JORGE NAGAO: Que horas ela volta?

!cid_ii_15088b9ab7db4a97

Que horas ela volta?, o filme brasileiro que concorre ao Oscar. (foto; divulgação)

 

A pernambucana Val (Regina Casé) se mudou para São Paulo a fim de dar melhores condições de vida para sua filha Jéssica (Camila Márdila) que ficou no interior de Pernambuco com uma amiga. Enviava um bom dinheiro pra amiga  para que ela cuidasse bem de sua filha e de sua vida escolar.  Val era a babá de Fabinho, no Morumbi, bairro de classe média alta.

Treze anos depois, Jéssica (Camila Márdila) lhe telefona, dizendo que iria a São Paulo porque faria o vestibular pra FAU-USP. Ela estranha quando chega numa mansão pois desconhecia que sua mãe morava lá, no quartinho da empregada. Os patrões  de Val recebem bem a menina. Como ela nunca teve patrão, estranha quando vai dormir num quarto apertado mas circula livremente pela casa e aí a situação dela começa a se complicar.

Pronto, calei! Este é um breve resumo do filme “Que horas que ela volta?” que representará o Brasil, no Oscar, na categoria de melhor filme estrangeiro.

 

O filme

Vai bem, obrigado! Premiado em Sundance, Regina Casé levou o troféu de melhor atriz. No festival de Berlim, Casé e Márdila dividiram o prêmio de melhor atriz. Em cartaz, na França e na Itália, QHEV é um sucesso!

 

A Diretora

Anna Muylaert revelou, em entrevista ao jornal Brasil de Fato, que há 20 anos queria fazer esse filme. “O som ao redor”, de Kleber Mendonça Filho, que deu visibilidade a pessoas comuns, incentivou-a a planejar e realizar esse filme espetacular.

 

Patroa x Empregada

O tema é recorrente na mídia. Recentemente, Gisele Bündchen soube que o marido a traía com a babá de sua filha. Não sei como terminou essa história.

Há pouco tempo, num filme em que a empregada sofria assédio moral da patroa que, no entanto, adorava o bolo de chocolate que a doméstica fazia. Um dia, ela preparou o bolo com um ingrediente especial, um pouco do “número dois!”. Quando a patroa elogiou o seu confeito, ela fez questão de dizer a todos que a patroa dela havia comido o seu bolo de “cocôlate!” Vingança! Isso é que dá tratar mal quem te serve, seja garção ou empregada doméstica. Regina e Camila estavam na boa companhia de Karina Teles e de Lourenço Mutarelli, ator e escritor, que foi muito elogiado pela diretora por contribuir muito para tornar verossímil o seu personagem.

 

Mudanças

Anna Muylart, depois de trinta anos, foi uma diretora indicada pelo Brasil para concorrer ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Realizada profissionalmente, ela afirma que o Brasil ainda está no século XIX, com fortes resquícios do colonialismo. Aqui, ainda é normal, homem pisar em mulher, branco em preto e rico em pobre. Otimista, Anna acredita que o seu filme possa contribuir para que essa complicada relação patroa x empregada melhore com a nova legislação.

 

Dúvidas

Com a crise afetando a classe C que mais se beneficiou com os programas sociais dos últimos 15 anos, a situação mudou. Rezemos para que o Brasil vença este desafio.

 

Convite

Assista ao filme “Que horas que ela volta?” E que ele vá à Hollywood e traga um Oscar para o Brasil. Entre tantas notícias ruins, essa boa nova faria um bem enorme para nós, empregados ou patrões, desta pátria amada, Brasil!

 

 

JORGE NAGAO

JORGE NAGAO

além do Nippak e www.nippak.com.br,também está na constelação do www.algoadizer.com.br.
E-mail: jlcnagao@uol.com.br
JORGE NAGAO

Últimos posts por JORGE NAGAO (exibir todos)

    Related Post

    JORGE NAGAO: Profestories   Profestories Aos mestres com humor e carinho, alguns micos inesquecíveis.     Marriô Pense num professor rigoro...
    AKIRA SAITO: O CAMINHO DE CADA UM “No paradoxo constante do Budô, não basta apenas trilhar o caminho, mas sim, compreende-lo para que com sabedoria possa ensina-lo a outros”   ...
    SILVIO SANO: Não há mais vagas!!   Depois de certa idade, com a vida cada vez mais sedentária, o ideal à saúde é provocar autos exercícios, quaisquer que seja. Como há tem...
    ERIKA TAMURA: O meu ambiente de trabalho!   Como muitos leitores me perguntam sobre a minha vida profissional no Japão, hoje escreverei sobre a importância de um bom ambiente de trabal...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *