MEMAI / LITERATURA: 1Q84 – Mais um Best Seller de Murakami

 

Por Marilia Kubota

 

“1Q84”, o último romance publicado por Harumi Murakami parece uma típica obra sua, destinada a ser um fenômeno editorial.  Está tudo lá: mais de um narrador, os elementos fantásticos, um personagem adolescente, as referências ao mundo pop. Mesmo sendo a obra mais ambiciosa do autor, em termos de volume,  ao terminar de ler a última página do primeiro livro dessa trilogia, a sensação é de que falta alguma coisa. E não é a sequência das tramas.

 

Vamos conferir. Os dois narradores são Aomame e Tengo. Ela é uma espécie de ninja e ele, um escritor inédito. A jovem  é contratada para vingar crimes cometidos contra mulheres e crianças. O rapaz, para reescrever um livro escrito por uma adolescente. Em comum, eles têm o fato de serem solitários e viverem em Tóquio, em 1984. Por acaso, quando está presa num congestionamento, Aomame descobre um mundo à parte.

A partir desse ponto, de acordo com o material de divulgação do livro, o leitor deveria ser conduzido aos meandros do universo fantástico.  Mas, em vez, de encontrar gatos que falam, como o velho Nakata, de “Kafka à beira mar”, Aomame descobre um mundo que sobrevive à margem do cosmopolitismo urbano, promovendo justiça com as próprias mãos.

A solidão é a característica que une a vingadora a Tengo. Mas enquanto Aomame é ativa, Tengo é tímido e melancólico. Ele se parece muito com o jornalista de “Dance, dance, dance”, que escreve artigos para revistas de gastronomia e também encontra uma adolescente problemática. Em vez de ficar passeando com ela pelas ruas de Tóquio, porém, Tengo tem a missão de reescrever uma história criada por Fukaeri, que tem 17 anos e é disléxica.  O editor com o qual Tengo trabalha aposta que a história será um sucesso e quer lançar Fukaeri como grande escritora. No mundo real, a garota é vitima de uma outra trama, que teria sido a causa de sua dislexia.

Nesse primeiro livro  há um breve encontro entre os protagonistas das duas tramas, na infância solitária e infeliz. Esse encontro e algumas coincidências indicam que eles se cruzarão, na sequência. Os jovens fãs de Murakami, com certeza devorarão os livros 2 e 3. Mas os leitores que apenas querem ler uma boa história sentirão falta de mais recheio na  fantasia. A única imagem estranha da trama são as  duas luas aparecendo nas noites de Tóquio e a referência ao “povo pequenino”, citado pelas adolescentes criadas numa comunidade mantida por uma seita religiosa. A realidade é que se impõe na narrativa, que defende  mulheres que sofrem violência doméstica e cita notícias de jornal. Murakami parece ter perdido seu grande trunfo, ao ter abandonado o mundo subterrâneo para o qual, inconscientemente, os jovens adoram fugir. Em seu lugar, ele coloca elementos sobre os quais estamos acostumados a ler todos os dias.  As  ironias ao mundo do consumo também foram banidas. Dessa forma, talvez possamos entender que “1Q84” é a imposição do realismo a todo custo: até nos subterrâneos juvenis.

 

 

 

 

Marilia Kubota é editora do JORNAL MEMAI, mestranda em estudos literários (UFPR) e organizadora do livro “Retratos Japoneses no Brasil” (2010), e integrante de 7 antologias de poesia e prosa.

 

 

 

 

RAIO X

Haruki Murakami, nasceu em Quioto no Japão em  12 de Janeiro de 1949 é um popular escritor e tradutor.

Frequentou a Universidade de Waseda, em Tóquio, dedicando-se sobretudo aos estudos teatrais. Antes de terminar o curso, abriu um bar de jazz chamado Peter Cat, à frente do qual se manteve entre 1974 e 1982.

Em 1986, partiu para a Europa e depois para os EUA, onde acabaria por se fixar.

Escreveu o seu primeiro romance – Hear the Wind Swing – em 1979, livro ainda não traduzido para português, mas seria em 1987, com Norwegian Wood, que o seu nome se tornaria famoso no Japão.

Escritor particularmente influenciado pela cultura ocidental, Murakami traduziu para o japonês obras de F. Scott Fitzgerald, Truman Capote, John Irving e Raymond Carver.

  • Do que eu falo quando eu falo de corrida [Hashiru koto ni tsuite kataru toki ni boku no kataru koto]. Rio de Janeiro: Alfaguara (selo da editora Objetiva), 2010. 152 p. Tradução Cassio de Arantes Leite. ISBN 9788579620270
  • Após o anoitecer [Afutā Dāku, 2004]. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2009. Tradução do japonês Lica Hashimoto . 208 p. ISBN 9788560281916
  • Minha querida Sputnik [スプートニクの恋人, Supūtoniku no koibito, 1999]. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2008. Tradução Ana Luiza Dantas Borges. 232 p. ISBN 9788560281503. OBS: já esgotada, a primeira tiragem deste livro saiu em 2003, pela Objetiva, quando o selo Alfaguara não existia ainda. A capa é diferente e o número de páginas é um pouco maior
  • Kafka à beira-mar [海辺のカフカ, Umibe no Kafuka, 2002]. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2008. Tradução do japonês Leiko Gotoda. 576 p. ISBN 9788560281428
  • Norwegian Wood [ノルウェイの森, Noruwei no mori, 1987]. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2008. Tradução do japonês Jefferson José Teixeira. 360 p. ISBN 9788560281527. OBS: a primeira tiragem, também esgotada, saiu em 2005, com outra capa e número menor de páginas, pelo selo Objetiva
  • Dance Dance Dance [ダンス・ダンス・ダンス, Dansu dansu dansu, 1988]. São Paulo: Estação Liberdade, 2005. Tradução do japonês Lica Hashimoto e Neide Hissae Nagae. 504 p. ISBN 9788574481067
  • Caçando carneiros [羊をめぐる冒険, Hitsuji o meguru bōken, 1982]. São Paulo: Estação Liberdade, 2001. Tradução do japonês Leiko Gotoda. 336 p. ISBN 9788574480371
  • 1Q84, vol. 1. Casa das Letras. Tradução do alemão Maria João Lourenço. 492 p. ISBN 9789724620534
  • Auto-retrato do escritor enquanto corredor de fundo. Casa das Letras, 2009. Tradução Maria João Lourenço. 192 p. ISBN 9789724619231
  • O elefante evapora-se [Zō no shōmetsu]. Casa das Letras, 2010. Tradução Maria João Lourenço. 360 p. ISBN 9789724619736
  • A sul da fronteira, a oeste do sol [Kokkyō no minami, taiyō no nishi]. Casa das Letras, 2009. Tradução Maria João Lourenço. 248 p. ISBN 9789724618623
  • After Dark – Os passageiros da noite. Casa das Letras, 2008. Tradução Maria João Lourenço. 168 p. ISBN 9789724618388
  • A rapariga que inventou um sonho [Mekurayanagi to nemuru onna]. Casa das Letras, 2008. Tradução Maria João Lourenço. 168 p. ISBN 9789724617909
  • Dança, dança, dança. Casa das Letras, 2007. Tradução Maria João Lourenço. 480 p. 9789724617510
  • Em busca do Carneiro Selvagem. Casa das Letras, 2007. Tradução Maria João Lourenço. 374 p. ISBN 9789724617152
  • Underground – O atentado de Tóquio e a mentalidade japonesa. [アンダーグラウンド, Andāguraundo, 1998]. Tinta da China, 2006. Tradução Susana Serras Pereira. 464 p. ISBN 9728955162
  • Crónica do pássaro de corda [ねじまき鳥クロニクル, Nejimaki-dori kuronikuru, 2006]. Casa das Letras, 2006. Tradução Maria João Lourenço. 628 p. ISBN 9789724616926
  • Kafka à beira-mar. Casa das Letras, 2006. Tradução Maria João Lourenço. 592 p. ISBN 9789724616469
  • Sputnik, meu amor. Casa das Letras, 2005. Tradução Maria João Lourenço. 237 p. ISBN 9789724615820. OBS.: esgotado, não consta mais no site da editora
  • Norwegian Wood. Civilização Editora, 2004. Tradução Alberto Gomes. 352 p. ISBN 9789722621755

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BUNKYO: Premiação do I Concurso Bunkyo de Contos a...   Ao final das inscrições, a primeira edição do Concurso Bunkyo de Contos já surpreendia os jurados pelo volume do material recebido e pela di...
EVENTOS: 4ª Edição do Japansul acontece neste fim ...   Considerado uma festa para toda a família, o 1º Japansul foi realizado com sucesso além do esperado em 2008 com a presença aproximada de vin...
AKIRA SAITO: A VERDADEIRA BUSCA 26“Um caminho só lhe será útil se você souber aonde quer chegar”   Quando iniciamos a prática de uma Arte Marcial Japonesa, aprendemos além d...
EMBU: Semana da Cultura Japonesa terá diversas atr... Para comemorar os 104 Anos da Imigração Japonesa no Brasil, a Prefeitura de Embu das Artes (SP), por meio da secretaria de Cultura, realiza de 15 a 24...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *