HAICAI BRASILEIRO

O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô (1644-1694). O haicai caracteriza-se por descrever, de forma breve e objetiva, aspectos da natureza (inclusive a humana) ligados à passagem das estações. Hoje, no mundo inteiro, pessoas de todas as idades e formações escrevem haicais em suas línguas, atestando a universalidade dessa forma de expressão.

 

TEMAS DE MAIO: Flor-de-maio – Libélula – Celeiro cheio

Ao sol da manhã –
Na flor de taboa pousa
uma libélula.
Akiko Koike – Jundiaí, SP

 

Lembranças do mestre –

Sobre o lago de Bashô
voam as libélulas
Alvaro Posselt – Curitiba, PR

 

Dia de noivado –
A balançar na varanda
as flores-de-maio.
Benedita Azevedo – Magé, RJ

 

O celeiro cheio…
Fazendeiros se reúnem
No jogo de cartas.
Benedita Azevedo – Magé, RJ

 

Com muitos tons
As flores de maio chegam
No fim de abril.
Carlos Viegas – Brasília, DF

 

Tremeluzir de asas
No final da cachoeira
Dança de libélulas.
Elisa Campos – São Paulo, SP


Manhã ensolarada –
Sobre as águas do riacho
voa uma libélula…
Guin Ga Eden – Niterói, RJ

 

Desabrocham os botões
Da flor de maio vermelha –
Lembro minha mãe…
Iraí Verdan – Magé, RJ

 

Vaso invisível
De tão desabrochadas
as flores-de-maio!
Irene M. Fuke – São Paulo, SP

 

Vaso enferrujado
Vicejam as flores-de-maio
Porta do casebre!
Irene M. Fuke – São Paulo, SP

 

Na feira flor-de-maio
Dentre o festival de cores
A mais chamativa.
Izumi Fujiki – São Paulo, SP

 

Sacada florida
Flores de maio em penca
Lembrança da vovó.
Masako Shirai – São Paulo, SP


Tempo outonal
flores-de-maio floridas –
Frescor nas manhãs.
Mario Isao Otsuka – São Paulo, SP

 

De que cor será?
Espero o desabrochar
desta flor-de-maio
Monica Martinez – Granja Viana, SP

 

Só flores-de-maio –
entre os tons claros e escuros
encantou-me a branca.
Neide Rocha Portugal – Bandeirantes, PR

 

As flores-de-maio
dependuradas no alpendre
espiam o leste.
Neide Rocha Portugal – Bandeirantes, PR

 

Flor-de-maio desperta
O anseio da donzela
Por uma grinalda.
Yone – São Paulo, SP

 

Sobre a minha mesa
Carregadas pelo vento
Asas de libélula.
Zekan Fernandes – São Paulo, SP

 

Envie seus haicais (no máximo três de cada tema sugerido) digitados ou em letra legível, com nome (mesmo quando preferir o uso de pseudônimo), endereço e RG.
Cada pessoa pode participar com apenas uma identidade.
A seleção dos trabalhos é feita pelos haicaístas Edson Kenji Iura e Francisco Handa.

 

Temas de julho (postar até 10 de junho):  Camélia – Lua fria – Colheita de cana

Dia curto (tema de julho) 

A duração dos dias varia conforme a estação. No verão, o sol permanece por mais tempo no céu, tornando os dias mais longos. Já o inverno é a época em que os dias são mais curtos, por ser maior a declinação do sol em relação ao equador. O tamanho do dia e da noite é tanto mais afetado quanto maior a latitude, mas mesmo em São Paulo, situada sob o Trópico de Capricórnio, o dia curto pode ser notado. As pessoas que entram cedo e saem à tarde do trabalho sabem que no inverno devem deixar a casa ainda na escuridão e voltar já de noite, ao passo que, no verão, podem contar com a claridade do sol. Um certo sentimento de urgência para fazer as coisas, tentando aproveitar ao máximo a luz do dia, traz a constatação de que o tempo escapa pelos dedos.
Emoções demais—
O hoje já se transformou
em um dia curto.
(Goga Masuda)

 

Temas de agosto (postar até 10 de julho): Dia curto – Capim-gordura – Cachecol

Envie suas cartas para:
Haicai Brasileiro
A/C Jornal Nippak
Rua da Glória, 332
CEP 01510-000
São Paulo-SP

E-mail:
jornaldonikkey@yahoo.com.br
Cc. ashiguti@uol.com.br

 

Edson Kenji Iura

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Viagem ao fundo...     Nada havia de muito estranho nos postais de final de ano, em que mostravam alguma aldeia dos Alpes, um boneco de neve, a branc...
JOJOSCOPE: Chaplin e o Japão   A história é verídica e pouco conhecida. Charles Chaplin, no auge de sua carreira, acolheu um imigrante japonês que trabalhou por mais de 17...
JORGE NAGAO: Família Kayano Genoino / FELIZ OUTON... “ Porque o Vôvi é a nossa felicidade, e ele ficou lá preso, fechado, então a nossa felicidade estava fechada. Ainda bem que ele saiu.” (Paula, filha ...
BEM ESTAR: Desperdícios A providencia divina é infinita, não por isso devem desperdiçar, como que existisse fonte inesgotável de suprimentos. Mas falemos de uma coisa mais...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *