ESPETÁCULO: ‘Toki no Kodama’ celebra 15 anos do Requios e 20 do Tamagusuku Ryu

Não se deixe enganar pela aparência frágil de Hatsue Omine. Omine Sensei – como é conhecida por seus alunos – conquistou respeito num meio até então dominado por homens. Obstinada, Omine Sensei venceu barreiras e desconfianças – inclusive as suas – e fundou, há 15 anos, o Grupo Requios Gueinou Doukoukai Eisá Taiko, tornando-se a primeira treinadora de taiko do estilo Okinawa no país.

 

Para comemorar os 15 anos do grupo Requios Gueinou Dokokai e os 20 anos do Tamagusuku Ryu Kotarou Kai Omine Hatsue Ryubu Dojo, acontece em julho, um espetáculo batizado de “Toki no Kodama”
(Ecos no Horizonte). Foto: Marcel Uyeta

 

Para comemorar, o Requios Gueinou Dokokai realizará em, julho, uma série de apresentações. Batizado de “Toki no Kodama” (Ecos no Horizonte), o espetáculo celebrará também os 20 anos do Tamagusuku Ryu Kotarou Kai Omine Hatsue Ryubu Dojo, dança folclórica da ilha de Okinawa fundado por Seigi Tamagusuku e cultivado no Brasil por Omine Sensei.

As apresentações serão realizadas em São Paulo, Santos e Marília. Na capital paulista, os shows acontecem no dia 2 de julho, no Grande Auditório do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), em duas sessões: às 11h e às 16 horas. Depois, Toki no Kodama segue para o litoral, onde será apresentado no dia 4, na Associação Atlética Atlanta, e sobe a serra no dia 7, para uma apresentação no primeiro dia da 20ª edição do Festival do Japão. No dia 8, será a vez de Marília receber o espetáculo.

 

Requios é presença obrigatória na maioria dos eventos realizados na comunidade nipo-brasileira. Foto: Marcel Uyeta

 

As apresentações contarão com participações dos convidados especiais vindos de Okinawa especialmente para a ocasião além de cerca de 170 membros entre componentes do Grupo Requios e do Tamagusuku. As participações especiais ficam por conta do professor Shinya Teruya e cinco membros do Grupo Sosaku Gueidan Requios de Okinawa e do cantor e compositor Hidekatsu Kamei.

Autor de sucessos coreografados pelos grupos de eisá taiko de Okinawa e também do Brasil, Kamei já esteve no território brasileiro em outras duas ocasiões. A primeira nas comemorações do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil e a última há cinco anos. O Grupo Sosaki também já esteve no país, mas com outros membros.

 

Grupo reúne tocadores de 4 a 50 anos de idade. Foto: Marcel Uyeta

 

Shows diferentes – Segundo o vice-presidente da Associação Okinawa Kenjin do Brasil, Tério Uehara, os dois shows no Bunkyo serão diferentes. Quem explica é a Omine Sensei. “As coreografias apresentadas não serão iguais e também haverá rodízio do elenco”, conta Omine, acrescentando que “há 15 anos jamais  imaginaria que um dia pudesse chegar tão longe”.

Do início, tímido, com 15 alunos, até os dias atuais, com cerca de 200 alunos no Estado de São Paulo, Omine Sensei percorreu um longo caminho. A ideia, conta, era aprender a arte do taiko e transmitir para as novas gerações. Ficou emocionada ao assistir uma fita com uma apresentação do Requios (como os portugueses pronunciavam o nome das ilhas Ryukyu há cerca de 500 anos). Determinada, foi até Okinawa aprender a técnica. Os treinos eram muito puxados. Tanto que no dia seguinte mal conseguia subir as escadas do teatro.

“Mas assim mesmo não faltei a nenhum treino”, orgulha-se Omine Sensei, lembrando que chegando lá ficou assustada com a imponência do teatro. “Cheguei a pensar comigo mesmo que estava em lugar errado”, diz ela, explicando que foi aprimorando seu aprendizado com a vinda de professores de Okinawa.

 

Omine Sensei com diretores da Associação Okinawa Kenjin. Foto: Marcel Uyeta

 

Príncipe – A dedicação e persistência valeram a pena. Hoje, Omine Sensei ensina na Vila Carrão, Vila Matilde e em Santo André, entre outros lugares. São alunos que vão desde os 4 até os 50 anos de idade. Presença obrigatória em quase todos os eventos da comunidade nipo-brasileira, bem como o Grupo Ryukyu Koku Matsuri Daiko – outro grupo do estilo Okinawa – Omine Sensei guarda com carinho a apresentação no Sambódromo paulistano nas comemorações do Centenário da Imigração diante do príncipe herdeiro do Japão, Naruhito.

Outro momento marcante vivido por Omine Sensei com o Requios aconteceu em 2016, ano em que foi convidada a se apresentar na Japan House do Rio de Janeiro como parte dos eventos culturais promovidos pelo governo japonês durante as Paralimpíadas com o objetivo de divulgar os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020.

 

Espetáculo será apresentado em São Paulo, Santos e Marília. Foto: Marcel Uyeta

 

Em outubro do mesmo ano, participou no evento chamado Waregaga Sumuwa Godaishu – II (Nós Vivemos nos Cinco Continentes) no Urasoe Kokuritsu Gekijo (Teatro Nacional de Ursasoe), em Okinawa.

Também em 2016, o Requios Gueinou Doukoukai abrilhantou as comemorações dos 90 anos da Associação Okinawa Kenjin do Brasil na Sala São Paulo, um dos mais conceituados espaços de concerto no país no espetáculo “Noite das Artes de Ryukyu”, produzido por Satoru Saito e que reuniu música, dança e teatro.

Para Omine Sensei, outro motivo de orgulho foi a sua coreografia criada para a música Shima Utá, do The Boom, que foi exportada para a matriz japonesa. “Não imaginava chegar a esse ponto”, diz Omine Sensei, que desembarcou no Brasil com apenas 12 anos de idade e hoje é uma referência em taiko e na dança.

 

ALDO SHIGUTI

ALDO SHIGUTI

Redator-chefe
ashiguti@uol.com.br
ALDO SHIGUTI

Últimos posts por ALDO SHIGUTI (exibir todos)

     

     

    Toki no Kodama – Ecos no Horizonte

    Espetáculo em comemoração aos 15 anos do Requios Gueinou Doukoukai e dos 20 anos do Tamagusuku Ryu Kotaro Kai Omine Hatsue Ryubu Dojo

     

    Apresentações:

    SÃO PAULO

    Dia 2 de julho, em duas sessões, às 11 e às 16 horas

    Onde: Grande Auditório do Bunkyo (Rua São Joaquim, 381)

     

    Toki no Kodama celebra 15 anos do Requios e 20 do Tamagusuku Ryu: R$ 50,00

     

    Postos de venda:

    Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo): Rua São Joaquim, 381 . Telefone: 11/3208-1755

    Associação Okinawa Kenjin do Brasil: Rua Tomás de Lima, 72 – Liberdade. Tel.: 11/3106-8823

    Nihon Hin: Rua Juno, 125 – Vila Carrão. Tel.: 11/2942-8096

    Urizun: Av. Conselheiro Carrão, 2673 – Vila Carrão. Tel.: 11/2092-6191

    Keiko’s Modas: Av. Itaberaba, 5095 – Vila Nova Cachoeirinha. Tel.: 11/3851-9944

     

    SANTOS

    Quando: 04 de julho, às 20 horas

    Onde: Associação Atlética Atlanta (Rua Comendador Martins, 114 – Santos)

     

    20º FESTIVAL DO JAPÃO

    Quando: Dia 7 de julho, às 16h55 e às 19h35

    Onde: São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 – São Paulo)

    Informações: www.festivaldojapao.com.br

     

    MARÍLIA

    Quando: 8 de julho, às 20 horas

    Onde: Teatro Sagrado Coração de Jesus (Rua Bernardino de Campos, 350 – Maria Paulo – Marília)

    Related Post

    KARAOKÊ: 2º Nodojiman da Banda Blue Star celebra s... Realizado no salão da Associação Kyowa (km 81 da Rodovia Fernão Dias), no último dia 16, a segunda edição do Nodojiman da Blue Star, mais uma vez, foi...
    SÃO PAULO: Nikkei está entre os finalistas do Conc...   O concurso “Tá Pintando um Novo Metrô”, promovido pela Companhia do Metrô de São Paulo, chega em sua fase final. Até o próximo dia 27, o púb...
    SÃO JOSÉ DO RIO PRETO: Começa Colônia de Férias no...   O curso visa proporcionar lazer educativo para as crianças, com brincadeiras nos parques e oficinas pedagógicas (Foto: Sergio Menezes/SMCS)...
    POLÍTICA: Walter Ihoshi participa de audiência com...   A diretoria da Acal – Associação Cultural e Assistencial da Liberdade – foi recebida em audiência no último dia 28, em Brasília, pelo minist...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *