JORGE NAGAO: Multividas

 

O adolescente tímido vindo do meio da zona leste se apresentou na Multividro, no Belenzinho, bairro paulistano, em dezembro de 1967. Aprovado no teste, foi encaminhado a um escritório no meio da fábrica. Naquela época, havia o salário mínimo para o trabalhador menor, equivalia à metade do salário do adulto, hoje seria R$362. Outro dia, foi ver na Carteira de Trabalho para que cargo fora contratado e riu muito: Auxiliar de Ajudante.

 

images

 

Diziam que ele era um kardexista, não um seguidor de Allan Kardec, mas um cara que trabalhava num arquivo chamado Kardex. Cada material dos três almoxarifados tinha uma ficha e ele dava baixa nas requisições e fazia pedido de compra quando a peça chegava ao estoque mínimo. Trabalhou nesta “criativa” função por uns meses quando foi promovido a orçamentista, isto é, calculava o valor de uma peça, da fabricação até a sua finalização. Algumas delas passavam por seções nobres como Lapidação, Guilochet e Pintura. Com essa promoção, certamente, ganhou um belo aumento de salário, não? Não, continuou com o meio mínimo, levando marmita, correndo pro colégio na Penha, chegando em casa à meia-noite, acordando às 6:30h para repetir essa maratona diária. Dois anos depois, ao completar 18 anos, passou a ganhar o mínimo integral. Ficou feliz com o aumento de 100%, hoje o mínimo é R$724.

Enquanto o regime militar recrudescia com a tortura e a censura, o rapaz alienado, apesar de ganhar pouco, curtia muito aquela fábrica pois se relacionava com quase todas as seções. Sua seção, Custos, tinha que apurar o custo de tudo como aquele sucesso do Roberto Carlos: “Custe o que custar”. CQC.

Gozando férias, um colega apareceu na casa dele, anunciando que ele teria que se apresentar na fábrica pois uma nova coleção seria lançada e ele era o único capacitado para calcular o seu custo. Era uma jarra com seis copos lapidados e com filetes de ouro. Que ironia: só o empregado que ganhava o mínimo, somente ele, era capaz de fazer o orçamento da coleção Lapidação 7 que foi um grande sucesso de vendas. Ah, isso, deve ter dobrado o salário dele, não? Não, continuou ganhando o mínimo, apesar de ser o máximo. Rs rs.

Naquela época, para reajustar a sua tabela de preços, a fábrica teria que provar a um órgão do Ministério da Fazenda, acho que era o SIP, que houvera um aumento no custo na fabricação dos produtos. E quem fazia isso? Claro, ele, o cara que ganhava o mínimo, que, pacientemente, pesquisava ítem por ítem, ficha por ficha, nota fiscal de cada produto, para comprovar que o catálogo precisava ser reajustado. Quando o reajuste solicitado era atendido, com índice acima da inflação,  a comemoração era contagiante. Então, o responsável por aquela conquista recebia um belo d’um aumento, não? Não, continuava recebendo o salário mínimo.

O grupo Nadir Figueiredo resolveu lançar um jornal para informar o que se passava em suas unidades. Ademir, o chefe do nosso “herói”, sugeriu que ele escrevesse sobre os novos universitários, colegas do escritório que conseguiram a façanha de entrar na faculdade. Então, aquele abnegado japaz passou a ser o cronista da Multividro na publicação. Ah, por representar tão bem a sua unidade recebeu um bônus especial, não? Não, Nadirca de nada, ele continuou ganhando o salário mínimo, leitor@.

A vida seguia, normalmente. Até que um dia, na surdina, ele fez o concurso para o concorrido Banco do Brasil. Foi aprovado. Ganharia um salário três vezes maior que o da fábrica. O chefe do Departamento Pessoal que jamais o valorizou por anos, tentou convencê-lo a ficar, em vão, evidentemente.

Hoje, analisando esse período, apesar de tudo, afirma que valeu muito a pena ter trabalhado naquela firma, uma fábrica de emoções e experiências enriquecedoras. Percebe que viveu muitas vidas ali. Vida amorosa, lá conheceu o seu primeiro amor. Vida espiritual, lá foi apresentado por Teixeira à Rosacruz. Vida literária, lá publicou seus primeiros poemas e crônicas. Vida de compositor, lá começou a criar suas primeiras canções para consumo próprio. Multividas, enfim. Depois que deixou a empresa, soube que uma operária, uma colega muito querida, partira antes do combinado como diz o Boldrin. Aí nasceu o poema

 

 

 

MULTIVIDRO, SEVERINA

 

No destino da nordestina,

uma fábrica de vidro.

Severina, nada severa, aceitou:

tudo certo certinho, sertão!

 

A fábrica de vidro

também produzia ilusões.

Severina, coração de vidro,

vivia feliz entre os peões.

 

Salário mínimo,

insalubridade máxima.

Barriga vazia,

trem lotado.

 

Muitos anos a fio,

nesta rotina,

pobre Severina

se consumiu.

Severina,

que lia nas embalagens

“cuidado, frágil”,

tornou-se frágil

e sem cuidados.

 

A assistência dos patrões

era pouca e se acabou.

A vida de Severina era vidro

e se quebrou.

 

 

 

 

 

 

===================================================================

jorge-nagao

Jorge Nagao

além do Nippak e www.nippak.com.br,  também está na constelação do www.algoadizer.com.br.  E-mail: jlcnagao@uol.com.br

 

 

 

 

===================================================================

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Família Moribe, de Cafelândi...   Foi em 6/05/1913, que o Patriarca Isaburo, saindo de Fukuoka, desembarca no porto de Santos. Moribe significa –Guardiões da Floresta -. Como...
JORGE NAGAO: Família Kayano Genoino / FELIZ OUTON... “ Porque o Vôvi é a nossa felicidade, e ele ficou lá preso, fechado, então a nossa felicidade estava fechada. Ainda bem que ele saiu.” (Paula, filha ...
NISHIKIGOI: Associação Brasileira realiza exposiçã... Depois de mais de cinco anos ausente, a Exposição Brasileira de Nishikigoi retorna à capital paulista nos dias 5 e 6 de maio, no Parque da Água Branca...
JORGE NAGAO: Aurora, Emi, Izildo, Oséas e Ubaldo   A,E,I,O e U estudavam no mesmo colégio, na mesma série, na mesma classe, e eram da mesma patota. A e E eram meninas normais, sonhadoras,...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *