JORGE NAGAO: Na Japan House

A Japan House, na avenida Paulista, 52, é a nova atração turística paulistana.

O marketing da abertura  da casa foi genial.  A ação do artista Makoto Azuma, Flower Messenger, com trinta ciclistas com muitas flores em suas bikes, percorrendo os

principais pontos da cidade despertou a curiosidade da população que ainda levou pra casa aquelas lindas flores. O auge foi o show no Ibira com Ryuichi Sakamoto, Jun Miyake com muitos

músicos e cantores que brilharam naquela fria noite de domingo.

Quem fez a JH?

O governo japonês que investiu R$ 100 milhões na JH-SP e está construindo outras em Londres e Los Angeles.

Angela Hirata, a presidente da casa que faz o meio de campo com as empresas japonesas.

Kengo Kuma, o arquiteto que fez a belíssima fachada de madeira.

Marcello Dantas, curador, que disse que o Japão é um lugar inspirador. Viajou pra lá em 1988.

Só em 2016 foi seis vezes ao país do sakura.

Shigeo Kawashima, o artista bamba do bambu. Passou dez dias aqui para erguer a sua instalação, uma das atrações do segundo andar.

Akio Hizume, autor da instação de 600 estacas e doze faces, sem nenhuma amarração.

Chikuunsai IV Tanabe criou aquela árvore de 3 m de altura, sem usar prego ou cola.

Makoto Azuma, artista que mobilizou ciclistas, desde 8 de abril.

Jun Sakamoto, chef responável pelo restaurante que tem teishokus, na bandeja, e tonkatsu, lombo de porco empanado com conservas, guiozá e missoshiro.

Elizabeth Wada, professora e pesquisadora treinou os funcionários. Omotenashi, a hospitalidade, porque o japonês é cortês, acolhedor e muito preocupado com o bem-estar, explicou ela.

A JH conta com uma bela biblioteca com 1500 volumes que podem ser consultados com todo o conforto nos sofás, naquele cantinho do térreo.

No Imi Café, tem além de café, chás e doces japoneses, como a tortinha de ganache de chocolate e creme de  queijo mascarpone.

Na lojinha, vende-se artigos japoneses e sakês, caríssimos, caríssimos amigos.

 

Na Japan House

 

Obras em exposição:

A exposição principal Bambu, histórias de um Japão, ficará até 9 de julho. Imperdível!

O bambu lá está em forma de flauta, shakuhachi. Têm muitos brinquedos feitos de bambu.

É também um alimento muito apreciado, o takenoko, broto de bambu. Está lá uma espada de bambu, usada nas artes marciais. Além de artefatos feitos de bambu como vasos e cestos.

Hajime Nakatomi apresenta seu Prisma Elíptico, Céu e Terra, e o Prima Circular, formas que remetem a reflexos de luz sobre esse sólido geométrico.

Outra grande atração é o Bashofu, um tecido feito a partir da fibra de bananeira, de Okinawa.

Utilizado para a confecção de quimonos. O vídeo que explica a produção da fibra é muito concorrido.

A  Japan House te espera de terça a sábado das 10 às 22h e nos domingos e feriados das 10 às 18h.

De grátis.

 

JORGE NAGAO

JORGE NAGAO

além do Nippak e www.nippak.com.br,também está na constelação do www.algoadizer.com.br.
E-mail: jlcnagao@uol.com.br
JORGE NAGAO

Últimos posts por JORGE NAGAO (exibir todos)

     

    Related Post

    ERIKA TAMURA: Sacola plástica no Japão Durante um tempinho atrás, acompanhei toda a polêmica sobre o fim das sacolinhas plásticas convencionais de supermercado no Estado de São Paulo e algu...
    AKIRA SAITO: QUAL O SEU LIMITE?   “Grandes são aqueles que fazem algo extraordinário, mesmo que às vezes sem o glamour, a fama ou sucesso, mas com certeza além de qualquer li...
    ERIKA TAMURA: Hábitos japoneses   Paro para pensar e fico refletindo sobre todos esses anos no Japão. Quantos hábitos eu mudei, e quantos eu não consigo mudar. Por exemplo, q...
    BEM ESTAR: No limiar de um Novo Ano Feito o balanço de mais um ciclo de vida, dos anos vividos, vem o momento de renovação, inflando o coração e a mente de promessas das mudanças e esper...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *