RIO DE JANEIRO: Comunidades do Cantagalo e Pavão-Pavãozinho recebem mostra ‘Do Monte Fuji ao Pão de Açúcar’

Numa iniciativa do jornal Nikkey Shimbun, estudantes de comunidades carentes do Rio de Janeiro receberam a exposição “Do Monte Fuji ao Pão de Açúcar”. Realizado em parceria com a Escola Municipal Marília de Dirceu, em Ipanema (próxima à estação General Osório do metrô) a mostra, que ficou em aberta à exposição entre os dias 27 de abril e 11 de maio, reuniu cerca de 40 fotos do acervo do Shizuoka Shimbun e teve como objetivo aproximar os dois países que sediarão as duas próximas Olimpíadas.

 

Alunos do Marilia de Dirceu com foto da Exposição sobre o Monte Fuji. Foto: Massayuki Fukasawa

Alunos do Marilia de Dirceu com foto da Exposição sobre o Monte Fuji. Foto: Massayuki Fukasawa

 

Com apoio do Instituto Cultural Brasil-Japão do Rio de Janeiro e Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro, o evento contou também com uma apresentação de haicais.

 

A diretora Claudia Maria Libório Azevedo. Foto: Massayuki Fukasawa

A diretora Claudia Maria Libório Azevedo. Foto: Massayuki Fukasawa

 

Segundo o editor do Nikkey Shimbun, Masayuki Fukukasawa, aproximadamente 90% dos alunos da escola são moradores das comunidades Cantagalo e Pavão-Pavãozinho.

 

Cônsul Ken Kondo, Claudia Maria Libório e David Leal (os três primeiros a esquerda)) e colaboradores. Foto: Massayuki Fukasawa

Cônsul Ken Kondo, Claudia Maria Libório e David Leal (os três primeiros a esquerda)) e colaboradores. Foto: Massayuki Fukasawa

 

“A instituição já foi considerada problemática, mas conseguiu dar a volta por cima graças ao trabalho de educadores como a diretora Claudia Maria Libório Azevedo”, disse o jornalista, explicando que a parceria surgiu graças ao professor de História e diretor artístico David Leal, um dos idealizadores do projeto “Brasil-Japão: Conexão Bossa Nova”, apresentando em abril no Bunkyo, em São Paulo, e que inaugurou uma série de ações de intercâmbio entre a entidade e o Instituto Cultural Brasil-Japão do Rio de Janeiro.

 

Alunos da EM Marilia de Dirceu. Foto: Massayuki Fukasawa

Alunos da EM Marilia de Dirceu. Foto: Massayuki Fukasawa

 

David Leal com alunos do Marilia de Dirceu. Foto: Massayuki Fukasawa

David Leal com alunos do Marilia de Dirceu. Foto: Massayuki Fukasawa

 

Fachada da Escola Municipal Marilia de Dirceu. Foto: Massayuki Fukasawa

Fachada da Escola Municipal Marilia de Dirceu. Foto: Massayuki Fukasawa

 

 

ALDO SHIGUTI

ALDO SHIGUTI

Redator-chefe
ashiguti@uol.com.br
ALDO SHIGUTI

Últimos posts por ALDO SHIGUTI (exibir todos)

     

     

     

    Núcleo de Estudos Tempo Literário do ICBJ
    O Encontro das Montanhas (Cantagalo, Monte Fuji e Pavão-Pavãozinho)

     

     

    Haicai, haiku, haikai nossos de cada dia!

     

    “Entre o Monte Fuji

    E Marília de Dirceu

    – Haikai Cantagalo”.

    (Bernardina Oliveira)

     

    “Marília e Dirceu

    Outono em Minas Gerais

    – Pavão, Pavãozinho. ”

    (Bernardina Oliveira)

     

    “Pátio da escola

    Tarde quente de outono

    – Cristo Redentor! ”

    (Bernardina Oliveira)

     

    “Olhar do Japão

    Monte Fuji e Cantagalo

    -Olhar carioca. ”

    (Bernardina Oliveira)

     

    “Haikai Pavãozinho,

    Pipas amarelas soltas

    – Bem-te-vi voou”

    (Bernardina Oliveira)

     

    “Luar de Ipanema

    Outono no Monte Fuji

    – Aqui de repente”

    (Bernardina Oliveira)

     

     

    “Folhas ocultas

    Um bom livro para ler

    Sabedoria. ”

    (André Miranda)

     

    “Ao raiar do Sol

    Flores de acácia

    Dias de verão. ”

    (André Miranda)

     

    “Um dia verão

    Corcovado ao Fuji

    É uma estação.”

    (André Miranda)

     

    “Manhã de outono

    Sol brilha o Corcovado

    Lua banha o Fuji”

    (André Miranda)

     

    “Sonho com montes

    Pão de açúcar ao Fuji

    Mundos opostos.”

    (André Miranda)

     

    “Pão de açúcar

    Um sonho de criança

    Peguei e Fuji.”

    (André Miranda)

     

     

    E quantos degraus

    ou quantas pedras mais hão?

    – Ossos pelejam

    (Erick Ciqueira)

     

    A neve no chão

    E o branco nas nuvens

    Rio e Nihon

    (Erick Ciqueira)

     

    Rio de Fuji –

    Moradia de deuses

    e esperanças

    (Erick Ciqueira)

     

    (Azuma Nishi / Leste e Oeste)

    (Hidari ni kaihen to / Inovações à esquerda e)

    (Migi ni dentou / tradições à direita)

    (Erick Ciqueira)

    (Futatsu yama / Duas montanhas)

    (Yume kowareta / O sonho foi destruído)

    (Yume kawatta / O sonho se transformou)

    (Erick Ciqueira)

     

     

     

    caminha a montanha

    encosta e cume serenos

    – a chuva acompanha

    (Roberto Dutra Jr.)

     

    little snail

    inch by inch, climbs

    Mount Fuji

    (Issa)

     

    pequeno caracol

    pouco a pouco, escala

    o Monte Fuji

    (tradução de Danielle Cotrim)

     

    deita-se a menina

    – no rosto uma silhueta

    do insuspeito Fuji

    (Rogerio Brugnera)

     

    Monte Fuji

    plantando bananeira

    cuia de arroz

    (Yassu Noguchi)

     

    o Fuji, inóspito

    se contradiz

    – morada do olhar

    (Yassu Noguchi)

     

    Pedra Branca

    Neve ou cal?

    Monte “Fujidio”

    (Marcos Miceli)

     

    Nas nuvens rubras

    o contorno do barômetro

    – em Cantagalo.

    (Mateus Nascimento)

     

    Subida do monte:

    a gata e o salgueiro

    na dança da lua.

    (Mateus Nascimento)

     

    Fuji brilha

    de frente a bananeira

    – uma olhada.

    (Mateus Nascimento)

     

    Há grande lua:

    olhando para o astro

    – avião passa.

    (Mateus Nascimento)

     

     

    Sansan ya

    Amai tabemono

    Satou Pan

    Três montanhas –

    Doce comida

    Pão de Açúcar

    (Peddro Paulo)

     

    Sansan ya

    Yoake ni utau

    Kantagaro

    Três montanhas –

    Canta ao amanhecer

    Cantagalo

    (Peddro Paulo)

     

    Sansan ya

    Zen’nou yama wa

    Fujisan da

    Três montanhas –

    A onipotente montanha

    o Monte Fuji é

    (Peddro Paulo)

     

    Queria eu

    escalar-te como o Fuji –

    Escarlate cerejeira

    (Peddro Paulo)

     

    Encontro dos incontráveis –

    O Monte Fuji voltou

    coberto de açúcar.

    (Peddro Paulo)

    Fogem-me as ideias

    mas encontram-se as montanhas –

    Ah, Pão de Fuji!

    (Peddro Paulo)

     

     

     

     

     

     

    Related Post

    COMUNIDADE: Inaugurada praça de convivência no Hos... Foi inaugurado no último dia 12, no Hospital Santa Cruz, um jardim projetado pelo paisagista Alex Hanazaki para servir de espaço de convivência para o...
    HAICAI BRASILEIRO O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô...
    BRASIL – JAPÃO: Novo embaixador ouve pedidos... Em seu primeiro contato com a comunidade nipo-brasileira, o novo embaixador do Japão no Brasil, Akira Yamada, ouviu pedidos para que apoie o movimento...
    JAPAN HOUSE SÃO PAULO: Promove palestra com o fotó... O evento aberto e gratuito faz parte da exposição Satoyama, que reúne imagens das criações gastronômicas do chef japonês Yoshihiro Narisawa, fotografa...

    One Comment

    1. Em Mostra “Do Monte Fuji ao Pão de Açúcar”: PARABÉNS pela realização ao JORNAL NIKKEY SHIMBUN/editor Masayuki Fukasawa e Escola Municipal Marília de Dirceu/diretora Claudia Maria Libório Azevedo, pelo apoio ao Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro/Cônsul ken Kondo e Instituto Cultural Brasil-Japão no Rio de Janeiro/David Leal de Almeida e Colaboradores.
      APLAUSOS aos autores dos Haicais!!!
      Que muitos novos eventos Brasil- Japão aconteçam!!
      Com admiração,
      Teruko

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *