JORGE NAGAO: Uma naite na bibliô do Mário

Numa noite dessas:

− Ei, vocês não vão embora? Manu e a Vieja, surpreendidas, se entreolharam. − Quem está aí?  DisseVieja.

− Eu, Mário de Andrade, aqui na terceira fileira, na estante de cima.

− Ué, os livros falam?Disse Manu.

−Antes apenas ouvíamos graças às orelhas, mas agora podemos falar, porque colocaram um chip mágico na encadernação de alguns nós, na semana passada. Disse Mário.

!cid_ii_154347331cd53e82− E que é que tem? Disse Manu.

− Com isso, nós, autores ungidos, ganhamos vida literária ou, literalmente ganhamos uma nova reencar(de)nação. Assim que vocês saem, nós batemos um papo. Mas hoje já passou da hora e vocês ainda estão aí!Disse Mário de Andrade.

− Estamos fazendo hora-extra porque temos pilhas de livros para repor nas estantes. Estou curiosa. Vocês conversam sobre o quê?Disse Manu.

− Sobre vocês duas.E vocês, por que estão falando tanto de mim?Disse Mário.

− Reformaram a sua casa, 70 anos depois de sua partida. Disse Manu. Vieram o governador, secretário da cultura, o Luís Braz, atelienses, muita gente. Sua casa está linda! Ah, e quero saber: vocês livros-vivos, o que conversam?

– Você não pegou o espírito da coisa, menina! Cresça e desapareça!- entrou na conversa o Coelho Neto, da segunda fileira, primeira estante.

– Isso não está acontecendo!- balbuciou a Vieja. Não vejo a hora de me aposentar.

– Embora, vai embora/ ninguém gosta de alguém/ má como a senhora – respondeu com um haicai o Guilherme de Almeida, quarta fileira, quarta estante.

– Senhores, por favor, mais respeito com essas funcionárias- contemporizou Padre Vieira, primeira fileira, primeira estante.

− Não aguento esse padre e seus sermões. Disse José Sir Amargo, nona fileira, sexta estante.

− Concordo com o Padre Vieira. Quem ama os livros merece respeito e carinho. Disse Clarice Lispector, oitava fileira, segunda estante.

− Obrigada! Responderam ao mesmo tempo, Manu e a Vieja.

− Desculpe, Manu e Vieja, esses meus colegas pararam no tempo, continuam machistas e ultraconservadores, coitados! Disse Rachel de Queiroz.

− Valeu, Rachel! Vamos embora, Manu. Larga tudo aí. Fiquei com medo que isso acontecesse no Raloín, mas está acontecendo hoje, 2 de novembro, dia deles, o Dia do Escritor. Disse Vieja.

− Tchau, vivas mortas! Quem é vivo sempre desaparece. Disse Sergio Porto/Stanislaw Ponte Preta, sexta fileira, primeira estante.

− Até amanhã, se vocês nos tolerarem! Disse o recém-chegado Eduardo Galeano, décima estante, décima prateleira.

− É o fim! Disse Manu para a Vieja. Haja saco pra aguentar esse bando de escritores fantasmas cheios de mimimi. Agora entendi porque eles são chamados de imortais. Nem mortos dão sossego.

 

JORGE NAGAO

JORGE NAGAO

além do Nippak e www.nippak.com.br,também está na constelação do www.algoadizer.com.br.
E-mail: jlcnagao@uol.com.br
JORGE NAGAO

Últimos posts por JORGE NAGAO (exibir todos)

     

    Related Post

    BELEZA BY YUMI KATAOKA: Look “Blue Smoke Eyes”...   Olá amigas !! Hoje vamos fazer um look “Blue Smoke Eyes” pra vocês arrasarem.       É super facil. Vamos l...
    AKIRA SAITO: SUAS RAÍZES “A lealdade com suas origens é algo fundamental”   O conceito de “DO” (Caminho) nas artes tradicionais japonesas, consiste em se valorizar o ...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Cai fundo | As ... Cai fundo Esta cidade em transe A quem pertencerá? Aos cães que vagam Erraticamente Aos homens de deixaram de ser Aos poetas que carregam no...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Márcia Miyasaki, escritora... O nikkei é conhecido por sua introspecção, aspecto que já debati aqui e até elogiei o boom karaokê por lhe ter proporcionado a oportunidade de se expo...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *