INTERNACIONAL: Para primeiro-ministro japonês, acordo sobre escravas sexuais com Coreia do Sul abre uma ‘nova era’

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe disse que o acordo entre o Japão e a Coreia do Sul sobre as escravas sexuais durante a II Guerra Mundial abre uma “nova era” nas relações entre os dois países.

 

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe: "Nova era" (Foto: reprodução)

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe: “Nova era” (Foto: reprodução)

 

“O Japão e a Coreia do Sul saúdam a nova era”, disse Shinzo Abe aos jornalistas, depois de falar ao telefone com o presidente Park Geun-Hye, da Coreia do Sul, no último dia 28.

Os dois países chegaram a um acordo sobre a delicada questão das mulheres submetidas à escravidão sexual pelas forças de Tóquio durante a II Guerra Mundial. A península da Coreia foi colônia japonesa desde 1910 até ao final da II Guerra Mundial, em 1945.

O acordo prevê uma compensação às sobreviventes que atinge um valor total de mais de oito milhões de dólares.

“Vamos ser capazes de alcançar uma solução irreversível no ano em que assinalamos sete décadas sobre o final da II Guerra Mundial”, acrescentou o primeiro-ministro japonês.

 

(Da Agência Brasil)

 

Related Post

COMUNIDADE: JCI Brasil-Japão celebra sucesso do Re... Mais de 300 pessoas compareceram ao RevitaLiba, projeto idealizado pelo Consulado Geral do Japão em São Paulo e organizado pela JCI Brasil-Japão no úl...
JAPÃO/SHOW: Trio de humoristas faz série de apres... Os humoristas Luiz França, Felipe Hamachi e Gus Fernandes fazem uma série de apresentações para a comunidade brasileira no Japão. Além de casas noturn...
Tradição: Hina Matsuri é destaque no Pavilhão Japo... O Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social) realiza neste fim de semana (dias 24 e 25), das 10h às 17h, no Pavilhão Ja...
HOMENAGEM: Câmara Municipal de São Paulo homenagei...   No último dia 24, em plena segunda-feira à noite, o Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo ficou lotado como há muito não se via. Afin...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *