JOJOSCOPE: Kodô X Bando Tamasaburo: Dadan

Dizem que o som de um grande tambor se assemelha à batida do coração de mãe, ouvido e sentido no ventre materno. Antigamente, no Japão, o tambor era considerado símbolo da comunidade rural. Registros comprovam que o taiko está presente na música japonesa há mais de 1500 anos. O taiko está ligado às festividades xintoístas. A apresentação musical de taiko como espetáculo só surgiu após a Segunda Guerra Mundial. Essa arte da percussão ganhou fama mundial nas últimas décadas, e aqui no Brasil virou febre principalmente em 2008, ano do centenário da imigração japonesa no Brasil.

 

02-DADAN2015_0619-s1-e1457193300110

 

O grupo de taiko mais famoso é o Kodô, com base na ilha de Sado no mar do Japão. O Kodô completa em 2011, 30 anos de existência e todos os anos, parte para uma turnée internacional.

 

IMAGEM-DA-PGINA-Kodo-1456756304-e1457193044711

 

 

O Kodô se apresentou no Brasil pela primeira vez em 1988, com a promoção da Fundação Japão e em 2008, pela Agência de Cultura do Japão. No ano de 2008, em comemoração ao centenário da imigração japonesa do Brasil, foram recebidos pelo Grupo Olodum, em Salvador.

Em 2016, o Teatro Alfa (São Paulo) e a Cidade das Artes (Rio de Janeiro) recebem o espetáculo DADAN , um dos mais aclamados projetos do tradicional grupo percussivo Kodo. Criada por Tamasaburo Bando –  onnagata (ator especializado em papéis femininos) no Kabuki  mais celebrado do país asiático –, a montagem explora de maneira vigorosa os sons dos milenares tambores taiko, em seus mais variados tipos e tamanhos.

 

dadan02-web-e1457193619946

 

Diferentemente do padrão das performances do grupo, DADAN 打男, que significa “os homens dos tambores”, se caracteriza pela ausência de canto, dança, flautas e componentes do sexo feminino. Na medida em que os componentes do elenco se revezam no tambor gigante (O-daiko), posicionado no centro do palco, os movimentos testam, simultaneamente, os limites físicos, a técnica, o coração e a mente de cada um dos integrantes.

A palavra Kodo em japonês possui dois significados: o de pulsação, que é a fonte de origem de todos os ritmos e nos remete à batida do coração que sentimos no útero materno; e o de “crianças do tambor”, que reflete o desejo do grupo de tocar seus tambores de forma simples, como um coração de criança.

 

 

 

Mensagem de Bando Tamasaburo, Diretor Artístico do Kodo  

 

Bando Tamasaburo, Diretor Artístico do Kodo

Bando Tamasaburo, Diretor Artístico do Kodo

 

O grupo Kodo se apresenta no Brasil em março. Comecei a trabalhar com os membros do grupo em meados de 2007 para conceber “Dadan”, sem nenhum plano de criar um projeto com este título. Naquele momento, não tínhamos pensado em trabalhar na peça como a vemos hoje, e muito menos imaginávamos que daríamos um nome ao espetáculo, e que este seria apresentado várias vezes no futuro. No entanto, as pessoas que adoram tocar tambor começaram a se reunir para treinar, e tocavam os tambores com toda a força. E com base naquela energia pura, começamos a conversar: “seria incrível se isso que está acontecendo aqui pudesse ser transformado em uma peça para ser apresentada no futuro…” Felizmente, em 2009, tivemos a estreia de uma montagem oficial do grupo Kodo com o título “Dadan”. Os caracteres kanji para a palavra “Dadan” significam, literalmente, “homens tocando tambor”, mas mesmo quando escrito em alfabeto romano, o som denota vivacidade. Assim, usamos o título “Dadan” para facilitar a pronúncia e a compreensão no exterior. Depois da estreia em 2009, o grupo apresentou-se em uma turnê em 2010, e também em 2012 – com destaque e grande sucesso – no Théâtre du Châtelet em Paris.

Gostaria de agradecer imensamente a todos os patrocinadores que proporcionaram a apresentação no Brasil. Esperamos que o grupo Kodo possa apresentar trabalhos cada vez melhores no futuro. Será um grande prazer contar com a presença de todos no teatro. Espero que gostem da apresentação.

 

Bando Tamasaburo, Diretor Artístico

 

 

Bando Tamasaburo

7bd6b9869fb8e9207d34ecb298355a15Bando Tamasaburo é um ator proeminente Kabuki, e o onnagata (ator especializado em papéis femininos) mais celebrado e querido nos palcos atuais. Sua profunda percepção estética tem sido demonstrada em numerosos palcos onde recebeu alta aclamação pelas muitas realizações artísticas. Suas direções artísticas – como “Romeu e Julieta” e “Kaijin Besso” – mereceram honras e homenagens, e, como diretor de cinema, demonstrou seu alto valor artístico nos filmes “Gekashitsu”, “Yume no Onna”, e “Tenshu Monogatari”, que causaram forte impacto no mundo das artes. Em abril de 2012, Bando assumiu o cargo de diretor artístico do Kodo. Em setembro de 2012 foi reconhecido como Detentor de Propriedade Cultural Intangível e Relevante (“Living National Treasure”), e em 2013 foi condecorado com a maior honra da Ordem das Artes e Letras da França – a de Comandante.

 

 

Bando Tamasaburo Vsendo montado pela equipe para uma apresentação de Kabuki.

Bando Tamasaburo Vsendo montado pela equipe para uma apresentação de Kabuki.

 

 

Kodo

 

Kodo-outside-wide-e1457193394681 

 

Explorando as possibilidades ilimitadas do tambor japonês tradicional – o taiko – o grupo Kodo cria novos caminhos para esta vibrante forma de arte viva. As vibrações criadas pelos executores não só atingem os ouvidos da plateia, mas exercem influência visceral.  Após sua estreia no Festival de Berlim em 1981, o grupo Kodo tem endereço fixo na Ilha Sado, em Niigata, no Japão. Com mais de 5600 apresentações em 47 países, sempre com o tema “One Earth” (Uma Terra), o grupo passa cerca de um terço do ano no exterior, com uma segunda turnê pelo Japão e uma terceira na Ilha Sado.

 

 

Tamasaburo Bando & Kodo

 

news54582f48157cd 

 

Em 2003, Tamasaburo Bando dirigiu a primeira apresentação do grupo Kodo “Kodo One Earth Tour Special” (Turnê especial do Grupo Kodo – Uma Terra). A montagem foi feita no decorrer de dois anos enquanto Bando fez cinco visitas à ilha Sado para ensaios. O ano de 2006 marcou a primeira colaboração no palco, com “Amaterasu”, peça musical e de dança, baseada no famoso mito japonês. Com Bando representando Amaterasu – a deusa do Sol – e o grupo representando os outros deuses da trama, a apresentação foi catalítica para que o Kodo avançasse como pioneiro na expressão do taiko. Peça inovadora de Bando e do grupo Kodo, “Dadan” é uma montagem que retrata de forma ousada a essência da arte do tambor, e teve estreia no Japão em 2009, tornando-se uma série em constante evolução, com apresentações recentes na Espanha e na França em 2014. “Kodo One Earth Tour: Legend” (Turnê Kodo Uma Terra: Lenda), a primeira montagem do Kodo, com Bando como diretor artístico do grupo, estreou em 2012, e viajou por todo o Japão, além de percorrer cidades dos Estados Unidos e da Europa. Em 2013, o projeto “Kodo One Earth Tour: Mystery” (Tournée Kodo – Uma Terra: Mistério) estreou no Japão, fez longas turnês no ano seguinte, e estreou internacionalmente na América do Norte em 2015.

 

dadan_banner-e1457193476525

 

 

Programa

Toudoufuu Tomohiro Mitome, 2009

Kaden Tamasaburo Bando, 2012

Colour  Masayuki Sakamoto, 2009

Biei Tomohiro Mitome, 1999

Tomoe  Kodo, 2003

Ajara Mitsuru Ishizuka, 2006

Phobos  Kenta Nakagome, 2009

Mute Yosuke Oda, 2013

Kusawake Yuta Sumiyoshi, 2013

Kei Kei  Yuta Sumiyoshi, 2012

Dan Kodo, arranjo Tamasaburo Bando, 2014

Duração: 90min (sem intervalo)

 

Elenco

Yuichiro Funabashi

Mitsuru Ishizuka

Yosuke Oda

Kenta Nakagome

Tsuyoshi Maeda

Shunichiro Kamiya

Ryotaro Leo Ikenaga

Hayato Otsuka

Masaya Koike

Masayasu Maeda

Kodai Yoshida

 

Equipe

Direção Artística: Tamasaburo Bando

Produção de palco: Kazuki Imagai, Masafumi Kazama

Iluminação – Designer: Kenichi Mashiko (S.L.S.)

Iluminação – Operador: Ayaka Miyanaga (S.L.S.)

Engenheiros de Som: Kaori Abe (Niigata Shomei Giken), Takuro Susaki

Figurino: Maya Minowa

Cabeleireiro: Takashi Akamine

Gerente: Yui Kawamoto

 

Site oficial do Grupo KODO | www.kodo.or.jp

Site oficial do Grupo KODO | www.kodo.or.jp

 

 

São Paulo

Teatro Alfa 14 e 15 de Março, 21 horas. R$ 60,00 a R$ 160,00

Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro São Paulo, 04757-000, Brasil

Site INGRESSO RAPIDO

 

 

Rio de Janeiro

Cidade das Artes  Grande Sala 17 a 19 de Março, 21 horas. R$ 75,00 a R$ 150,00

Av. das Américas, 5300 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ, 22793-080

Site INGRESSO RAPIDO

 

 

 

 

Fonte: jojoscope_bar

 

Related Post

AKIRA SAITO: Os benefícios da prática do Budô As Artes Marciais japonesas são regidas pelos conceitos samurais de caráter e de honra. A este conjunto de regras e conceitos dá-se o nome de Budo que...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Sinal dos Tempos   Um lembrete sempre reiterado no curso de jornalismo é que leve consigo sempre uma caderneta, caneta e máquina fotográfica. Por que  você não...
BEM ESTAR: Planejando e programando a vida Estão prontos para fazer o planejamento e  programação para sua vida? Vamos ver : Como está vivendo? Como quer viver? Como vê a vida? C...
ERIKA TAMURA: O futuro dos jovens brasileiros no j...   Amo morar no Japão, admiro esse país que tão bem me acolheu, adoro viver aqui, mas tenho que fazer uma observação não muito positiva do que ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *