JORGE NAGAO: Imai, a família que faz chover

 

 

A caminho do colégio, na década de 70, fui surpreendido por uma chuva. Completamente ensopado, entrei na sala de aula para fazer a prova de Geografia. Primeira pergunta: Por que chove? Eu não sabia…

Hoje, a pergunta é: Por que não chove? Ou chove tão pouco que a cada dia baixa o nível das represas e chovem reclamações dos paulistanos sem-água e chovem promessas dos governantes. Parece que chove à cântaros em todo canto menos no Cantareira.

Alckmin, o manda-chuva dos paulistas, se aborrece com São Pedro que não manda chuva, e  está pedindo a água do rio Paraíba do Sul mas Cabral, o manda-chuva do Rio, diz que a água do rio é do Rio, então rio para não chorar.

Esta situação dramaquática que vivemos agora poderia ter acontecido há muito tempo e foi adiada graças ao engenheiro-inventor Takeshi Imai que, no início dos anos 2000, criou uma tecnologia que provoca chuvas artificiais. A Modclima, sua empresa, chegou a ser responsável por 31% das chuvas naquela época, no sistema Cantareira e Alto Tietê.

A história profissional do mestre Takeshi é cheia de altos e baixos. Começou na Hatsuta Industrial, criada por seu pai em 1964. Em 1971, virou herói nacional quando inventou um pulverizador que acabou com a ferrugem dos cafezais. A Hatsuta cresceu tanto nos anos seguintes que ele chegou à capa da revista Exame, em 1975. Inventou a bicicleta motorizada e o walkmachine. Nos anos 80, uma crise abateu sobre a sua empresa gerando uma dívida de  CR$5 milhões. Para salvar a empresa, os empregados ficaram com 25% das ações e assim, com o comprometimento de todos, reergueram a firma.

Um dia, ao demonstrar o poder de uma motosserra que derrubou um enorme jacarandá em poucos minutos, bateu o remorso. Abandonou aquele negócio de venenos e desmatamentos, fechou a empresa, e resolveu trabalhar para o bem de todos, “para pagar os meus pecados”, justificou.

Nos anos 90, por conflitos familiares, os filhos e esposa se afastaram dele. Anos depois, os filhos  souberam que Takeshi estava  sozinho, doente, diabético e neuropático, reencontraram o pai e cuidaram dele. Reconciliado com os filhos,  ele  queria  que os filhos Maju e Ricardo  tocassem  como ele mesmo dizia :  “ um troço superbacana”: fazer chover. Surtou, pensou a filha Maju, acho que temos de interná-lo. Mas quando revelou os detalhes daquela empreitada, o filho Ricardo se entusiasmou e se engajou  de corpo e alma naquela viagem. Majory também embarcou nesse sonho e pensou na possibilidade de ajudar o povo das regiões mais pobres do país como realmente aconteceu nos últimos anos. Bahia, Maranhão e Pernambuco foram beneficiados com esta ação da Modclima.

Mr. Takeshi assinou o primeiro contrato com Sabesp, em 2001. Estabeleceu-se em Bragança Paulista, a 100 km da capital. Este projeto solidário de indução da chuva localizada foi exibido e elogiado na China, na ONU, e premiado em Cannes, França. A técnica surpreende pela simplicidade pois o avião bimotor pulveriza água potável nas nuvens cumulus congestus, com forma de couve-flor, e, em mais de 60% das aplicações, provoca chuvas demoradas para a alegria da Sabesp, dos agricultores, da fauna e da flora. Outro projeto original de Imai  são as árvores-flechas, lançados por um Cessna 172, que espetam no solo e colocam as mudas em contato com a terra. A revegetação era uma dívida que Takeshi tinha com a Natureza para compensar as árvores tombadas por suas motosserras.

Em meados do ano passado, depois de comer uns bolinhos de … chuva, Takeshi se recolheu em seu quarto e sofreu um infarto fulminante. Como ele vivia com a cabeça nas nuvens, os filhos, que agora tocam o Modclima, semearam suas cinzas numa nuvem imensa – digna do Sr. Takeshi – e caiu uma chuva de lágrimas acompanhada de um arco-íris indescritível.

Reproduzo as palavras de Sabrina Bitterncourt quando apresentou Majory  Imai no TEDxVilaMADÁ, “saudações estelares ao mestre Takeshi na galáxia em que ele estiver agora…”

 

 

 

===========================================================

 

 

Jorge Nagao

além do Nippak e www.nippak.com.br,  também está na constelação do www.algoadizer.com.br.  E-mail: jlcnagao@uol.com.br

 

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ERIKA TAMURA: Pavilhão Cultural na Embaixada do Br...   No dia 25 de março, fui convidada para um jantar na casa do Embaixador do Brasil no Japão, André Corrêa do Lago. O jantar era uma confratern...
JOJOSCOPE: As Memórias de Marnie           Fonte:       
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Vida que vem, Vida ... A pequena chegou e enquanto abraçava a tia, perguntou: - você sabia que eu vou ganhar um irmãozinho? Apontando o dedo para cima, repetia: - vou ganhar...
CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Balada de Orin Balada de Orin   Filmes japoneses antigos, bem como os atuais, que não foram exibidos nas salas comerciais, fora daquele país, podem se...

One Comment

  1. Uma linda história..
    E sei o que é isso, sempre toquei minha empresa, e noa ano passado tive que parar as atividades, com divida no banco, com isso, perdi minha esposa, e fiquei distante de meus 2 filhos, sem trabalho e triste.
    Que bom que sua família lhe deu conforto nos últimos anos de vida e prosseguiram com seu sonho.
    Aos filhos meus parabéns, pois seu pai nunca deixou de amá-los e ao Jorge, muita luz e obrigado por ter vindo a terra e ensinar a amar a natureze e criar muitos empregos e oportunidades
    Deus te abençoe
    Aleixo Brito
    aleixo@bbcomercial.com.br

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *