JAPÃO por SILVIA KIKUCHI: Quatro anos depois…

As ondas levaram casas, pessoas… mas não levaram a vontade de viver

 

Se pudesse voltar no tempo, onde você estaria quatro ano atrás? O que estaria fazendo?

resized_tsunami

Conheço pessoas que dariam tudo pra voltar àquela trágica tarde de 11 de marco. Rever amigos, irmãos, pais, filhos… Avisar todos pra fugirem o mais rápido possível! Pra ficarem longe, bem longe do mar…

 

Não dá.

 

Fecho os olhos e volto, pelo menos em pensamento. Lembro do susto que levei na primeira chacoalhada. Os segundos passaram como uma eternidade. Lembro que levei horas até conseguir controlar o tremor nas mãos.

 

Como será que as vítimas passaram esses últimos anos? Como se recuperaram do terremoto, do tsunami que destruiu tudo, do acidente nuclear?

 

Lembro de um episódio em um dos abrigos que estive, em Fukushima. De repente, alguns jovens começaram a juntar bacias e toalhas para uma sessão de massagem para mãos e pés. Acho que já haviam se passado dois ou três meses de 11/3. Quando vi, uma senhora estava chorando em meio à massagem. Todas as emoções e o sofrimento acumulado, devem ter afluído naquele contato humano. As lágrimas escorriam junto com o sorriso. A emoção tomou conta de mim.

 

Encontrei muitas pessoas, ouvi coisas das quais nunca vou me esquecer…
Da mesma forma, nunca vi tantas provas de solidariedade.

 

11 de março foi o dia que parei. Chorei. Agradeci a vida!

 


 

A “Tragédia do Leste do Japão”

 

O terremoto de 11 de março de 2011 foi batizado de “Higashi Nihon Daishinsai” (Tragédia do Leste do Japão). Foi registrado às 14h46.

 

  • Magnitude: M9.0
  • Escala japonesa (shindo): 7 graus em Kurihara (Miyagi) e 6 graus em 36 cidades das províncias de Miyagi, Fukushima, Ibaraki e Tochigi.
  • Tremores posteriores: 11.300, das quais 826 acima de 5 graus shindo
  • Altura máxima do tsunami: 40,1m
  • Mortos: 15.889
  • Desaparecidos: 2.594
  • Feridos: 6.152
  • Mortes decorrentes após o terremoto: 3.139
  • Construções destruídas: 401.567
  • Lares sem energia elétrica: 8 milhões
  • Lares sem água: 1,80 milhão
  • Pessoas que permaneceram nos abrigos públicos: mais de 400 mil
  • Pessoas que ainda não podem retornar às suas casas: 233.512
  • Prejuízo financeiro: entre 16 a 25 trilhões de ienes (R$ 411 bilhões a R$ 643 bilhões)

 


 

Cena em Kesennuma, Miyagi, em 12 de março de 2011. Foto: Kyodo

Cena em Kesennuma, Miyagi, em 12 de março de 2011. Foto: Kyodo

 

A mesma cena em Kesennuma, Miyagi, em 4 de março de 2013. Foto: Kyodo

A mesma cena em Kesennuma, Miyagi, em 4 de março de 2013. Foto: Kyodo

 

Kesennuma em 2015. Foto: Mainichi

Kesennuma em 2015. Foto: Mainichi

 

Cena em Ishinomaki, Miyagi, no dia 19 de março de 2011. Foto: Kyodo

Cena em Ishinomaki, Miyagi, no dia 19 de março de 2011. Foto: Kyodo

 

Cena em Ishinomaki, Miyagi, no dia 19 de março de 2011. Foto: Kyodo

Cena em Ishinomaki, Miyagi, no dia 19 de março de 2011. Foto: Kyodo

 

(Silvia Kikuchi)

 

 

Fonte:SILVIA-IN-TOQUIO

 

SILVIA KIKUCHI

SILVIA KIKUCHI

é jornalista há 16 anos da International Press, Ipc digital e telejornalista da IPCTV, agora lança seu próprio blog: http://silviakikuchi.jp/
SILVIA KIKUCHI

Últimos posts por SILVIA KIKUCHI (exibir todos)

    Related Post

    SILVIA IN TOKYO: COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCES... MESA ORGANIZADA E DOM PARA OUVIR AS PESSOAS ESTÃO ENTRE OS PRINCIPAIS REQUISITOS     Foto: takuuu / PIXTA   Uma pesquisa ...
    COMUNIDADE: No Bunkyo, políticos nikkeis destacam ... Realizado no dia 24 de março por 34 entidades nipo-brasileiras no Salão Nobre do Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência So...
    CAMPANHA: ‘72 MIL TSURUS PELA PAZ’ CHEGA A RETA FI... A campanha “72 mil Tsurus pela Paz”, foi lançada no dia 13 de junho e com pouco mais de um mês, ultrapassou o objetivo, chegando a aproximadamente 90 ...
    ENTIDADES: Carolina Kano toma posse como president... Em Assembleia Geral Ordinária realizada no dia 11 de setembro, em sua sede (à Rua São Joaquim, 381 – 2º andar), foi eleita a nova diretoria da Asebex ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *