MUNDO VIRTUAL: Notícias na internet e direito à privacidade

Com a velocidade dos acontecimentos sempre aumentando, as pessoas estão cada vez mais ávidas por obter e repassar notícias, novidades, informações e conhecimento, e as ferramentas do mundo virtual propiciam atualização constante e rápida.

Entretanto, a grande maioria não se preocupa em diferenciar notícias falsas e verdadeiras, procurando avaliar a coerência lógica de algumas notícias ou checando em outros veículos de comunicação se aquele fato realmente aconteceu.

Atualmente é simples pegar o fato contido em uma notícia e pesquisar no principal provedor de busca da atualidade, que irá registrar pelo menos uma ocorrência para aquele tema pesquisado, se ele for verídico.

Acredito que a busca pelo “saber” e o prazer de “compartilhar” devem antes passar por um filtro, onde seja apurada a veracidade daquilo que está sendo visto ou compartilhado, pois mais de 70% dos brasileiros se informa pelas redes sociais, e em contrapartida, não mais que 40% procura checar antes de passar adiante.

Desde 1967 temos a chamada “lei de imprensa” (lei 5.250/67), regulando a liberdade de manifestação do pensamento e de informação, que na época já dizia ser livre a manifestação do pensamento e a procura, o recebimento e a difusão de informações ou idéias, por qualquer meio, e sem dependência de censura, respondendo cada um, nos termos da lei, pelos abusos que cometer.

A partir daí, nas decisões dos tribunais se tornou usual a expressão “jus narrandi”, que refere-se ao direito de narrar um fato e divulgar uma informação, mas que tem um primeiro limite na veracidade do conteúdo narrado.

Várias decisões judiciais dizem que a publicação de  notícia extrapolando o animus narrandi, com informações que não sejam verdadeiras, acarreta o dever de indenizar por danos morais; elas somente ressalvam que não há exigência  de precisão absoluta na narrativa, a qual prejudicaria o direito de livre manifestação do pensamento.

Mesmo na análise de um fato sob a ótica criminal, o compromisso com a verdade é o primeiro requisito, pois a exigência a quem vai narrar ou compartilhar algo é de que não haja falsidade ostensiva da notícia, pelo sórdido prazer de criticar e ofender: ou seja, basta que haja veracidade razoável naquilo que é publicado ou passado adiante, que no mínimo fica evidenciada pelo contexto da abordagem, o qual indicará a intenção de seu autor.

Se quem está sendo mencionado da divulgação é agente público ocupante de cargo eletivo, há uma maior amplitude do direito de narrar, publicar, divulgar ou compartilhar, pois a condição de “homem público” lhe reduz o âmbito da privacidade.

Ainda que hajam atribuições de fatos ou comentários de maneira crítica e intensa, se elas tiverem bases concretas, isto bastará para eximir seu autor de responsabilização civil ou criminal, não importando nem mesmo que elas gerem inquérito policial contra o agente público, o qual posteriormente venha a ser arquivado.

Por outro lado, o direito à privacidade terá consideração mais ampla se a pessoa que estiver sendo mencionada na notícia ou comentário for um simples particular, não ocupante de cargo público.

Considero irrelevante que os veículos jornalísticos estejam  gradualmente migrando para a internet, onde divulgam notícias a seus leitores através de redes sociais e aplicativos de compartilhamento, ou que o conteúdo seja gerado e compartilhado por estes leitores.

Em ambos os casos, permanece o pressuposto de que haja um razoável fundo de verdade na publicação ou no compartilhamento, para que o autor da publicação não seja responsabilizado civil ou criminalmente.

Assim como havia o argumento em favor da imprensa, de que “liberdade de expressão” e de “manifestação de pensamento” são responsáveis pelo aprimoramento do regime democrático, nos dias atuais, com a “lei do marco civil” (lei 12.965/14) este argumento ganhou ainda mais força, pelo nível de alcance e propagação dos conteúdos noticiados e compartilhados.

Por fim, se os recursos tecnológicos aos poucos estão diminuindo o âmbito da “privacidade”, trazendo para o “público” aquilo que era “privado” através da espontânea divulgação de fatos da vida cotidiana, ainda assim há situações em que a notícia divulgada ou compartilhada ofende a intimidade, a honra e a privacidade alheia, onde mesmo sendo verdadeira, ela agride e degrada a dignidade da pessoa a quem se refere.

Quando isto ocorre, penso que no conteúdo publicado devem ser omitidos ou suprimidos elementos que permitam a identificação da pessoa, como nome e imagem, pois diante do chamado “direito ao esquecimento”, embora a sociedade tenha direito à informação, por outro lado o autor do fato narrado na notícia não precisa sofrer eternamente a condenação pública, tendo direito à ressocialização.

 

EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO

EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO

Euclides Pereira Padigno é advogado.

E-mail:euclides@pardigno.com
EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO

Últimos posts por EUCLIDES PEREIRA PARDIGNO (exibir todos)

     

     

    Related Post

    JOJOSCOPE: Mizuniversos: o universo de Erika Mizut...   Namoro   Mizulina. Personagem de Mizuniversos. A pequena fauna, e flora, que compõem o universo de Erica são habitadas por p...
    JORGE NAGAO: 1982 e 2016 Neste 2016, vivemos um retrocesso. A presidenta eleita com 54,5 milhões de votos foi injustamente afastada pelo Congresso que só tem gente fina: Cunha...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: QUEM É CONTRA CICLOVIAS? Eu não!! E olha que há muitos anos não monto em uma bike e, até por isso, nem a tenho. E não sou só eu! Ou melhor, sou apenas unzinho dentre os qu...
    CANTO DO BACURI: Norwegian Wood   Penso que para boa parte das pessoas de minha geração ou da geração de minhas irmãs não há como ficar indiferente ao ver este título est...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *