NIPPAK PESCA: Vocabulário na pesca II

 

Continuando o assunto da edição passada, segunda parte do linguajar característico dos pescadores. Muitas das palavras continuam em inglês ou já foram “abrasileirados”.

 

Mauro Novalo

 

 

 

 

G

 

Gaff – bicheiro, em inglês. Equipamento com uma fisga utilizado principalmente nos grandes peixes para imobilizá-los

Galhada – tipo de estrutura, árvores submersas

Glow – diz-se da isca artificial com pintura fosforescente

GPS – “Global Positioning System”, ou “Sistema de Posicionamento Global”. Aparelhos de GPS utilizados para navegação e localização de pontos em terra por meio de satélites

Grubs – iscas artificiais macias e flexíveis de silicone ou borracha

 

 

 

H

Hackle – pena usada na montagem de moscas (iscas de fly)

Half Hitch – nome de um nó

Hook – anzol, em inglês

Hook Keeper – acessório usado para prender o anzol na vara

 

 

 

I

IGFA – Abreviação de “International Game Fish Association”, entidade que homologa os recordes da pesca do mundo inteiro

Interline – modelo de vara onde a linha passa por dentro do corpo da vara (blank)

Iscólatra – pescador viciado em iscas artificiais

 

 

 

J

Jarda – medida de comprimento, uma jarda equivale a 0,9144m

Jigs – iscas artificiais montada com anzóis simples e cabeça de chumbo, feitas de materiais diversos e em vários formatos

João Pepino – apelido dado à isca artificial Jumpin’ Minnow, pode ser considerada uma zara ou jumpbait

Jumpings Jigs – iscas artificiais no formato de pequenos peixes, fabricados em metais pesados como chumbo, aço e cobre

Jumpings Jigs

 

 

 

K

King Salmon – Espécie de salmão

Knot – Nó, em inglês

 

 

L

Largo – é o pescador sortudo, que pega muito mais peixes que seus companheiros

Leader ou líder – linha transparente unida a linha principal da carretilha ou molinete, normalmente de material resistente à abrasão. Para proteger a linha principal das estruturas e galhadas, dentição de algumas espécies e, suportar a briga com o peixe. Nas pescarias de pé na areia (pesca de praia), utilizada para suportar na hora do arremesso o conjunto de iscas + chumbadas

Libra – sistema de medida usado para designar a resistência das varas e linhas. Uma libra equivale a 0,454 kg

Linguiçar – pescar utilizando de iscas naturais (vivas ou mortas)

Linguiceiro – pescador que usa iscas naturais

 

 

 

M

Mala – companheiro de pesca ou pescador chato e inconveniente

Malhar – cobrir o pesqueiro com muitos arremessos

Mamando a isca – costuma-se dizer do o peixe que dá pequenos toques na isca sem abocanhar

Manhoso – quando o peixe está arisco, difícil de fisgar

Matreiro – esperto

Memória da linha – diz-se da linha que armazenada no carretel, ao ser liberada tende a ficar torcida e enrolada

Mosca – isca artificial fabricada para o uso com equipamento de fly, atada com materiais naturais ou sintéticos imitando insetos, larvas, vermes, pequenos peixes e animais

Mosca Seca (Dry) – Isca de fly que flutua imitando o estágio adulto de um inseto

Mosqueiro – o pescador de fly

Minhoca – isca artificial que imita minhocas fabricadas em silicone difundida na pesca do black bass

Muvuco – local onde está o peixe (buraco no meio de galhadas)

 

 

N

Needle knot – nó usado para prender o leader a linha de fly, conhecido por nó da agulha

Ninfa – isca de fly que imita o estágio aquático das larvas

 

 

 

O

Óculos Polarizados – óculos com lentes que recebem tratamento especial que ajuda a amenizar o reflexo dos raios solares na água permitindo melhor visualização do que acontece embaixo dágua

Onça – sistema de medida usado para determinar das iscas artificiais ou designar a potência de arremesso das varas, uma onça equivale a 28,349523125 gramas

 

 

 

P

Paliteiro – tipo de estrutura com muitos galhos acima da linha da água

Parcel – laje submersa de pedra, que serve de abrigo para peixes pequenos por esta razão com os predadores ao redor, sendo um bom ponto de pesca

 

 

 

Passaguá, puça ou coador – espécie de um coador feito com rede de fios de naylon, para embarcar os peixes depois de fisgados

 

 

 

Passar o coador – usar o passaguá

Pé frio – quem traz azar ou ruim de pesca

Pé quente – quem traz sorte ou bom de pesca

Pegadeira – momento de grande atividade de peixes atacando as iscas. Também caracteriza a isca artificial muito produtiva, que pega muitos peixes

Peixe “entocado” – quando o peixe, depois de fisgado, procura algum lugar para se esconder e se proteger

Peixe boiando – diz-se quando o pescador visualiza o peixe na superfície

Pesca de arremesso – é a pesca com iscas artificiais, o pescador arremessa em direção dos pontos onde considera que estão os peixes

Pesca de rodada – modalidade em que a pescaria é realizada com o barco a deriva na correnteza do rio, canal ou mar

Peva ou peba – espécie de robalo

Pier – local onde ficam atracados as embarcações e, embarque ou desembarque dos passageiros

Pinchar – arremessar com iscas artificiais

Piracema – período de desova dos peixes, quando eles sobem os rios até suas nascentes para desovar

Pirangueiro ou piloteiro – guia de pesca que conduz a embarcação para os pontos de pesca seja em água salgada ou doce

Plug – isca artificial fabricada em materiais rígidos como madeira, acrílico, fibra e plásticos duros

Poita – âncora de embarcações de pequeno porte. Também é para denominar o pescador preguiçoso, que não faz nada, que entra no barco e só se mexe para pescar

Popa – parte traseira da embarcação

Preamar – nível máximo de uma maré cheia

Pressão atmosférica – pressão exercida pela camada de moléculas de ar sobre a superfície. Não pode estar nem alta, nem baixa, deve ser constante. Essas diferenças de pressão têm origem térmica estando diretamente relacionadas com a radiação solar e os processos de aquecimento das massas de ar. Formam-se a partir de influências naturais e podem significar o sucesso ou não da sua pescaria. Sua aferição é realizada com o instrumento chamado de barômetro

Proa – parte dianteira da embarcação

 

 

Q – R

Rebojo – ação do peixe na superfície, onde com a sua movimentação criam-se pequenas ondas na água

Refugar – quando o peixe desiste de atacar a isca

Reponto ou estofo – ocorre entre marés, curto período em que não ocorre qualquer alteração na altura do nível

Repiquete – massa de água que desce das cabeceiras por conta das chuvas elevando o nível dos rios

Rio na caixa – quando as águas do o rio estão no leito, em nível alto

Robaleira – vara de molinete com ponta fina, telescópica para facilitar o transporte, com 4m ou mais, para a pescaria de robalos com camarão vivo

 

 

 

S

 

 

 

 

Samburá – espécie de cesto ou sacola, anteriormente confeccionado em cipó, hoje fabricados em em arame, malha ou rede com fios de náilon para armazenar os peixes vivos dentro da água

 

 

 

 

 

Sapateiro – pescador que volta da pescaria sem pescar nenhum peixe

Shad – isca artificial em formato de peixes fabricada em materiais flexíveis e macios, como silicone e borracha

Sinking – Em inglês, afundar. Termo usado para linhas de fly ou iscas artificiais

Sizígia – Marés de grande amplitude sejam altas ou baixas

Snaps – presilhas, prendedores, engates utilizados para troca de iscas e anzóis permitindo maior agilidade e rapidez

Spincast – equipamento misto de carretilha e molinete

 

Spinners – iscas artificiais dotadas de lâminas que giram quando tracionadas, algumas tem trailer, plumagens ou materiais sintéticos

 

 

Spinning – Termo em inglês para molinete. Para designar pesca com molinete

Streamers – Iscas de fly que imitam peixinhos ou animais aquáticos

Strike – O mesmo que ferrada ou fisgada. Termo em inglês que designa alavanca ou movimento para capturar o peixe.

Suport Hook ou Assist Hook – acessório com anzol, utilizado para posicionar corretamente os anzóis nas iscas tipo jumping jig ou metal jig

 

 

 

T

Tá na foto – quando o pescador consegue tirar o peixe da água

Tomando linha – quando o peixe fisgado nada em disparada

Trailer – chamariz adicionado ao anzol em iscas artificiais, como o spinnerbait e o rubber jig

Tralha – material de pesca

Treble hook – garatéia, em inglês

Trick – espécie de robalo ou peixe pequeno

Tune up – alterar a isca artificial modificando o seu trabalho, por exemplo, mexer no pitão para alterar a direção ou profundidade de nado da isca, diz-se que a isca foi “tunada”, mesma denominação para carretilhas ou varas modificadas

Turbinar – semelhante a “tunar”

 

 

 

U

 

Uni Knot – Em inglês, nó único

 

 

V

 

Vest – em inglês, colete usado na pesca

 

 

Vise – tipo de morsa usada na montagem das iscas de fly

 

 

 

 

 

 

W

Waypoints – São pontos de referência marcados no aparelho de GPS

Wet fly – Em inglês, (mosca molhada) isca de fly submergível utilizada na modalidade

 

 

X

Xaréu – Espécie marinha muito procurada pelos pescadores

 

 

Y

Yard – Jarda, em inglês

 

Z

Zangarilho – isca artificial para pescaria de lulas

Zara – modelo de isca que quando trabalhadas imitam o “nado” de um réptil, um zig zag que lembra a letra Z

 

 

Esperamos que conhecendo alguns termos, se sintam mais confortáveis e a vontade nas rodas e conversas de pescadores. Ótimas pescarias!!!

 

 

NIPPAK PESCA
Texto:  Mauro Yoshiaki Novalo
Revisão: Aldo Shiguti
Publicidade
nippak@nippak.com.br
Tel.   (11) 3208-4863

 

 

 

Apoio:

MTK Fishing Adventure Outdoor    www.mtkbrasil.com.br

Moro e Deconto    www.morodeconto.com.br

Piscicultura Chang   www.pisciculturachang.com.br

Kicker do Brasil   www.kickerdobrasil.com.br

Mustad   www.mustad.com.br

Calçados Primavera   www.botinasprimavera.com.br

BY Aventura     www.byaventura.net.br

Pesqueiro 63    www.pesqueiro63.com.br

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *