MUNDO VIRTUAL: Direito ao esquecimento (uma opinião)

No Brasil e no mundo, muito se tem falado atualmente sobre o direito ao esquecimento, que diz respeito à retirada do ar, de notícia verídica, prejudicial a alguém, por fato que ocorreu em momento pretérito de sua vida, como forma de reabilitar esta pessoa perante o público.

Antigamente, quando as notícias circulavam somente através de jornais impressos, era natural que com o passar do tempo o jornal fosse para o arquivo, a notícia ficasse esquecida, e assim, que o fato relacionado àquela pessoa desaparecesse da memória do público.

Entretanto, nos dias atuais, com os recursos tecnológicos que não param de evoluir, a qualquer momento uma notícia pode ser revista, acessada e lida, em qualquer lugar do mundo, e se o impasse não for desfeito, o fato praticado por determinada pessoa, verídico, pode sempre persegui-la.

O exemplo mais comum de aplicação do direito ao esquecimento está no cometimento de um crime por alguém, que foi processado, condenado e cumpriu pena, passando-se um longo período de tempo desde então: a pergunta que decorre disto é se este fato não pode mais ser lembrado, e se esta notícia não pode mais ser acessível, no site em que ela foi hospedada ou nos mecanismos de busca.

A meu ver esta interrogação envolve uma questão maior, que é saber se a pessoa que um dia errou, foi processada, condenada, cumpriu pena, pagou pelo seu erro, após tudo isto, ela realmente se redimiu, se convenceu do erro e se ressocializou, pagando a dívida com a sociedade e com a vítima.

Se a pessoa se “regenerou” após o cumprimento da pena, ou até mesmo após o pagamento da indenização por perdas e danos – que também tem o caráter punitivo, e se aqueles que a conhecem identificam isto, é natural que ela vá se reinserir na sociedade, perante os amigos, família, trabalho, ou qualquer outro círculo social.

Mas também pode acontecer o contrário, ou seja, a pessoa cumpriu a pena, pagou a indenização, e de modo geral, sofreu as consequências jurídicas do erro que cometeu, mas continua com a mesma tendência para cometer novos crimes ou para transgredir outras leis.

A meu ver, o grande fator não é permitir a ela a supressão da notícia junto aos veículos de comunicação ou mecanismos de busca na internet, fazendo com que o público “esqueça” o fato praticado por esta pessoa em um determinado momento de sua vida; ao invés, creio que realmente importe dar a ela o direito de demonstrar que se regenerou, se arrependeu, está ressocializada e merece nova chance.

Acredito que a discussão desborde para o lado da psicologia, e até mesmo da filosofia, pois sabe-se que há criminosos contumazes, com alto nível de periculosidade, que cometeram um crime e não pararam por aí, em seguida cometendo outros de igual natureza; há também aqueles que não têm escrúpulos, princípios ou freios morais, que cometem atos ilícitos sucessivas vezes, seja contra a lei civil, trabalhista, ambiental ou outras.

Em outras palavras, há aqueles que se regeneram, mas também há aqueles outros que reincidem e voltam a cometer os mesmos ilícitos: no meu ponto de vista a sociedade tem o direito de saber se tal pessoa se regenerou e merece uma nova chance, e para esta análise, o ato praticado não pode ser acobertado através do direito ao esquecimento.

No Supremo Tribunal Federal, ocorreu audiência pública em junho passado, visando coletar elementos para permitir o adequado julgamento do recurso extraordinário 1.010.606, que teve reconhecida a repercussão geral, onde houve o debate sobre princípios fundamentais da Constituição Federal, envolvendo o direito ao esquecimento baseado no princípio da dignidade da pessoa humana, nos direitos à honra e à privacidade, e de outro lado, os direitos à liberdade de expressão e de imprensa, e o direito à informação.

Em nosso Tribunal de Justiça, embora se reconheça que não são absolutos nem o direito ao esquecimento e nem o direito à liberdade de expressão ou à informação, tem sido verificada tendência de reconhecê-lo; na Câmara dos Deputados, com a finalidade de dar amparo legislativo ao direito ao esquecimento, está em tramitação o Projeto de Lei 8443/17, cuja constitucionalidade eu coloco em dúvida, diante das premissas acima.

Concordo que é realmente injusto tratar uma pessoa que errou como eternamente culpada, de maneira a estigmatizá-la e excluí-la permanentemente da sociedade; mas também acho que aquilo que ela praticou não pode ser apagado da memória popular, e por isto penso que a sociedade também precisa ter papel ativo na solução do impasse, verificando que a pessoa se redimiu e se regenerou, e assim, dando a ela uma nova chance.

Por fim, sou da mesma opinião que a Ministra Carmen Lúcia, presidente do STF, em prol da construção da chamada memória coletiva, ao dizer que ter um futuro pressupõe ter um passado, e por sua vez, ter um passado significa ter identidade, sem a qual ninguém vive.

 

EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO

EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO

Euclides Pereira Padigno é advogado.

E-mail:euclides@pardigno.com
EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO

Últimos posts por EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO (exibir todos)

     

    Related Post

    SILVIO SANO > NIPÔNICA: O ano que não acabou?! Quando comecei a escrever, o primeiro título que me veio foi a frase de Ronnie Von, logo após ter se tornado, assim como eu, mais uma vítima dessa inc...
    BEM ESTAR: Sentido da Vida A nossa essência é a nossa consciência plena. Somos apenas essa consciência, nada mais. Essa consciência detem toda a sabedoria, desde a criação...
    JORGE NAGAO: O Tempo 1 e 2 | Concurso Nikkei-go O Tempo O tempo por Salvador Dali   Tempo, preciso de mais tempo. E ainda vêm os contratempos para roubar o pouco tempo que a gente ...
    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Helena Koizumi: uma lenda do... Em primeiro de novembro, ela completa 82 anos. Há uns cinco, foi acometida de Alzheimer. Fisicamente está ótima, mas não reconhece mais ninguém. Às ve...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *