, pois vêem que tudo funciona fora. Brasil é uma lástima em serviços mesmo. Mas é uma pena. Esse pessoal que mora fora e enxerga o que funciona, se voltasse ao Brasil, traria uma bagagem bastante positiva pra somar na nossa sociedade. Entretanto, respeito a decisão deles … se eles se sentem mais felizes fora, o berço realmente não deve ser um fator limitante para a felicidade das pessoas.
    Na minha opinião ninguém é obrigado a ficar em lugar nenhum. Todos os lugares têm suas qualidades e defeitos. cabe a pessoa decidir se quer ficar ou sair fora. Nisso eu concordo. Só não dá pra concordar quando você diz que não aprenderia aqui em 100 anos o que aprendeu aí em 15. Difícil afirmar isso heim! Pois qualquer lugar do mundo você pode aprender muito, isso vai depender de muitos fatores. Não gosto de me usar como exemplo, mas, se dei certo no Japão, foi porque aprendi muito aqui no Brasil. Desde caixa de mercado/garçom até professor numa universidade japonesa foi um longo percurso no qual qualquer um, japonês ou brasileiro, aprenderia bastante. E viva as diferenças! E viva o respeito mútuo!

  9. Esqueceu de citar que muitos que rasgam elogios sobre o Japão são os que menos contribuem com o país , adoram comparar o JP com o BR o que para mim já demonstra falta de bom senso , o JP tem que ser comparado com países de ” primeiro mundo ” , enfim , essas pessoas são as que não pagam seus impostos em dia , que não dominam o idioma , que não sabem nada sobre a política interna , etc… não é generalizando , mas a maioria que fala bem do JP parece que nem é tanto pelas coisas boas que ele oferece e sim para colocar o BR como inferior , transferem suas frustrações para o seu país de ORIGEM.

  10. Olá Érika, morei no Japão por 3 anos e meio(1990 à 1993, em Hamamatsu) e foram muito bem aproveitados. Eu gaijin, aprendi a falar e até a escrever um pouco, principalmente porque tinha 2 filhos (5 e 6 anos de idade) e com certeza foi uma experiência única. Enquanto nós andávamos de bike, nossos amigos andavam de carrões; enquanto meus filhos estudavam em escolas japonesas, os dos meus amigos estudavam nas “brasileiras”; eu muito raramente ia em lojas de importados, via filmes em nihongo, participava de atividades japonesas. Foram anos importantes e prazerosos. Trabalhamos muito e também lucramos muito. Não sou rica mas tenho conforto, isso graças aos anos bem planejados e objetivados que vivemos no Japão. Fomos para ficar um tempo e foi isso que fizemos, trouxemos do Japão o que pretendíamos e nunca reclamamos porque sabemos a importância desta experiência. A 1ª coisa que eu ouvi quando cheguei no Japão foi: quando estamos em outro país, é como se estivéssemos na casa de outra pessoa. Tem que cuidar e respeitar e acho que fizemos isso muito bem!

  11. Vi a primeira reportagem da Erika através de uma pagina aqui no Japão…

    Depois disso venho acompanhando ela em tudo!!! Adoro muito ela

  12. Érica, parabéns por saber aproveitar todas as oportunidades que a vida te dá, com certeza é uma garota sensível e sábia, provavelmente recebeu uma boa educação familiar, isto é, sabe valorizar tudo que recebe e acima de tudo, tem o esse sentimento de gratidão e respeito, valores estes que não se compra em nenhum departamento. Provavelmente a sua atitude independe de residir aqui no Japão ou em qualquer outro país, até na Etiópia saberia ter gratidão e ser feliz.
    beijos, precisamos de jovens corajosas como você, para que possa ensinar a muitas pessoas, ter a coragem de expressar esse sentimento sem reservas.
    Boa sorte, e muito sucesso.

  13. Parabéns Érica por esta visão, tenho a mesma visão e opinião, estou aqui a 23 anos e a minha maior riqueza foi justamente a cultura maravilhosa que este paiz nos oferece, vim aqui para abrir o meu coração pela cultura japonêsa, nw vim com a ignorância de querer colocar o Brasil dentro do Japão, mesmo porque o Brasil é um paiz subdesenvolvido, o que seria impossível. Finalizando, o nosso maior obst´culo aqui no Japão, infelizmente são os próprio brasileiros, mas por outro lado orgulhamos que nw seria a grande maioria, existem aqui também brasileiros e natos como exemplo universal…continue com a sua caminhada com muito sucesso porque aqueles que muito reclamam e muito criticam, nw tem como voltar para o Brasil porque nem um terreno modesto conquistaram….muito sucesso…abraços

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *