MEMAI: SOCIEDADE | CASARÃO DO CHÁ DE MOGI É RESTAURADO

 

Monumento histórico da imigração japonesa de Mogi das Cruzes é restaurado. Foto; divulgação.

 

Reaberto dia 1º de junho o Casarão do Chá de Mogi das Cruzes, um ícone arquitetônico na história da imigração japonesa em São Paulo, foi restaurado pela Associação Casarão do Chá e apoio dos governos federal, estadual e municipal. O lugar é um patrimônio cultural nacional, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT).

*Apresentação de música tradicional japonesa com Miwakai (Koto) e Shinzankai (percussão).

O Casarão de Chá tornou-se um centro cultural e na festa de reabertura abrirá dois  eventos. Um deles é  a 1º Mostra Sul Americana do Miksang Institute of Contemplative Photography realizada pelo Fotoclube do Alto Tietê e o outro, a Feira de Cultura e Lazer do Casarão do Chá (artesanato, comida, plantas ornamentais e animais diversos).

O Casarão do Chá de Mogi das Cruzes foi originalmente uma fábrica de chá, projetada e construída em 1942 pelo arquiteto e carpinteiro japonês Kazuo Hanaoka. Por quase três décadas, este edifício abrigou uma linha de produção de chá preto para exportação,  empregando imigrantes japoneses. Com as dificuldades do mercado de exportação de chá no Brasil, a fábrica encerrou suas atividades e se tornou um depósito, e com o passar dos anos se desgastou naturalmente.

 

Telhado kara hafu, típico de construções japonesas. Foto: divulgação.

 

 

O Casarão do Chá é uma construção única no país. Como escreveu o professor Kunikazu Ueno, no relatório “Casarão do Chá”, apresentado à Fundação Japão de São Paulo, em 1999,  Hanaoka o construiu de acordo com técnicas japonesas,  exceto pelo emprego de treliças no lugar de vigas horizontais. No pórtico de entrada do edifício está o estilo de telhado chamado “kara-hafu”, não comum nas fábricas de chá. Os telhados “kara-hafu” são comuns no Japão, e provavelmente Hanaoka o adotou para mostrar a sua maestria e habilidade.

Há outras estruturas de construção típicas do Japão, como o formato de telhado “irimoya” e os beirais superiores da entrada, o “ougi-daruki”. O beiral segue o estilo zen no Japão, ou seja, os cachorros de beiral não são paralelos, mas dispostos como as varetas de um leque japonês. Na estrutura do pórtico de entrada, da porta do Escritório e no corrimão da escada, Hanaoka empregou troncos de árvores no seu formato original.

 

Detalhe do uso de madeira de eucalipto na estrutura. Foto: di ulgação.

 

Outro detalhe que mostra a miscigenação de técnicas arquitetônicas é o uso de eucaliptos para confeccionar a estrutura de madeira. No Brasil, este tipo de madeira não é muito usado na construção civil. A madeira da espécie é dura e de difícil corte, desfavorável à construção de juntas e encaixes. Mas a árvore cresce aprumada e é resistente para trabalhar, é  boa  para as estruturas de edificações.

Casarão do Chá fica em na ESTRADA DO CHÁ, cx 05, acesso pela Estrada do Nagao, km 3,Cocuera, Mogi das Cruzes, Telefone: (11) 4792-2164.

 

Marilia Kubota

 

 

 

 

Fonte: 

 

 

Marilia Kubota

é editora do JORNAL MEMAI, mestranda em estudos literários (UFPR) e organizadora do livro “Retratos Japoneses no Brasil” (2010), e integrante de 7 antologias de poesia e prosa.

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SUDOKU: Desafio do Sudoku ganha Campeonato Nacion...   O Sudoku, quebra-cabeça mais popular do mundo, baseado na colocação lógica de números, será o desafio da 1ª Copa Jornal Nikkey de Sudoku 201...
Espetáculo ‘En – Laços do Destino’ chega a São Pau... O evento resgata tradições japonesas de respeito, honra e gratidão aos ancestrais Em comemoração aos 120 Anos da Assinatura do Tratado de Amizade...
NOTÍCIA DE PROMISSÃO: III Encontro da Família Naka...   100 anos da Família Nakasato - 4ª geração - bisnetos dos imigrantes (foto: Shigueyuki Yoshikuni)       Foi n...
BAIRRO DA LIBERDADE: Bairro perde Bike Sampa para ...   O que era bom durou pouco. Para os apaixonados por uma magrela, infelizmente a Estação de número 134 da Bike Sampa na altura do número 16 da...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *