JORGE NAGAO: Como Dilma chegou lá

contracapa do livro de Ricardo B. Amaral

contracapa do livro de Ricardo B. Amaral

Em 2009, quando Lula lançou a ministra Dilma como candidata do PT, o espanto foi geral. Ele quer eleger um poste ou estará tramando uma jogada para um terceiro mandato, comentavam os analistas políticos. Sem José Dirceu e Antonio Palocci afastados de seus cargos, sobrava ela, a mãe do PAC.

Ouvi do deputado Ricardo Berzoini, em 2009, que no ano seguinte, Lula sairia com Dilma no meio do povo e pediria para votar nela e ela se elegeria. Os ouvintes não acreditaram naquela previsão.

Vamos deixar o Ricardo Batista Amaral contar a história dela. Em 1973, Dilma tinha 25 anos e sentiu uma grande solidão. Quem ela conhecia estava na cadeia, ou estava exilado ou morto. Precisava começar do zero e lutar por um Brasil melhor.

Em 1982, ela e seu marido Carlos Araújo entraram para o PDT, de Brizola. Ela atuava na direção do partido. O Caudilho se elege governador do Rio de Janeiro.

Carlos Araújo se elege deputado estadual no RS. Ela se torna assessora técnica e política da bancada do PDT gaúcho.

Em 1985, Alceu Collares foi eleito prefeito de Porto Alegre e nomeou Dilma como Secretária da Fazenda. Eficiente, organizou as contas da prefeitura e provou ser uma boa gestora pública.

Em 1990, Alceu Collares torna-se governador do RS e leva Dilma para presidir a FEE, Fundação de Economia e Estatíssica. Ficou no cargo até 1993 quando foi dirigir a SEMC, Secretaria de Energia, Minas e Comunicação. Em pouco mais de um ano, assegurou a participação do Estado na partilha do gás importado da Bolívia e impediu a privatização da CRT, a estatal da telefonia gaúcha.

Em 1995, Dilma voltou a trabalhar como economista na FEE. Editou o Informe Economico RS onde publicou artigos de política fiscal e outros assuntos relevantes da época. Iniciou um curso de doutorado na Unicamp, sem concluir, pois foi cahamada em 1999 para o governo. Voltou para a Secretaria de Energia. Nesse ano, houve um racha no PDT e ela se filiou ao PT.

Em 2002, Lula foi eleito em parte pelo apagão de 2001 que desmoralizou FHC e seu partido. Lula sabia do belo trabalho de Dilma que resolvera o problema da energia no RS e nomeu-a ministra das Minas e Energia.

Em 2005, estoura o Mensalão. Dilma vai para o lugar de José Dirceu, na Casa Civil. Em 2006, Dilma dirigiu um programa que seria fundamental para a reeleição de Lula, o Luz para Todos.

Na Casa Civil, ela comandaria o PAC, o ambicioso Porgrama de Aceleração do Crescimento. 500 bilhões de reais seriam empregados em investimentos públicos e privados. Dilma foi chamada de a mãe do PAC, pelo presidente Lula. Era o sinal de que seria uma pré-candidata em 2010. Seu nome passou a constar nas pesquisas eleitorais. Tinha 3 por cento, enquanto Ciro Gomes detinha 20 e José Serra ostentava 38.

Em 2009, o grande susto. Recebeu um telefonema do Hospital Sírio Libanes em que fizera uma biópsia que confirmou que estava com cancer nos ganglios. O tratamento foi doloroso até que em setembro os médicos atestaram que ela estava livre daquele mal. Mais uma batalha vencida.

A descoberta do pré-sal foi a grande novidade do segundo mandato de Lula. Dilma e o governo decidiram destinar toda a renda do pré-sal a um fundo social voltado exclusivamente para combater a miséria e investir em educação, cultura, inovação tecnológica e proteção do meio ambiente.

Em 2010, chega finalmente. A seleção brasileira é eliminada na Copa da África pela Holanda. A oposição gostou porque o povo poderia achar que a situação do país não estava tranquila e favorável.

Como todos lembram, a campanha bem tumultuada mas com Lula, como grande cabo eleitoral, Dilma obteve 55.752.529 votos, 12 milhões a mais que José Serra.

Na semana que vem, o fim dessa trajetória inacreditável.

 

JORGE NAGAO

JORGE NAGAO

além do Nippak e www.nippak.com.br,também está na constelação do www.algoadizer.com.br.
E-mail: jlcnagao@uol.com.br
JORGE NAGAO

Últimos posts por JORGE NAGAO (exibir todos)

     

    Related Post

    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Hitono nozomino yor... Hitono nozomino yorokobiyo     Em português, O desejo da minha alma. É o primeiro filme longa metragem de Masakazu Sugita, jovem ...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Entre as divaga...     Entre as divagações   Em que casa haverá água Para lavar o barro em meus pés Que por caminhar pelas veredas da alma Ac...
    AKIRA SAITO: A ESCOLHA CERTA “Em todos os momentos de nossa vida somos dispostos a escolher entre o que é certo e o que é o errado, cabe a cada um o caráter de suas escolhas” &nb...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Entardecer em o... Entardecer em outono Outono vai morrendo No fundo Mais profundo do poço Em que nenhuma luz Consegue entrar Os medos habitam Este lugar As ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *