EXPOSIÇÃO: DA BANALIDADE VOLUME 1

3 fevereiro a 6 março 2016

Criado pelo Instituto Tomie Ohtake em 2013, o Programa Arte Atual se consolida como plataforma para pesquisas e trabalhos inéditos de jovens artistas e como um espaço de mostras coletivas construídas a partir de perspectivas múltiplas e heterogêneas sobre uma mesma questão. De início concebido para realizar-se anualmente, apresentou em suas três primeiras edições 10 artistas em distintas configurações e motes e, em 2015, gerou um novo programa associado: o Festival Arte Atual, no qual artistas ainda mais jovens são convidados para um processo dinâmico e experimental de exposição.

Neste ano, o Arte Atual ganha novo fôlego, apresentando-se como um programa que ao longo do ano realiza diversas mostras pensadas a partir de um tema central que funciona como denominador comum, lido por diferentes horizontes a cada nova montagem. “O conjunto da Banalidade (volumes 1, 2, 3 e 4) pode ser entendido como um livro e seus vários capítulos, organizados intermitentemente com diferentes artistas, abordagens e leituras”, explica Paulo Miyada, curador do Instituto Tomie Ohtake.

Tomando emprestado seu nome da clássica tratadística renascentista do século XV, da Banalidade funciona, diz Miyada, como um ensaio sobre o senso comum, a superfície das coisas, as coisas pequenas, a delicadeza, a banalidade do mal e a banalização do político. Segundo o curador, a cada leitura novos jeitos de lidar com este grande tema se desdobram nos projetos dos artistas convidados a integrar essa proposta.

Neste primeiro volume, Ana Elisa Egreja, Julia Kater e Cabelo – por meio de pinturas, serigrafias, instalações e vídeos– associam e discutem a frivolidade, a futilidade, o mau gosto, a tolice, o que passa despercebido, a delicadeza, o pequeno e o ordinário, numa tentativa inicial de refletir sobre a muitas formas da banalidade. “O que interessa aqui não é demonstrar como os artistas podem fazer algo especial valendo-se de coisas materiais banais, ao contrário, é acompanhá-los no manuseio do banal enquanto banal, aproveitando sua suposta falta de especificidade, aura e valor na tentativa de pensar seus significados mais desconcertantes”, explica Miyada.

O Programa Arte Atual é realizado por meio de parcerias entre o do Instituto Tomie Ohtake e galerias de arte, que apoiam a realização do projeto e das obras de seus artistas representados.  Nesta edição, contou com a colaboração das galerias Leme, Marília Razuk e SIM.

 

 

bannersite-dabanalidade-final1

 

DA BANALIDADE VOLUME 1

Artistas: Ana Elisa Egreja, Julia Kater e Cabelo

Onde: Instituto Tomie Ohtake (Rua Coropés 88, Pinheiros)

De 03/02 a 06/03/2016

Horário: de 3ª a domingo das 11h às 20h – Carnaval: O Instituto estará fechado nos dias 06, 07, 08 e 09/02 e dia 10/02 horário das 12h às 20h.

Ingresso: Entrada Gratuita

Informações: 11/2245-1900 ou www.institutotomieohtake.org.br

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ARUJÁ: Expo Aflord começa neste sábado com mais de... Com expectativa de receber um público estimado em cerca de 40 mil visitantes em seis dias, a Associação dos Floricultores da Região da Via Dutra (Aflo...
ESPETÁCULO: ‘En’ reúne apresentações tradicionais ... O Instituto Enlaço promove no próximo dia 30, no Teatro Fecap, no bairro da Liberdade, em São Paulo, o espetáculo “En – laços de amizade”, com a parti...
KARAOKÊ: Pedro Mizutani é eleito presidente da Lig... Em Assembleia realizada no último dia 16, na sede do Instituto Cultural Nipo-Brasileiro de Campinas e que contou com a participação de associações fil...
EXPOSIÇÃO CICATRIZES – VILMA KANO A narrativa permeia o plástico e o gráfico, em uma nuance moderna e minimalista. No Outubro Rosa, a mostra levanta os questionamentos sobre os obstácu...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *