MEIRY KAMIA: Qual é o melhor tipo de empresa para se trabalhar?

Reclamamos tanto dos salários que a impressão que temos é que o salário seja o principal retentor de talentos nas organizações. Puro engano! Pesquisas demonstram que os trabalhadores têm buscado muito mais que apenas salários.

Num primeiro momento, o salário pode sim ser o principal atrativo, entretanto está longe de ser o maior retentor de talentos em uma organização, além disso, o dinheiro está incluso na categoria dos mais baixos fatores de motivação.

Lembrando que motivação é a energia empregada na realização de projetos, tem a ver com o estado de espírito parecido com felicidade, alegria e que forma uma base psicológica importante para a criatividade, inovação, e comportamentos como iniciativa, proatividade, entre outros. Ao contrário da motivação estão os estados de desânimo, angústia, ou seja, sentimentos mais negativos que levam à mais erros por falta de atenção, maior lentidão de raciocínio, etc.

Uma pessoa pode até ganhar um bom salário, mas se não estiver motivado dificilmente entregará um bom resultado e logo irá buscar outras oportunidades no mercado. Não quero dizer com isso que dinheiro não seja importante. Longe disso! Dinheiro é necessário para a nossa sobrevivência. Entretanto, o ser humano está longe de querer simplesmente sobreviver. Ele deseja mais! E as empresas estão se dando conta disso.

Em 2012, a Revista Você S/A fez um levantamento com 136.381 funcionários de empresa, com o objetivo de saber qual seria o melhor ambiente para se trabalhar. Mais da metade dos funcionários afirmaram que o um excelente lugar para se trabalhar é onde eles sentissem satisfação e motivação pelo trabalho.

Nesse ponto é importante diferenciar “satisfação” de “motivação”. Sendo que a satisfação está ligada aos recursos físicos como: bom ambiente de trabalho, boa mesa, boa iluminação, etc. E motivação é a sensação interna de energia, comprometimento e vontade de se superar. Ter uma razão maior para trabalhar é o segredo da automotivação para o trabalho. E isso explica por que Ongs e Escolas de Samba estão lotadas de pessoas que trabalham de graça, ou até colocam dinheiro do bolso para trabalhar, e estão sempre felizes e comprometidas com o trabalho.

E é aí que entra a importância do líder. Além da condução dos processos da empresa rumo a um objetivo comum, faz parte da responsabilidade do líder inspirar e desenvolver a equipe. E quando digo inspirar, quero dizer, criar um propósito para o trabalho, ou seja, ajudar a equipe a se automotivar.

Pessoas motivadas são mais felizes porque conhecem o propósito do seu trabalho. Conhecem seu papel na organização e sentem orgulho dos resultados de seus trabalhos. Essa sensação de realização traz o sentimento de felicidade e comprometimento, e com ela ganhamos maior atenção aos detalhes, maior responsabilidade nas tomadas de decisões, maior proatividade, etc. Um funcionário que é tratado apenas como um número, que não compreende seu papel na organização, que trabalha apenas pela necessidade de sobreviver, e não vê sentido nenhum em seu trabalho, não terá motivo para se empenhar. E, pessoas desmotivadas, tristes, demonstram baixa energia, baixo comprometimento, mostram-se passivas (realizando apenas o que lhe pedem), tendem a compensarem a tristeza comendo doces, fumando, consumindo álcool ou drogas, o que trará ainda mais problemas relacionados à produtividade. Além disso, estão mais expostas ao cortisol (hormônio do estresse) que rebaixa a imunidade, dando brechas para doenças físicas e psicológicas.

Podemos perceber que as empresas estão sim mais atentas aos processos internos/psicológicos dos funcionários e estão começando a entender que Programas de qualidade de vida no trabalho já não são mais considerados gastos e sim investimento.

O interesse nos estudos de QVT surgiu em meio a um cenário de grande competitividade, onde a pressão para atingir metas elevadas fez com que aumentassem os problemas relacionados à saúde física e mental dos funcionários, obrigando-os a se afastarem do trabalho por muito tempo ou até a aposentadoria compulsória.

Percebeu-se que o estado emocional era um assunto importante e merecia atenção e isso também estaria ligado aos lucros e produtividade da organização. Dessa forma, o bem estar dos funcionários passou a ocupar espaço nas estratégias das empresas que começaram a adotar medidores como Clima Organizacional, investimento em programas de treinamento e desenvolvimento, e não apenas treinamento técnico, mas também com foco comportamental, de forma que os funcionários também tivessem a possibilidade de desenvolver habilidades como comunicação, feedback, autoconhecimento, etc., fatores essenciais para o desenvolvimento da automotivação.

É possível concluir que, empresa boa é a empresa que sabe cobrar um bom resultado do funcionário, mas também faz a sua parte, oferecendo meios para que o desenvolvimento do funcionário possa acontecer. Não importa se a empresa é de grande ou pequeno porte, é sempre possível investir no crescimento das pessoas tanto do ponto de vista técnico como comportamental.

 

resized_cabecalho_mmkt-reduzidomp

MEIRY KAMIA

MEIRY KAMIA

Palestrante, Psicóloga, Mestre em Administração de Empresas, Consultora Organizacional. Autora do livro “MOTIVAÇÃO SEM TRUQUES”. Também é ilusionista, premiada como melhor mágica feminina da América Latina, pela Federação Latino-Americana de Sociedades Mágicas. Desenvolve palestras motivacionais e treinamentos diferenciados, aliando Arte Mágica, Teatro e Psicologia.

Contatos: www.meirykamia.com; atendimento@meirykamia.com
MEIRY KAMIA

Últimos posts por MEIRY KAMIA (exibir todos)

     

     

     

     

    Related Post

    AKIRA SAITO: O ESPÍRITO DE PAZ “A verdadeira força se revela no não combate”   No Budô, a prática constante busca um estado de espírito de tamanha força que não seja necess...
    ERIKA TAMURA: Keirô no hi (Dia do Respeito ao Ido...   Dia 17 de setembro, segunda feira, foi feriado no Japão em razão ao dia do respeito ao idoso. Na verdade na terceira segunda feira do mês de...
    AKIRA SAITO: ESFORÇO DIÁRIO “Miyamoto Musashi escreveu certa vez: Treinar Mil vezes é TAN. Treinar Dez Mil vezes é REN. TAN REN significa disciplina extraordinária.”   M...
    KARAOKÊ: ESTRELA INTERNACIONAL NO BRASILEIRÃO   Quem esteve se apresentando em Maringá, foi a cantora Kamila Miyuki Yamashiro, profissional que veio do Japão com os pais, onde é profissional...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *