PROJETO SATOGAERI: JCI Brasil-Japão inaugura mapa do Japão feito com pedras das 47 províncias

 

Como o objetivo de estreitar os laços de amizade entre Brasil e Japão, fortalecer o relacionamento entre os membros da JCI do Brasil e do Japão e homenagear os imigrantes japoneses, que neste ano comemoram 105 anos de Imigração Japonesa no Brasil, acontece no próximo dia 16 (segunda-feira), a partir das 19h, no Salão Nobre do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), a exibição inaugural do mapa do Japão do Projeto Satogaeri – a um toque do Japão.

 

Represetantes da JCI-Brasil-Japão com o cônsul Noriteru Fukushima (foto: divulgação)

 

Trata-se de um mapa estilizado do Japão medindo 2,00 m. x 2,10 m. em que cada uma das 47 províncias é feita por pedras oriundas de suas respectivas regiões. Após a inauguração, o mapa deve ser instalado na portaria do Bunkyo por tempo indeterminado.

O projeto conta com a parceria da JCI Japão e da JCI Internacional. A cerimônia de apresentação do projeto deve contar com a presença de dois representantes do Japão e do secretário-geral mundial.

Previsto inicialmente para as comemorações do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil, o projeto foi adiado por “falta de logística”. “Na época, haviam muitos projetos alusivos à data”, lembra o coordenador do Satogaeri, Marcos Kendi Suto.

Segundo ele, a semente foi lançada pelo secretário geral da JCI, Edson Kodama, cuja inspiração foi a oportunidade de criar algo “em reconhecimento ao sacrifício e o espírito pioneiro dos nossos ancestrais”.

 

 

O vice primeiro e atual ministro das Finanças do Japão – Taro Aso apoiou o projeto (foto: divulgação)

 

A retomada aconteceu no início deste ano, quando a JCI Brasil-Japão entrou em contato com a JCI Japão, que se encarregou de solicitar a matéria-prima para cada uma das 47 províncias. Em seguida, o material bruto foi encaminhado para uma empresa especializada em cortes de pedras, localizada em Kanazawa. Lá, as pedras foram padronizadas. Todas foram cortadas em um mesmo tamanho, com cerca de 3 cm x 3 cm.

 

Depois de cortado material foi enviado para Kanazawa (foto: divulgação)

 

Material foi enviado ao Brasil em cinco lotes (foto: divulgação)

 

 

Móvel – De Kanazawa as pedras finalmente foram enviadas ao Brasil via correio em cinco lotes, com aproximadamente 300 pedras cada, totalizando cerca de 1300 pedras, num processo que demorou duas semanas.

Segundo Suto, a ideia é proporcionar aos imigrantes a possibilidade de um retorno a sua terra natal (daí o nome Satogaeri) através de um simples toque no mapa. O projeto, explica o coordenador, é único no mundo e ficará à disposição de associações ou entidades que queiram expor o mapa. Para isso, basta entrar em contato com a JCI Brasil-Japão ou com o Bunkyo, parceira deste projeto.

 

 

(Aldo Shiguti)

 

 

 

SERVIÇO

Exibição inaugural do mapa do Japão do Projeto Satogaeri

Quando: Dia 16 dezembro, às 19h

Onde: Salão Nobre do Bunkyo (Rua São Joaquim, 381, 2º andar, Liberdade)

Presenças devem ser confirmadas pelo e-mail:  eventos@jci-brjp.org.br

Informações pelo telefone: 11/3208-1755

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

RIO DE JANEIRO: Multiplicidade e riqueza do Artesa...   A mostra itinerante “ARTESANATO DO JAPÃO: Tradições e Técnicas” foi inaugurada em 7 de agosto de 2014 no Museu Histórico Nacional, Praça Mar...
REVI 2014: Organizadores e participantes comemoram... “Muito bacana e proveitosa”, resumiu Ricardo Haruo Nozaki, coordenador geral da Revi 2014, sobre o encontro de jovens lideres das entidades realizado ...
COMUNIDADE: Bunkyo define cronograma para o proces... Considerada a principal entidade representativa da comunidade nipo-brasileira, o Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Soc...
COMUNIDADE:Associação Aza Oroku Tabaru do Brasil c... Para marcar os 100 anos da chegada dos primeiros imigrantes de Aza Oroku e Aza Tabaru – atualmente dois bairros da cidade de Naha (capital da provínci...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *