JORGE NAGAO: The Books: Ong The Wood

“Joia Rara”, nova novela das 6, trata do Budismo. Nestes tempos velozes e furiosos, certamente ela servirá para elevar a espiritualidade dos telespectadores não-datenistas.  A história começou no Nepal, pequeno país,  porém gigante, espiritualmente. Foi lá que Siddharta Gautama (século VI – 563 – 483 a.C.), em Kapilavastu, no sopé do Himalaia, encontrou a iluminação e nasceu Buda. Também foi lá que um importante executivo foi passar férias, no ano 2000.

– Cerveja sem gelo? Que mico! Não tem gelada? – perguntou o americano John Wood ao garoto da casa de chá, numa aldeia no Nepal.

– Nem a pau, John Woodal! Necas de eletricity por aqui. Mas como a nossa aldeia é uma grande geladeira, ou gelaldeia, vou dar um jeito na sua cerveja.

Pegou a latinha e correu até o rio que lá tinha. Três minutos depois, Wood saboreava a sua cerva geladinha.

– Todas as crianças daqui são espertas assim? – perguntou ele ao senhor que presenciou a cena.

– Sim, mas o Nepal é o país da fartura. “Farta” tudo. Sou o Secretário dos Recursos para a Educação, mas pode me chamar de secretário sem recursos.

Wood era simplesmente o diretor de marketing da Microsoft. Viajara até as montanhas em busca de sossego após oito anos de estressante trabalho, pois, até então,  acreditava que descanso era para os fracos. Curioso, aceitou o convite do “sem recursos” para conhecer a escola da comunidade.

O imóvel parecia A Casa, música do Vinícius de Moraes: bem desgraçada, quase não tinha móveis, não tinha nada. Em compensação, tinha goteira e uma biblioteca com cem, corrijo, sem livro algum. Diante do quadro-negro, literalmente, jurou, pois o secretário desconfiado lhe dissera  que estava cansado de promessas vãs, que montaria a biblioteca da escola no ano seguinte.

O alto executivo de Bill Gates que queria distância de telefones e e-mails não resistiu. Escreveu aos amigos, falou de seu projeto e pediu livros, muitos livros. Uma semana depois, seu pai anunciou: – já chegaram mais de três mil livros.

– Como me livro disto?

Wood, feliz, respondeu com um sonoro KKKKK.

De volta à empresa, Wood não esquecia as crianças carentes do Nepal e do mundo. Pra ele, não fazia mais sentido trabalhar para ricos ganharem bilhões, enquanto bilhões de crianças não tinham oportunidades para sonhar com uma vida digna. E a saída era o livro, a Educação, dizia a sua voz interior. Naquele momento, a sua alma começava a deixar a empresa, como diz Roberto Wong. Wood deixaria o Word para mudar para mudar o world.

No ano seguinte, desembarcava no Nepal Wood e estoque de livros, em burricos. Quem diria, logo os burros levavam a cultura ao povo! Recebido com Namastê! e flores por crianças eufóricas, com sede de saber, John Wood não teve mais dúvidas.

Demitiu-se do emprego mais cobiçado do mundo e criou a Ong Room to Read, presidida por um estrategista que acredita que a saída para a filantropia é adotar princípios do capitalismo. Graças à ajuda de colegas executivos, obteve doações de grandes empresas como o Banco de Investimentos Goldman Sachs.   Alguém acertou na mosca quando disse que a Room to Read é o casamento do Goldman Sachs com a Madre Teresa de Calcutá.

Apenas um dado: em apenas dez anos, mais de três milhões de crianças foram beneficiadas com os livros doados pelo wonderful Wood.

E pensar que tudo começou com uma cerveja. Sem gelo. É, Mr. Wood, sem gelo no coração é possível fazer um mundo melhor.

 

 

Jorge Nagao

além do Nippak e www.nippak.com.br,  também está na constelação do www.algoadizer.com.br.  E-mail: jlcnagao@uol.com.br

 

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ERIKA TAMURA: O Brasil é um país confiável? Alguns anos atrás participei de uma palestra com o ex-presidente da Honda no Brasil, Osamu Ida. Na palestra, o Sr. Ida, que é japonêsdefendia com toda...
NOTÍCIA DE LINS: Wako Fujin Kai de Lins, 61 anos   Com almoço festivo, foi marcada a passagem de mais um aniversário no dia 26, com a presença de dezenas de associadas e convidados especiais....
JORGE NAGAO: RÔÔÔN MUECK!     Confesso que não estava muito a fim de ver a badalada exposição Ron Mueck, na Pinacoteca. Voto vencido, porém, fui nesse domin...
CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Surfista das to...     Surfista das tormentas vividas   Cada vez mais passageiro de passagem se torna o tempo sem que possamos deter ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *