HAICAI BRASILEIRO

O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô (1644-1694). O haicai caracteriza-se por descrever, de forma breve e objetiva, aspectos da natureza (inclusive a humana) ligados à passagem das estações. Hoje, no mundo inteiro, pessoas de todas as idades e formações escrevem haicais em suas línguas, atestando a universalidade dessa forma de expressão.

 

TEMAS DE JUNHO:  Sol de inverno – Mandioca – Quermesse

 

Tênue sol de inverno –
Quase noite, roupa no varal,
úmida ainda.
Akiko Koike – Jundiaí, SP

 

Aposentados na praça,
de costas, ao sol de inverno.
Horas a aquecer.
Akiko Koike – Jundiaí, SP

 

Sentado na praça
O ancião todo agasalhado –
Sol morno de inverno.
Benedita Azevedo – Magé, RJ

 

O sol de inverno
Envolto em nuvens escuras…
Aparece e some.
Benedita Azevedo – Magé, RJ

 

sob o sol de inverno
o gato se espreguiça
ainda no cesto.
Carlos Viegas – Brasília, DF

 

vou pra quermesse
e o coração disparado–
barraca do beijo.
Carlos Viegas – Brasília, DF
Na pia, a mulher,
Enquanto a água não ferve,
Descasca a mandioca…
Guin Ga Eden – Niterói, RJ

 

Mãos arroxeadas
Se aquecem ao sol de inverno.
Mendigo na praça.
Irene M. Fuke – São Paulo, SP

 

Roda de conversa
Mãos leves e… rapidinhas.
Mandioca frita!
Irene M. Fuke – São Paulo, SP

 

Sob o sol de inverno
Derradeiro raio solar–
Espreguiça-se o cão.
Izumi Fujiki – São Paulo, SP

 

O prato cheio
De mandioca fumegante–
Conversa vai e vem…
Izumi Fujiki – São Paulo, SP

 

Um leitão assado
Vai ao leilão da quermesse–
Os cães bem atentos.
Mario Isao Otsuka – São Paulo, SP
Ditado caipira–
Arrancá-la com gemido
Amarga a mandioca.
Mario Isao Otsuka – São Paulo, SP

 

Meio de costela
e três quilos de mandioca–
Mamãe faz render
Neide Rocha Portugal– Bandeirantes, PR

 

Quermesse da roça–
Bandeirinhas coloridas
sobre o pó da estrada
Neide Rocha Portugal – Bandeirantes, PR

 

Sob o sol de inverno
todos correm apressados
para se esquentar.
Silvio Gargano – Batatais, SP

 

Mandioca frita
Acompanha o quitute–
Avó cozinheira.
Yone – São Paulo, SP

 

Ao lado do bife
A farinha de mandioca–
Como ele gostava…
Zekan Fernandes – São Paulo, SP

 

Temas de julho (postar até 10 de junho): Camélia – Lua fria – Colheita de cana

Colheita de cana (tema de julho)

A cana-de-açúcar pertence à família das gramíneas. Seu caule rico em sacarose a transforma em importante produto agrícola, cultivado no Brasil desde os tempos da colônia, inicialmente como matéria-prima de açúcar, aguardente e demais subprodutos e, nas últimas décadas, como fonte de energia renovável, através das usinas de etanol. O Brasil é o maior produtor do mundo e São Paulo é o estado com a maior produção. Grande parte do corte da cana ainda é feito manualmente, por trabalhadores boias-frias empunhando seus facões. O corte manual é uma atividade que usa mão de obra intensiva e pouco qualificada. O corte é precedido por uma polêmica fase de queimada, para eliminar as folhas, facilitando a colheita. A mecanização elimina a necessidade da queimada, mas traz a questão do desemprego no campo e todos os problemas associados.

São sete as irmãs
que vêm junto com a esposa—
Colheita de cana.
(Suwa Sato)

 

 

Temas de agosto (postar até 10 de julho):  Dia curto – Capim-gordura – Cachecol

 

Envie seus haicais (no máximo três de cada tema sugerido) digitados ou em letra legível, com nome (mesmo quando preferir o uso de pseudônimo), endereço e RG.

Cada pessoa pode participar com apenas uma identidade.
A seleção dos trabalhos é feita pelos haicaístas Edson Kenji Iura e Francisco Handa.

 

Envie suas cartas para:
Haicai Brasileiro
A/C Jornal Nippak
Rua da Glória, 332
CEP 01510-000
São Paulo-SP

E-mail: jornaldonikkey@yahoo.com.br
Cc. ashiguti@uol.com.br

 

Edson Kenji Iura

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

AKIRA SAITO: Domou Arigatou “Muitos se lembram de pedir, mas poucos são os que não se esquecem de agradecer”   Gostaria de iniciar a coluna desta semana, agradecendo a t...
SILVIO SANO > NIPÔNICA: Ainda sobre o vexame!̷... Juro! Prometo que não mais retomarei o tema após esta Nipônica. E explico porque o estou fazendo agora, antes que me chamem de “bobinho” por minha ins...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Notícias de Promissão: Cente...   A celebração dos cem anos da chegada no Brasil, será no dia 20 de abril, no sítio do patriarca Tadakuni, 93 anos, no Bairro Bonsucesso, Prom...
BANCO BACURI: O primeiro sonoro de Yasujiro Ozu Quando se trata dos grandes cineastas japoneses do século passado, como isso tivesse sido há tanto tempo (?), não seria exagero considerar Yasujiro Oz...

3 Comments

  1. Prezados senhores,
    Estive no Japão por três vezes. Amei o lugar, as pessoas e a comida.
    Participei de treinamento nas Usinas Siderúrgicas da NIPPON STEEL e da KAWASAKI.
    Fui atraído recentemente pela forma de fazer poesia, o Haicai.
    Tentei elaborar alguns que me foram inspirados. Alguém do jornal tem tempo para verificar se valeu a pena tentar algo tão singelo, simples e motivador?
    Em caso positivo, como faço para enviá-los?
    Obrigado pela gentileza de responder.
    Benedicto

    • Envie seus haicais (no máximo três de cada tema sugerido) digitados ou em letra legível, com nome (mesmo quando preferir o uso de pseudônimo), endereço e RG.

      Cada pessoa pode participar com apenas uma identidade.
      A seleção dos trabalhos é feita pelos haicaístas Edson Kenji Iura e Francisco Handa.

      Envie suas cartas para:
      Haicai Brasileiro
      A/C Jornal Nippak
      Rua da Glória, 332
      CEP 01510-000
      São Paulo-SP

      E-mail: jornaldonikkey@yahoo.com.br
      Cc. ashiguti@uol.com.br / contato@nippak.com.br

  2. Boa tarde, os senhores ainda estão recebendo os haicais? Sou professora voluntária em oficina de criação literária para grupos de idosas. Tenho alunas que escrevem haicais. Gostaria de fazer contato e ‘troca’ de haicais. Obrigada!

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *