LEGISLAÇÃO por FELÍCIA HARADA: Em tempos de crise

Felícia Ayako Harada*

 

Como eu sou meia antiga, diversas crises passaram e passam em minha vida.

Eu tinha uns dez anos quando em Presidente Bernardes fazia campanha para o então Governador Adhemar de Barros, pois, o vizinho da frente, o Sr. Trajano, era candidato a prefeito e amigo do papai pelo partido dele.

Meu pai, meus tios eram comerciantes e eu ouvia eles falarem de pagamento de impostos, de crise na agricultura, que o médico Dr. Guerra foi preso porque era comunista etc.

Na juventude, cursei Direito na São Francisco de 1966 a 1970, após a Revolução de 31 de março e no regime da ditadura, presenciando invasões e prisões dentro da faculdade.

Depois das Diretas Já, voltou a tão falada democracia, com planos econômicos mirabolantes, todos eles ferrando o coitado do povo!

Como sair da crise? Com protestos? Não sou contra protestos, mas, a favor de protestos organizados, com objetivos claros e possíveis e não protestos de grupinhos, que sequer sabemos o que pretendem!

Mas, enfim! Cada um tem de fazer sua parte.

A pior opção para sair da crise é reclamar, que é muito diferente de reivindicar. Não adianta só reclamar. O Governo que nós temos é esse que escolhemos. Se a grande maioria o escolheu é o nosso governo, bom ou ruim, só pode ser destituído dentro da lei, boa ou ruim, é o que temos.

O que eu vejo com seriedade são os chamados do Papa Francisco, pedindo orações, os Espíritas, os Evangélicos etc., também pedindo orações.

É hora de reflexão. Orações significam amor no coração.

É preciso viver mesmo sobre os escombros que pisamos. Outras pessoas precisam de nós.

É hora de nos fortalecermos, individualmente, não ingressarmos nessa onda de pessimismo e negatividade. Quanto mais atitudes pessimistas e negativas espalharmos, estaremos aumentando a onda negativa que se transformará em um tsunami avassalador capaz de destruir tudo, coisas e pessoas.

Em tempos de crise, não vamos só reclamar, vamos tomar atitudes. Será que não há pessoas em piores situações que a nossa?

O que nós somos ou deixamos de ser é da nossa exclusiva responsabilidade. Não culpar os outros pelo que nos acontece ou deixa de acontecer!

Mas, se esquece que o mais importante agora, mesmo diante de muitas dificuldades, é manter a mente positiva e afastar a negatividade que vem das conversas e notícias dos últimos acontecimentos.

O que mais me surpreende são aquelas pessoas que não deveriam reclamar de nada, são as que mais espalham opiniões negativas. Não enxergam nada a seu lado!

Nesse momento de crise, a sociedade consumista não deixa de usar os tais dos cartões de crédito e os inúmeros vales, vale transporte, vale refeição, vale bebida, vale livro, vale cd etc. E eu só posso enviar a todos os meus amigos um vale sorriso e um vale abraço.

Usem o vale sorriso que eu estarei sorrindo para vocês e, quando estiverem com coração apertado, usem o vale abraço que eu os estarei abraçando até que se sintam aliviados!

Sairemos desta!!!

 

São Paulo, 20 de julho de 2015

 

 

FELICIA HARADA 

 

FELICIA AYAKO HARADA

FELICIA AYAKO HARADA

Advogada em São Paulo especializada em Direito de Família. Sócia fundadora da Harada Advogados Associados. Juíza arbitral pela Câmara do Mercosul. Autora da obra Coletânea de artigos de direito civil, Rideel, 2011.Ex Inspetora Fiscal da Prefeitura de São Paulo.

E-mail: felicia@haradaadvogados.com.br
FELICIA AYAKO HARADA

Últimos posts por FELICIA AYAKO HARADA (exibir todos)

     

     

     

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *