INTERCÂMBIO: Alunos da rede estadual de SP participam do Festival de Toyama inspirados no conceito ‘Mottainai’

Como acontece desde 2007, alunos da rede pública do Estado de São Paulo do Ensino Fundamental 1 e 2, até 15 anos, já podem começar a se preparar para o Festival de Arte e Cultura de Toyama. Trata-se de um programa de intercâmbio realizado pelo Governo de Toyama com o objetivo de estimular a participação da população local e internacional em eventos culturais, além de aprofundar a consciência internacional de seus cidadãos. Além do Brasil, participam estudantes da China, Coréia do Sul, Rússia e Estados Unidos.

O Estado de São Paulo participa do Festival de Toyama pelo quinto ano consecutivo, promovendo o concurso de desenho entre os alunos da rede estadual de ensino. Os desenhos selecionados serão expostos durante o Festival que será realizado em setembro.

Os alunos brasileiros interessados em participar do Festival deverão produzir um desenho inspirado na expressão “Mottainai”, que não tem uma tradução específica, mas pode ser usada como uma filosofia japonesa que expressa uma atitude de não desperdiçar nenhum tipo de produto, seja recurso natural e até mesmo as relações humanas.

Maria Cristina Noguerol Catalan, responsável pelo Festival e mestre em Artes do Centro de Referência em Educação Mário Covas, órgão vinculado à Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, a escolha pelo tema Mottainai se deu por razões pedagógicas e por estar relacionada à cultura japonesa.

A diretora do Cre Mário Covas, Maria Salles, destaca ainda que o tema é sempre relacionado à cultura japonesa. Em 2011 foi “São Paulo/Brasil: Aqui tem cultura japonesa” e no ano passado, “Tooro Nagashi da Paz”. Catalan destaca que “Mottainai é um assunto muito comum entre os japoneses, mas para os brasileiros ainda é uma novidade”. Maria Salles vai além. A diretora lembra que a expressão ganhou destaque com a ministra do Meio Ambiente do Quênia, Wangari Maathai, que trouxe de volta os conceitos dos 3Rs – Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Castalan e Salles explicam que, o Cre oferece, tanto para professores como para alunos, subsídios como vídeos, textos explicativos e sugestões de links. “Sempre que sugerimos um tema, trabalhamos também com o que está em volta. Em 2010, por exemplo, o tema foi o Tooro Nagashi da Paz, quando trabalhamos a questão da bomba atômica. Então, não é algo solto e sim o final de um processo”, explica o professor Hiroyuki Hino, acrescentando que o tema possibilita o desenvolvimento de práticas pedagógicas com foco nas tradições e cultura japonesa presentes nas diferentes regiões do Estado de São Paulo.

Maria Salles e Maria Cristina Catalan (foto: Nikkey Shimbun)

 

 

Seleção – Segundo Catalan, todas as escolas da rede pública são convidadas pelo Cre Mario Covas a participar do concurso.

Para isso, basta estar matriculados no Ensino Fundamental Ciclo I e Ciclo II da rede pública estadual de ensino, com até 15 anos de idade. Cada aluno poderá concorrer com apenas um desenho, que deve ser produzido em sala de aula, dentro da matéria de Artes. Cabe a cada escola selecionar dois trabalhos, um do Ciclo I e outro do Ciclo II, que deverão ser encaminhados para a respectiva Diretoria de Ensino, que também deverá constituir uma Comissão Julgadora e selecionar um desenho de cada Ciclo e enviá-los para o CR Mario Covas até o fim de julho.

Com uma Comissão de Especialistas que terá entre seus membros representante da Associação Toyama Kenjin do Brasil, o Cre Mario Covas selecionará 15 desenhos que serão expostos no Festival Infantil de Arte e Cultura da Província de Toyama. “Para nós, chegam, no máximo, cerca de 180 trabalhos de 50 a 60 escolas”, conta Catalan, explicando que os melhores trabalhos receberão certificados.

 

Mostra Internacional – Segundo ela, este ano a novidade será a realização da 1ª Mostra Internacional de Cultura de Arte, cujo objetivo é intensificar o intercâmbio cultural entre crianças brasileiras e japonesas. Nesse primeiro ano, foi convidada a escola Nomura, de Takaoka, localizada na Província de Toyama. Os alunos japoneses deverão produzir um desenho inspirado no tema “O Brasil que eu conheci”, baseado em vídeos sobre a diversidade brasileira. Os 20 melhores desenhos serão expostos numa mostra que acontece em São Paulo, juntamente com as reproduções dos 15 trabalhos dos estudantes brasileiros selecionados para o Festival de Toyama.

Catalan informa que os trabalhos selecionados para representar o Brasil no Festival de Arte e Cultura de Toyama estarão disponíveis a partir de agosto no site: www.crmariocovas.sp.gov.br, bem como o regulamento, vídeos e links sobre o assunto.

 

(Aldo Shiguti)

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

MANGÁ: ‘Monge dos Mangás’, Nobuhiro Watsuki atrai ... O célebre mangaká japonês, Nobuhiro Watsuki responsável por títulos como Rurouni Kenshin, conhecido no Brasil como Samurai X; Busou Renkin (Alquimista...
HAICAI BRASILEIRO O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô...
COMUNIDADE: HOSPITAL SANTA CRUZ COMPLETA 78 ANOS E... O Hospital Santa Cruz comemora neste mês os 78 anos de sua fundação e lança o livro “História do Hospital Santa Cruz - Sociedade Brasileira e Japonesa...
Bunkyo homenageia e é homenageado nos 104 Anos da ... No quarto ano do novo Centenário da Imigração Japonesa no Brasil – expressão usada por Kokei Uehara, professor e eterno presidente do Colegiado Admini...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *