HAICAI BRASILEIRO

Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô (1644-1694). O haicai caracteriza-se por descrever, de forma breve e objetiva, aspectos da natureza (inclusive a humana) ligados à passagem das estações. Hoje, no mundo inteiro, pessoas de todas as idades e formações escrevem haicais em suas línguas, atestando a universalidade dessa forma de expressão.

Envie seus haicais (no máximo três de cada tema sugerido) digitados ou em letra legível, com nome (mesmo quando preferir o uso de pseudônimo), endereço e RG.

Cada pessoa pode participar com apenas uma identidade.

A seleção dos trabalhos é feita pelos haicaístas Edson Kenji Iura Francisco Handa.

Envie suas cartas para:

Haicai Brasileiro

A/C Jornal Nippak

Rua da Glória, 332

CEP 01510-000 São Paulo-SP

E-mail: jornaldonikkey@yahoo.com.br

Cc. ashiguti@uol.com.br

 

 


 

Técnica e disciplina (12)

 

Ainda que tenhamos um bom assunto a ser abordado, se a maneira de distribuir estas informações (o necessário, nem mais e nem menos), o corpo do haicai ficar em desarmonia, então falhamos neste ato. Este haicai fica comprometido. Quer dizer, peca na elegância. Quando se vai para uma entrevista de emprego, além de um bom currículo e experiência, o candidato dirige-se vestido com um terno bem ajustado ao corpo. No haicai, o corpo da composição deve-se ajustar ao seu conteúdo. Teoricamente, todos sabem disso. Fazer desta maneira é bem diferente. Mas, consideremos, não é impossível. Para isso, deve-se ter um domínio da linguagem e do uso das palavras, assim se adequando ao formato exigido. Os principiantes nem sempre conseguem obter resultado satisfatório. Cometem-se erros. O erro do principiante é tolerável – por ser ele assim – mas não se deve tornar norma. Um erro repetido acaba virando vício.

Vestidas num corpo equilibrado, as palavras devem soar de forma elegante, agradável, como a correnteza de um regato ao bater nas pedras. É como a chuva caindo no teto de zinco.

 

FRANCISCO HANDA

FRANCISCO HANDA

chicohanda@yahoo.com.br
FRANCISCO HANDA

Últimos posts por FRANCISCO HANDA (exibir todos)

     


     

    TEMAS DE ABRIL

    Esquilo – Maria-Sem-Vergonha – Dia da Mentira

     

    coquinho nas mãos

    salta pro tronco o esquilo

    susto da neta

    Amauri Solon

    Rio de Janeiro, RJ

     

    A moita florida

    da maria-sem-vergonha…

    frestas na calçada.

    Benedita Azevedo

    Magé, RJ

     

    espera inútil

    o menino com mãos cheias

    procura o esquilo

    Carlos Viegas

    Brasília, DF

     

    Cantinho do muro.

    Sem mimos nem cuidados

    a maria-sem-vergonha.

    Danita Cotrim

    São Paulo, SP

     

    Ao pé das encostas

    e as marias-sem-vergonha

    encantam viajantes

    Débora Novaes de Castro

    São Paulo, SP

     

    Despontam brilhantes

    as marias-sem-vergonha

    ao longo da estrada.

    Iraí Verdan

    Magé, RJ

     

    Ágil, sobe e desce

    com sua estilosa cauda.

    Esquilo no pinhal.

    Irene M. Fuke

    São Paulo, SP

     

    Programas da infância –

    o bebê tateando a TV

    quer pegar o esquilo

    João Krefer

    São Paulo, SP

     

    Serra colorida –

    Maria-sem-vergonha explode

    Na estrada em flor.

    Kazue Yamada

    São Paulo, SP

     

    Corrida de esquilos.

    Esse Interlagos nas árvores

    Me dói o pescoço.

    Ludovic Heyraud

    Montpellier, França

     

    Amanhece

    e o telefone não para –

    Dia da Mentira!

    Mahelen Madureira

    Santos, SP

     

    Em roda da casa

    as marias-sem-vergonha.

    Jardim que me basta

    Neide Portugal

    Bandeirantes, PR

     

    Na manhã do parque

    As crianças encantadas

    Olhando os esquilos.

    Reneu Berni

    Goiânia, GO

     

    meninos imóveis –

    o ruído do esquilo

    oculto nas folhas

    Seishin

    São Paulo, SP

     

    sisudo o pai

    à travessura do filho –

    dia da mentira

    Seishin

    São Paulo, SP

     

    Corre, esquilinho, corre!

    Crianças no parque gritam

    debaixo das árvores.

    Sonia Rodrigues

    Santos, SP

     

    Sempre ostensivas

    As marias-sem-vergonha 

    Na encosta do muro. 

    Yone

    São Paulo, SP

     

    Na calma do sitio

    barulhinho de roer –

    Ali! Um esquilo!

    Yun Hai

    São Paulo, SP

     

     

    Temas de maio (postar até 10 de abril)

    Prenúncio de inverno – Inhambu – Milho

    Temas de junho (postar até 10 de maio)

    Dia de São João – Canjica – Acácia-mimosa

     

     

     

     

     

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *