ESPORTE: Poliana Okimoto e Jorge Zarif conquistam o troféu de Melhor Atleta do Ano no Prêmio Brasil Olímpico

 

Poliana Okimoto e Jorge Zarif são os melhores do esporte olímpico brasileiro em 2013. Após votação através de um colégio eleitoral e do público, via Internet, o anúncio dos vencedores foi feito na cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico, organizada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) na noite desta terça-feira, dia 17, no Teatro Bradesco,em São Paulo. Durantea cerimônia, o COB homenageou os atletas que há 50 anos disputaram os Jogos Pan-americanos,em São Paulo.

“Hoje comemoramos vários 50 anos. Os 50 anos dos Jogos Pan-americanos de São Paulo, os 50 anos da Universíade de Porto Alegre e os 50 anos do bicampeonato mundial de basquete do Brasil, além dos 30 anos da medalha de ouro do voleibol brasileiro nos Jogos Pan-americanos. Nessa noite de festa homenageamos os grandes atletas do país, nesse primeiro ano do ciclo olímpico, pois são eles que escrevem a história e vão continuar recebendo o nosso apoio, o apoio do Ministério do Esporte, das Confederações Brasileiras, dos seus técnicos, do povo e da imprensa durante essa caminhada rumo ao Rio2016”, declarou o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, que lembrou ter sido o último atleta a ser cortado da seleção brasileira de vôlei que disputou os Jogos São Paulo 1963.

O ano de 2013 foi marcante para Poliana Okimoto. Ela conquistou três medalhas no Mundial da Fina, em Barcelona, em julho: foi ouro nos 10Km, prata nos 5Km e bronze nos 5Km por equipes. Além disso, venceu as duas últimas etapas da Copa do Mundo de Águas Abertas e ainda bateu o recorde sul-americanos nos 1.500m livre, marca que permanecia há 12 anos. “Eu sabia que as duas concorrentes eram muito boas e merecedoras. Sei da dedicação de cada uma. O atleta não tem uma rotina fácil, a pressão das competições, e dos treinamentos. Agradeço a todo mundo que votouem mim. Euentrei nas redes sociais e pedi aos amigos e familiares que me ajudassem, enfim, eu tinha que fazer um lobby. Sou privilegiada de fazer aquilo que eu mais amo, que é nadar, e ter algum sucesso nisso. Me sinto muito feliz com aquilo que eu faço”, completou Poliana.

 

Zarif – Aos 20 anos, o jovem velejador Jorge Zarif fez “dobradinha” em 2013 ao unificar pela primeira vez os títulos mundiais da classe Finn em duas categorias. O primeiro triunfo aconteceu em julho, quando se tornou bicampeão mundial júnior em Malcesine, na Itália. Em agosto, em Tallinn, na Estônia, conquistou a medalha de ouro na categoria open do campeonato mundial da classe, após entrar na regata final com 19 pontos de vantagem para o segundo colocado. De quebra, Jorginho colocou fim a um jejum brasileiro que durava desde 1972. “Acho que não tenho nada que reclamar desse ano. Só tenho que agradecer. Tudo que eu precisei fazer, recebi apoio. Depois dos Jogos Olímpicos Londres 2012, recebi uma ligação do Bruno Prada, que tinha acabado de sair da classe Star e me disse: Jorginho, você foi 20º em Londres, a pior colocação entre os homens. Você quer ser 20º de novo ou quer ganhar uma medalha? Ele me convidou para treinar com ele, e eu aceitei na hora. Ali começou um projeto que se consolidou como muito vitorioso. Me sinto privilegiado também de ter crescido na vela, olhando o Torben e Scheidt competirem. Sempre tentei me espelhar muito neles. Se um dia eu puder ganhar 10% do que eles já ganharam na vela, estarei muito feliz”, encerrou Zarif.

Além de Poliana e de Zarif, concorreram ao troféu de Melhor Atleta de 2013: Poliana Okimoto (maratona aquática), Rafaela Silva (judô) e Yane Marques (pentatlo moderno), entre as mulheres. No masculino, os concorrentes foram Arthur Zanetti (ginástica artística), Cesar Cielo (natação) e Jorge Zarif (vela). Poliana e Zarif receberam um prêmio de R$ 30 mil cada um, oferecido pelo Bradesco.

Além da comunidade esportiva brasileira, atletas e ex-atletas, estiveram presentes à cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico, o Ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e o Secretário de Alto-Rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Leyser, e presidentes das Confederações Brasileiras Olímpicas, entre outros.

Em um ano marcado pelas 26 medalhas do Brasil em campeonatos mundiais ou competições equivalentes (até agora), o COB celebrou as conquistas do esporte nacional na 15ª edição do Prêmio Brasil Olímpico. Além de premiar os melhores atletas do ano, o COB homenageou o cinquentenário da primeira edição de Jogos Pan-americanos organizada no Brasil: o Pan de São Paulo, em 1963. Mais de 90 ex-atletas que conquistaram medalhas naquele evento estiveram presentes, entre eles Maria Esther Bueno, maior tenista brasileira de todos os tempos, vencedora de 19 torneios Grand Slam; Thomaz Koch, primeiro tenista brasileiro a vencer um torneio de Grand Slam, duplas mistasem Roland Garros, 1975; Amaury Passos, bicampeão mundial basquete, 1959 e 1963; e Carlos Alberto Torres, capitão do tricampeonato mundial de futebol, em 1970. “É uma grande honra. Me sinto uma intrusa aqui, pois não pude participar dos Jogos Olímpicos, pois o tênis não fazia parte do programa na minha época, mas estamos aqui celebrando 50 anos de lutas no esporte. Quem sabe eu não consigo uma vaguinha em2016”, brincou Maria Esther Bueno, medalha de ouro em simples e prata nas duplas no Pan de São Paulo.

Maior medalhista da história olímpica brasileira ao lado de Robert Scheidt, o velejador Torben Grael recebu o Troféu Adhemar Ferreira da Silva. O troféu é dedicado a atletas que mantém o legado deixado por Adhemar, o primeiro bicampeão olímpico do Brasil. Um dos atletas mais vitoriosos do esporte nacional, Torben é detentor de cinco medalhas olímpicas: ouro em Atlanta 96 e Atenas 2004, prataem Los Angeles84, e bronze em Seul 88 e Sydney 2000. Atualmente, aos 53 anos, Torben é o treinador-chefe da Seleção Olímpica de Vela, cargo pelo qual foi contratado pelo COB.

“Gostaria de agradecer à minha família, que me apoiou em toda minha carreira, desde o meu avô que me iniciou no esporte me dando meu primeiro barco; meus tios, que foram minha universidade na vela; meus pais, que me apoiaram muito; minha esposa Andreia; e meus parceiros, Ronaldo Senff, Daniel Adler, Nelson Falcão e Marcelo Ferreira. Eu tinha uma magoazinha de nunca ter recebido um prêmio de melhor atleta brasileiro, mas essa mágoa agora se esvai completamente, pois o Adhemar Ferreira da Silva foi como um farol na minha carreira”, declarou Torben, com lágrimas nos olhos e sendo aplaudido de pé.

 

Treinador do Ano – Pelo segundo ano consecutivo o COB concedeu o troféu de Melhor Treinador do Ano a Marcos Goto, da ginástica artística, na categoria modalidade individual, e a José Roberto Guimarães, do voleibol, nos esportes coletivos.

Em 2013, Marcos Goto e seu pupilo, o campeão olímpico e agora mundial Arthur Zanetti, um dos concorrentes ao Prêmio Brasil Olímpico de Melhor Atleta do Ano, mantiveram o alto nível da temporada passada. Em outubro, na Antuérpia (BEL), o ginasta brasileiro manteve a supremacia nas argolas e conquistou uma inédita medalha de ouro para o Brasil no Campeonato Mundial. Com apenas 23 anos, Zanetti segue firme rumo aos Jogos Olímpicos Rio 2016, sempre sob o olhar atento do exigente Marcos Goto, há 15 anos responsável pela preparação do ginasta.

 

Poliana Okimoto e Jorge Zarif conquistam o troféu de Melhor Atleta do Ano no Prêmio Brasil Olímpico (Crédito: Wander Roberto/Inovafoto/COB)

 

Único brasileiro tricampeão olímpico, José Roberto Guimarães também teve um 2013 perfeito à frente da Seleção Brasileira feminina de vôlei. Sob o seu comando, a equipe nacional subiu ao lugar mais alto do pódio em todas as cinco competições internacionais disputadas no ano. O ápice veio com o ouro na Copa dos Campeões, evento que reuniu as melhores equipes de cada continente, em novembro, no Japão. As atuais campeãs olímpicas ficaram ainda com os títulos dos torneios de Montreux, Alassio, Grand Prix, e o Sul-Americano.

 

Juventude – Os melhores atletas dos Jogos Escolares da Juventude deste ano também foram homenageados. Da etapa de12 a14 anos, realizada em Natal (RN), foram escolhidos a piauiense Samia Lima, do badminton, e o paulista Vitor Bibiano, do tênis de mesa. Já na etapa de15 a17 anos, realizada em Belém (PA), os melhores do ano foram os cariocas Paula Hoffmann, do vôlei de praia, e Vitor Hugo Santos, do atletismo.

 

A votação – A escolha dos melhores atletas em cada modalidade (lista abaixo) e a definição dos três indicados em cada categoria, masculina e feminina, que concorreram ao Troféu Melhor Atleta do Ano foi realizada por um júri composto por jornalistas, dirigentes, ex-atletas e personalidades do esporte. Esse voto teve peso de 50% na eleição final para os melhores do ano, depois de serem computados os votos do público pela Internet.

 

 

Os melhores de 2013 em cada modalidade:

 

Atletismo – Mauro Vinicius da Silva

Badminton – Lohaynny Vicente

Basquete – Tiago Splitter

Boxe – Robson Conceição

Canoagem Slalom – Ana Sátila

Canoagem Velocidade – Isaquias Queiroz

Ciclismo BMX – Renato Rezende

Ciclismo Estrada – Rafael Andriato

Ciclismo Mountain Bike – Henrique Avancini

Ciclismo Pista – Flavio Cipriano

Desportos na Neve – Isabel Clark

Desportos no Gelo – Isadora Williams

Esgrima – Gabriela Cecchini

Futebol – Neymar Junior

Ginástica Artística – Arthur Zanetti

Ginástica de Trampolim – Giovanna Matheus

Ginástica Rítmica – Angelica Kvieczynski

Golfe – Adilson da Silva

Handebol – Alexandra Nascimento

Hipismo Adestramento – Luíza Almeida

Hipismo CCE – Marcelo Tosi

Hipismo Saltos – Alvaro Affonso de Miranda Neto – Doda

Hóquei Sobre Grama – Matheus Borges Ferreira

Judô – Rafaela Silva

Levantamento de Peso – Fernando Reis

Lutas – Joice Silva

Maratona Aquática – Poliana Okimoto

Natação – Cesar Cielo

Natação Sincronizada – Lorena Molinos

Pentatlo Moderno – Yane Marques

Polo Aquático – Izabella Chiappini

Remo – Fabiana Beltrame

Rugby – Julia Sardá

Saltos Ornamentais – Cesar Castro

Taekwondo – Guilherme Dias

Tênis – Bruno Soares

Tênis de Mesa – Hugo Calderano

Tiro com Arco – Sarah Nikitin

Tiro Esportivo – Cassio Rippel

Triatlo – Pâmella Oliveira

Vela – Jorge Zarif

Vôlei de praia – Talita Antunes

Vôlei – Thaisa Daher

 

 

Os vencedores das edições anteriores do Prêmio Brasil Olímpico:

 

1999 – Maurren Maggi (atletismo) e Gustavo Kuerten (tênis)

2000 – Leila Barros (vôlei) e Gustavo Kuerten (tênis)

2001 – Daniele Hypolito (ginástica artística) e Robert Scheidt (vela)

2002 – Daniele Hypolito (ginástica artística) e Nalbert (vôlei)

2003 – Daiane dos Santos (ginástica artística) e Fernando Meligeni (tênis)

2004 – Daiane dos Santos (ginástica artística) e Vanderlei Cordeiro de Lima (atletismo)

2005 – Natália Falavigna (taekwondo) e João Derly (judô)

2006 – Laís Souza (ginástica artística) e Giba (vôlei)

2007 – Jade Barbosa (ginástica artística) e Thiago Pereira (natação)

2008 – Maurren Maggi (atletismo) e Cesar Cielo (natação)

2009 – Sarah Menezes (judô) e Cesar Cielo (natação)

2010 – Fabiana Murer (atletismo) e Murilo Endres (vôlei)

2011 – Fabiana Murer (atletismo) e Cesar Cielo (natação)

2012 – Sheilla Castro (vôlei) e Arthur Zanetti (ginástica)

 

(Fonte: COB)

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ARTES: Bunkyo promove 52º Curso de Pintura Infanto... Prosseguem até 24 de dezembro as inscrições para o 52º Curso de Pintura Infanto-Juvenil, atividade realizada a cada início de ano pela Comissão de Art...
110 ANOS DA IMIGRAÇÃO: MAURÍCIO DE SOUSA VAI FAZER... O cartunista Mauricio de Sousa e o deputado federal Luiz Nishimori. Foto: facebook/nishimori O cartunista Maurício de Sousa, criador da Turma da M...
SESCON-SP/AESCON-SP: Márcio Shimomoto assume presi... Para celebrar 67 anos de atividades o Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas...
HAICAI BRASILEIRO O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *