JOJOSCOPE: Olimpiadas de Tokyo 1964: documento ou arte?

 

Comemorando a decisão do Comitê Olímpico Internacional, que decidiu por Tokyo como cidade anfitriã dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2020, Jojoscope remonta ao tempo, para lembrar o filme OLIMPÍADAS DE TOKYO, de Ichikawa Kon, lançado mundialmente em 1965.

 

Cartaz do filme Olimpíadas de Tokyo, criado por Kamekura Yusaku

 

 

Cartaz do filme na França.

Os tempos eram outros. O Japão ainda se recuperava dos escombros da Segunda Grande Guerra. Afinal, havia se passado apenas 15 anos desde a explosão da bomba atômica em Hiroshima e Nagasaki, quando Tokyo foi escolhida a cidade sede das Olimpíadas de 1964. Tokyo não era essa cidade que conhecemos hoje, e concorria como a zebra. A infraestrutura urbana ainda era insuficiente, a rede de transportes públicos, especialmente o metrô estava para ser implementada, mas havia um ritmo acelerado de industrialização e uma forte expectativa no reerguimento da nação. O Japão era um país emergente, que esperava por uma boa oportunidade para entrar no time do Primeiro Mundo. Essa oportunidade veio com as Olimpíadas. Foi o gatilho que impulsionou as grandes melhorias urbanas para preparar a cidade para acolher atletas e turistas do mundo todo. Era o momento de mostrar para o mundo que o Japão estava renascendo, mais forte e mais confiante em seu potencial.

 

Ichikawa Kon, o cineasta de “A Harpa da Birmânia” (Biruma no Tatekoto, aqui no Brasil, “Não Deixarei os Mortos”), dirigiu o documentário-épico “As Olimpíadas de Tokyo” (Toukyou Orimpikkusu),  lançado em 1965, que revolucionou a linguagem do cinema documental.  Trata-se de  uma superprodução que contou com a participação de 164 cinegrafistas, 5 câmeras Techniscope*, importadas da Itália, poderosíssimas lentes de 200 a 1600 mm, e uma tecnologia ótica de ponta para a época. Cenas de alto impacto se misturavam a sequências em câmera lenta, provocando uma poesia poética encantadora. A crítica conclamou: “documentário ou arte?”. Kurosawa, muitos anos após, iria aplicar este ensinamento em cenas de batalha de Ran.

 

Equipe técnica de produção do filme.

 

Merece destaque também a trilha sonora de Mayuzumi Toshiro, cujo trabalho impressionou o diretor americano John Houston, que o convidou para compor a música para o filme “A Bílbia” (The Bible, 1966).

No Brasil, o filme estreou no Cine Joia, em São Paulo, o cinema especializado nas produções Toho.

 

Fachada do cine Joia, na praça Carlos Gomes, na Liberdade em São Paulo. Na foto, da segunda metade da década de 1970, o cine Joia mudou de nome e proprietário, chamava-se cine Shochiku (apesar da permanenência do letreiro enorme na fachada), e exibia somente filmes da produtora Shochiku, até então exibidas no cine Nippon.

 

(*) Techniscope é um formato de filme concebido pela Technicolor Italia em 1963. Foi um processo de filmagem bastante empregado nos anos 60, em que o filme 35 mm avançava na câmera de duas perfurações por imagem no lugar das quatro perfurações usuais. Isso dava uma imagem negativa no formato Scope, muito mais ampla do que o widescreen. Para obtenção de cópias de projeção, a imagem era comprimida horizontalmente (anamorfose) em laboratório e ampliada na dimensão do Scope.

 

O último quadro é a proporção techniscope.

 

Toukyou Orinpikku, (Olimpiad of Tokyo), 1966, direção Ichikawa Kon, produção Toho, 170 min. Direção de arte de Kamekura Yusaku, que também assinou todo o design gráfico dos materiais promocionais das Olimpíadas de Tokyo.

Assista aqui um trecho raro do filme, a maratona, que tradicionalmente encerra a Olimpíada. Abebe Bikila, da Etiópia foi o grande vencedor, ultrapassando o japonês Tsuburaya Kokichi, que ficou com a medalha de bronze. Nunca as lentes foram tão poderosas para retratar momentos tão intimistas no esporte. A grandeza da trilha sonora de Mayuzumi Toshiro realça cada movimento.

 

 

E aqui os primeiros dez minutos do filme, mostrando a trajetória da tocha olímpica desde de Grécia, e chegando a Hiroshima, no Memorial da Paz, num percurso carregado de simbolismo. O trajeto da tocha de Hiroshima a Tokyo, com fascinantes tomadas aéreas é impressionante. O trecho vai até o início da cerimônia de abertura, com a então Sua Majestade, o Imperador Hirohito. O então príncipe Akihito também aparece num rápido trecho. Cenas históricas.

 

 

 

Fonte: 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Uma procura vã ... Uma procura vã Encontrar a palavra certa Na incerteza dessa vida Na intermitência de um caminhar Descompassado É garimpar fútil. Se assim fo...
AKIRA SAITO: QUESTÃO DE HOMBRIDADE   “O valor de uma pessoa se mede pela sua dignidade” Em uma sociedade em que se busca mais os resultados, muitas vezes pessoas se esquecem ...
AKIRA SAITO: CITANDO EXEMPLOS “A melhor forma de ensinar é através de seus próprios exemplos”   Se analisarmos hoje a situação do mundo de forma geral, veremos que em muit...
ERIKA TAMURA: Visto para yonsei Recebo muitas mensagens de pessoas pedindo a minha opinião sobre o visto para yonsei (quarta geração de descendentes de  japoneses). Toda a polêmic...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *