MEIRY KAMIA: O perigo das metas inatingíveis

Muitas empresas cometem o grande erro de entrar na onda do desespero quando se veem em meio a um cenário onde são obrigadas a cortar custos, demitir funcionários e aumentar o faturamento. Na tentativa de reagir de forma agressiva, acabam instituindo metas inatingíveis acreditando que quanto mais altas forem as metas, maior será o esforço do funcionário. Entretanto, essa forma de pensar pode esconder muitas armadilhas, veja algumas delas:

Desmotivação da equipe: frustração é o sentimento que surge quando a equipe se vê diante de metas impossíveis de serem alcançadas. Junto com a frustração vem o sentimento de raiva e revolta pelo sentimento de injustiça, aliadas ao medo de ser demitido. Tais sentimentos minam a confiança entre a equipe e empresa, gerando conflitos e um clima de muita resistência.

Aumento do absenteísmo: longas e estressantes jornadas de trabalho, juntamente com a pressão pelos resultados, apenas criam condições favoráveis para os quadros de estresse. A sensação de que o trabalho árduo não levará a nada leva os funcionários a um esgotamento físico e psicológico que, em alguns casos, são compensados com o consumo de álcool e drogas. Quadros de estresse também aumentam o afastamento por doenças psíquicas ou físicas.

Riscos de fraudes: a pressão por apresentar resultados positivos e o medo da demissão ou perdas de benefícios, abre portas para as fraudes e relatórios “maquiados”. Não é raro ver funcionários pedindo para clientes ajuda-los a alcançar metas. Esse tipo de ação queima a imagem da empresa, pois mostra o distanciamento entre líderes e funcionários e denunciam o sistema autoritário que a empresa trabalha.

Problemas legais: pressionar funcionários a trabalharem em busca de metas inatingíveis pode gerar impacto negativo na autoestima do funcionário, abalando-o psicologicamente. Alguns tribunais trabalhistas entendem essa prática como sendo assédio moral e a empresa pode responder legalmente por esse crime.

 

Para não cair nessa armadilha, as empresas devem atentar para:

Oferecer boas condições de trabalho: sistemas que não funcionam, ambiente de trabalho desorganizado, falta de regras claras, falta de ferramentas para trabalhar, entre outros, são erros comuns e que devem ser levadas em consideração pela empresa ao estipularem metas. Caso contrário, cria-se um impasse, às vezes o funcionário até tem boa vontade, mas se o sistema de computador, por exemplo, está sempre em manutenção, o funcionário não tem como entregar o resultado dentro do tempo estipulado.

Entender as metas como meios e não fins: a empresa nunca deve esquecer que o objetivo maior é que ela cumpra a sua missão, que é a de servir o cliente contribuindo para uma sociedade melhor. As metas são meios para alcançar os objetivos finais, e o preço a se pagar por elas nunca deve comprometer a qualidade dos serviços, a confiança e o bem estar da organização.

Criar metas baseadas em critérios: trabalhar com metas é saudável porque faz com que a empresa e funcionários cresçam dentro de um tempo determinado, incentivando a criatividade, a inovação, a proatividade, etc. O problema está nos exageros – metas altas demais ou baixas demais. Para ajustar o “ponto bom” é necessário que a empresa tome decisões baseados no histórico da empresa, nas perspectivas do mercado, ou em outros indicadores.

Manter a comunicação aberta: conflitos são minimizados quando os funcionários sentem que também fizeram parte das decisões. Manter a via de comunicação aberta para ajustar as metas e melhorar os processos ajuda a empresa e funcionários a criarem um clima bom para o comprometimento e minimizarem os problemas.

 

 

 

resized_cabecalho_mmkt-reduzidomp

 

 

MEIRY KAMIA

MEIRY KAMIA

Palestrante, Psicóloga, Mestre em Administração de Empresas, Consultora Organizacional. Autora do livro “MOTIVAÇÃO SEM TRUQUES”. Também é ilusionista, premiada como melhor mágica feminina da América Latina, pela Federação Latino-Americana de Sociedades Mágicas. Desenvolve palestras motivacionais e treinamentos diferenciados, aliando Arte Mágica, Teatro e Psicologia.

Contatos: www.meirykamia.com; atendimento@meirykamia.com
MEIRY KAMIA

Últimos posts por MEIRY KAMIA (exibir todos)

     

     

    Related Post

    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Ó N G Á E S H I O Crisântemo e a Espada de Ruth Benedict (foto: divulgação) Há um livro “O Crisântemo e a Espada” da antropóloga Ruth Benedict, já bem antigo, edi...
    AKIRA SAITO: O-SHOGATSU OU SHOGATSU “Iniciar bem o ano com as energias renovadas”   Um dos costumes japoneses é a celebração do Ano Novo (O-Shogatsu ou Shogatsu) que apesar de s...
    JORGE NAGAO: Yoko Ono oitentona (Imagine)   Imagine uma menina japonesa, Yoko, riquíssima, filha do dono do banco Yasuda. Imagine essa criança estudando na melhor escola de música d...
    AKIRA SAITO: O IMPORTANTE É COMPETIR? “Na vida as fases são distintas umas das outras e competir, perder e vencer faz parte de todo processo de aprendizado”   “O Importante é Comp...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *