JOJOSCOPE: Yuubi e Kiraku: Preservando Tradições

 

Havia um velho sonho que a professora Hiroka Matsui Sato perseguia há muito tempo: criar um grupo de dança japonesa, nihon buyo, e uni-la com os tambores, o taiko.

O nihon buyo é uma prática da dança tradicional japonesa que tem origem no teatro Kabuki e Nô, mas que agregam também as danças dos festivais e dos rituais.

 

Dança Nihon Buyô: atraindo nova geração

 

A professora Hiroka batizou o grupo de dança como Yuubi (優美), que em tradução livre significa elegância graciosa. A base da dança introduzida pela professora Hiroka é o estilo Hanayagi-ryu, um dos cinco grandes estilos existentes e a maior vertente da dança tradicional japonesa. Hiroka Matsui Sato estudou esse estilo durante 16 anos, iniciando-se em 1986, com Sumitomiyo, e recebeu o título HANAYAGI  SUMITOMIHIRO em reconhecimento ao refinamento que atingiu nas técnicas desse estilo. Fazendo parte do grupo Hanayagi-ryu Nadeshiko Kai durante 25 anos e executando inúmeras apresentações, alçou voo para uma jornada fora do grupo e em 2010 fundou o grupo Yuubi.

 

 

 

O desejo de aproximar a arte japonesa expandiu-se da expressão corporal para atingir também a musicalidade. Por isso, unir esta arte da dança ao taiko.

O Taiko, tambor em japonês, uma parte importante da arte milenar que com sua força e presença, foi assimilada por Hiroka Matsui Sato tendo participado do grupo Tangue Setsuko Taiko Dojo, um dos grupos pioneiros no Brasil, nos anos 90. Na mesma década seu filho, Leo Yuuto Sato, descobre o encanto desta expressão unindo-se ao grupo e posteriormente recebe qualificação de docente no estilo Sukeroku através do mestre Takashi Imaizumi. Estava sendo formado então o grupo Kiraku (喜楽  ),  alegria e prazer.

 

 

O grupo Kiraku é jovem e enérgico como o próprio Taiko, porém, seus movimentos, respiração e força possuem bases sólidas nos ensinamentos tradicionais.  Assim conseguem expressar a contemporaneidade sem perder o eixo da tradição

 

 

Kazuma Hibiki: direto do Japão

A união dos dois grupos, Yuubi e Kiraku, remete a um desafio de transpor o tempo e aliar o tradicional com o contemporâneo. A maioria dos integrantes é composta por nisseis, sanseis e yonseis (descendentes de segunda, terceira e quarta geração). Aprendem não só a dança, mas também o ritual da forma de se vestir e também a maquiagem específica; no taiko os movimentos, dosagem da batida para determinado som e expressar sua presença. Aprendem que são também responsáveis em transmitir a cultura japonesa que foi passada de geração a geração e que hoje são eles a representação do amanhã dessa cultura milenar.

E desse projeto nasce a primeira apresentação pública do grupo Yuubi e Kiraku, no palco da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e Assistência Social – Bunkyo. Para esta ocasião foi chamado um reforço que vem do Japão: Kazuma Hibiki, membro do grupo Hibiki Family que é constituído por dois irmãos mais novos de Hiroka Matsui Sato (Akito e Kazuma Hibiki) e Yuka Hibiki.

 

 

SERVIÇO:

Grupo Yuubi e Kiraku

Quando: Dia 20 de Janeiro de 2013 (domingo), às 14hs

Onde:  Grande Auditório da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa – Bunkyo (Rua São Joaquim, 381), São Paulo.

Ingressos: (R$ 20,00)

Mais informações: (11) 99219-8364

 

 

 

 

 

 

fonte: 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

NIKKEI RJ: Aconteceu o almejado 41º Undoukai da Ri...   Esquerda, Walter Yoshida, Minoru Matsuura, sargento Marcelo Ricardo Alves e Alves, cônsul interino Hajime Kimura, Akiyoshi Shikada, Roberto...
ERIKA TAMURA: Frequência escolar no Japão não é ob... Durante uma reunião na Embaixada do Brasil em Tóquio, foi levantada a questão do caso das crianças estrangeiras no Japão não se encaixar na obrigatori...
JORGE NAGAO: Izabel, a masterchef   Os masterchéfilos viveram uma noite excitante na noite de terça, dia 15. Depois de engolir o indigesto noticiário com os cortes do gover...
ERIKA TAMURA: Mulheres, são frágeis? Nesses últimos tempos, tenho observado muito as mulheres brasileiras que vivem aqui no Japão. E confesso que estou muito feliz com o que eu vejo. São ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *