ERIKA TAMURA: Meu emprego de pesquisadora no japão

 

Recebo muitas mensagens e e-mail, me perguntando sobre o meu emprego no Japão. Muitas pessoas não sabem, ou acham que vivo integralmente do jornal, mas na realidade sou pesquisadora em um centro de pesquisa de tecnologia, na cidade de Tsukuba.

Tsukuba é um referencial tecnológico no Japão, onde são desenvolvidos a maior parte dos robôs, conta também com a universidade de Tsukuba, uma das melhores faculdades de engenharia do país.

O meu serviço consiste no desenvolvimento de chips para conexão de internet, onde engloba-se a pesquisa para a melhoria dos chips.

Tecnologia de ponta, com acesso a um grande número de informações do mundo cibernético. Não posso entrar em detalhes, pois assinei um contrato de sigilo, para evitar a espionagem industrial tecnológica.

A grande curiosidade de todos é saber como consegui esse emprego, e a resposta é simples, muito estudo! Na verdade, não almejava ser pesquisadora, eu só queria um emprego que ganhasse mais, então para isso me preparei, fui estudar o idioma, e tirar a carta de habilitação, pois precisava de independência. Cheguei a esse emprego, através de um anúncio de revista, mas logo no começo já me avisaram que eu precisaria me submeter a testes falados e escritos. Passei em todos os testes, além do teste de manuseio do computador, pois era requisito básico saber o excel.

Confesso que nos primeiros dias tinha vontade de chorar, pois não entendia nada do que se fazia ali, percebi que precisaria estudar muito para poder estar no mesmo patamar dos japoneses e poder competir de igual para igual. E foi assim que se seguiram as minhas semanas, estudando durante a madrugada, durante o trabalho eu perguntava muito, tinha muitas dúvidas para serem esclarecidas, e vi que por mais que eu dominasse o idioma, eu estaria em desvantagem com as japonesas, então precisava suprir isso, e desenvolvi uma forma, me destaquei pelo diferencial na realização dos trabalhos, enquanto as japonesas limitavam-se em realizar os seus serviços, eu tinha sede de aprender, queria aprender todos os serviços, e sempre que algum problema surgia, enquanto todos discutia sobre o surgimento do problema, eu entrava para a reunião com as soluções para esses problemas. Isso tudo foi dando destaque a minha forma de trabalhar.

E então veio a crise econômica no Japão, meu primeiro pensamento foi de que eu seria a primeira na lista de demissão, afinal, era a única brasileira e a última a ser contratada, hierarquicamente, o meu nome estaria na lista negra. Mas para a minha surpresa, 5 pessoas foram demitidas, e eu fui mantida!

Hoje já se passaram 6 anos, desde a minha admissão, e posso garantir que  eu sei o que é realização profissional no Japão, estou muito feliz, pois há um mês atrás fui efetivada como funcionária da empresa, sem a terceirização de uma empresa contratante no meio. Isso significa uma maior estabilidade dentro da empresa, além de outros benefícios e encargos.

Olho para trás com tanto orgulho, vejo como cada noite acordada valeu a pena, cada dificuldade se tornou um desafio para mim, e eu adoro cada desafio na minha vida. Porque é tão gratificante ver que onde eu cheguei é uma conquista! Tudo batalhado, nada veio fácil, lutei por cada minuto de sabedoria que conquistei, e continuo estudando para que a evolução não pare por aqui, e nem quero que pare mesmo!

Sou tão apaixonada pelo meu trabalho, que faço questão de ir todos os dias, feliz! Falo que ali no centro de pesquisa é minha terapia, meu porto seguro. Tanto é que estamos em pleno Golden week japonês, isso significa 10 dias de folga, e para mim 10 dias de saudades do meu emprego.

Sinto prazer em trabalhar, por isso não tenho estresse, não me sinto cansada após um dia de expediente, e visto a camisa da empresa mesmo!

 

 

 

*Erika Tamura nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

AKIRA SAITO: O ANO DA SERPENTE   “Buscar o equilíbrio necessário, através de uma consciência de reflexão e Sabedoria”   Iniciar o ano tendo em mente que será prec...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Patriarca dos Yassunagas, Ta...   A festa foi no dia 30, no sítio da família, Bom Sucesso, Promissão, com farta comida típica e cantorias e cerca de 250 convidados. E aprovei...
AKIRA SAITO: O BEM SEM PRETENSÕES   “Fazer o bem, não importa a quem”     Sempre digo aqui que o mundo precisa de exemplos, de pessoas que possam dar bons exempl...
AKIRA SAITO: SERVIR Á SOCIEDADE “O objetivo principal é servir a um proposito maior para uma sociedade melhor”   Para uma sociedade conviver de forma harmoniosa, é necessári...

One Comment

  1. Erika, tenho grande admiração por você!
    Prazer em ter te conhecido através da faculdade AIEC, saber da grande profissional dedicada e da grande batalha que teve que passar para poder estar onde esta hoje.
    Sempre leio seus artigos e tenho guardadinho aqui em casa a revista da faculdade AIEC ao qual você escreveu um artigo, por sinal maravilhoso como sempre né.
    Enfim, meus parabéns flor, orgulho de ter uma brasileira sendo destaque no japão, um país de pessoas tão inteligentes, economicamente muito a frente do Brasil, mas que também tem suas desvantagens e é ai que entra Erika Tamura com todo seu diferencial “Guerreira”. Sucesso sempre, você é merece tudo isso e muito mais. Bjus

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *