SÃO PAULO: AURÉLIO NOMURA PARTICIPA DA SANÇÃO DO PROJETO DE LEI QUE PREVÊ MULTA DE ATÉ R$ 10 MIL PARA PICHADORES NA CAPITAL

O vereador Aurélio Nomura, líder do governo na Câmara Municipal de São Paulo, participou, no último dia 20 do ato de sanção do Projeto de Lei 56/2005 que institui punição administrativa a quem pichar imóveis públicos ou privados na cidade, realizado pelo prefeito João Doria.

A nova lei cria o “Programa de Combate a Pichações no Município de São Paulo”, que será coordenado pela Secretaria Municipal de Prefeituras Regionais. A partir de agora, é considerado pichação “riscar, desenhar, escrever, borrar ou por outro meio conspurcar edificações públicas ou particulares ou suas respectivas fachadas, equipamentos públicos, monumentos ou coisas tombadas e elementos do mobiliário urbano”.

 

Aurélio Nomura participa da sanção do projeto de lei que prevê multa de até R$ 10 mil a pichadores em São Paulo. Foto: Heloisa Ballarini / Secom

 

A pichação passa a ser infração administrativa passível de multa no valor de R$ 5 mil – o que não exime os infratores das sanções penais cabíveis e da obrigação de indenizar os danos materiais e morais que podem ter sido provocados pelo ato. Se a pichação for feita em monumentos ou bens tombados, a multa será de R$ 10 mil, além do ressarcimento das despesas de restauração do bem pichado. Em caso de reincidência, a multa será aplicada em dobro.

O infrator poderá, até o vencimento da multa, firmar um Termo de Compromisso de Reparação da Paisagem Urbana. Caso seja cumprido o que for estabelecido no termo, a Prefeitura poderá afastar a incidência da multa. A lei prevê como contrapartida, por exemplo, a reparação do bem pichado ou a prestação de serviço em outra atividade de zeladoria urbana. O infrator também deverá aderir a um programa educativo para incentivar o desenvolvimento da prática de grafite. O termo não afasta, no entanto, a reincidência no caso de nova infração.

Os valores arrecadados serão destinados ao Fundo de Proteção ao Patrimônio Cultural e Ambiental Paulistano, já existente. A lei prevê ainda que pichadores, presos em flagrante ou que forem identificados depois, não poderão ser contratados pela administração municipal direta e indireta para atividades remuneradas.

 

Aurélio Nomura, líder do governo na Câmara Municipal de SP. Foto: Fabio Jr / CMSP

 

A lei também prevê punições com multas de R$ 5 mil aos estabelecimentos que: comercializarem tintas do tipo aerossol a menores de 18 anos; não apresentarem a relação de notas fiscais lançadas com a identificação do comprador; não mantiverem cadastro atualizado dos adquirentes do produto com nome, endereço, números de Cédula de Identidade e de Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), marca e cor da tinta adquirida.

Em caso de reincidência, a multa será aplicada em dobro e o estabelecimento estará sujeito à suspensão parcial ou total das atividades.

A lei tem 30 dias para ser regulamentada.

 

 

Related Post

ARTIGO: Aquecimento Global vs Resfriamento Global   *Walter Ihoshi Dia 11 de junho começou a circular na capital paulista dois táxis elétricos. O objetivo é reduzir os níveis de poluentes e...
POLÍTICA: São Paulo recebe 1ª audiência do novo Có... Os deputados federais Keiko Ota (PSB-SP), Danilo Forte (PSB-CE) e João Campos (PRB-GO) vêm a São Paulo nesta sexta-feira,11, para a primeira audiência...
LINS: Por falar da imigração japonesa… Discursando na solenidade da celebração do centenário em 2008, Guentiro Mizoguti, falecido em 2015, aos 93 anos, com obituário na Folha de S. Paulo, s...
PRÓ-SAVANA: Brasil, Japão e Moçambique discutem ce... Em missão oficial à Moçambique, a comitiva brasileira liderada deputado federal Luiz Nishimori (PSDB-PR), participou, no último dia 16, do seminário s...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *