SAÚDE: Governo do Japão anuncia apoio para combate ao vírus zika

O governo do Japão se uniu ao Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) para o enfrentamento da epidemia de vírus zika na América Latina e o Caribe, com foco especial no Brasil. O país anunciou recentemente que vai contribuir com o equivalente a R$ 1 milhão para apoiar o trabalho do UNFPA em nível regional com mulheres e adolescentes em idade reprodutiva ou que estejam grávidas, bem como seus parceiros, para melhorar o acesso a informações e serviços de saúde sexual e reprodutiva de qualidade em três países – Brasil, Honduras e Suriname.

 

Representantes da Embaixada do Japão em visita ao Unfpa. Foto: divulgação.

Representantes da Embaixada do Japão em visita ao Unfpa. Foto: divulgação.

 

Desse montante, cerca de R$ 280 mil serão destinados ao Brasil. As ações estarão concentradas nas regiões mais afetadas pelo zika, Bahia e Pernambuco, e vão beneficiar principalmente mulheres e adolescentes afrodescendentes em situação de maior vulnerabilidade social. O UNFPA e sua rede de organizações parceiras do governo e da sociedade civil irão atuar em nível comunitário para ampliar o acesso à informação sobre direitos e planejamento reprodutivo, incluindo o acesso a contraceptivos para aquelas mulheres que optarem por adiar a gravidez neste momento, evitando assim os riscos associados à microcefalia.

“A decisão de engravidar deve ser das mulheres e das família. Mas, caso optem por adiar a gravidez, essas mulheres têm o direito a receber as informações e os contraceptivos necessários sempre e quando precisem fazer uso deles. São insumos que podem ser encontrados gratuitamente nas unidades básicas de saúde”, explicou o representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal. “Vamos trabalhar no apoio ao governo e sociedade civil para que todas as mulheres interessadas conheçam esses direitos e possam exercê-los”.

A parceria com o governo japonês faz parte do Marco Estratégico de Resposta Global e Plano de Operações Conjuntas para o Zika, iniciativa liderada pela OMS/OPAS e integrada pelo UNFPA e outras agências da ONU em resposta à emergência nacional e internacional em saúde pública declarada em função da epidemia. No caso do Brasil, o UNFPA atua em estreita parceria com o Sistema ONU e coordena suas atividades principalmente com a OPAS/OMS e a ONU Mulheres.

O Brasil é o país mais afetado pelo zika na América Latina e Caribe, tendo registrado mais de 5.600 casos suspeitos notificados de microcefalia, dos quais 583 foram confirmados e 950 descartados, segundo o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde. Os demais casos permanecem em investigação.

A primeira reunião de coordenação das ações de implementação dos recursos foi realizada hoje no escritório do UNFPA em Brasília e contou com a presença do ministro da Embaixada do Japão, Yoshitaka Hoshino. Ele estava acompanhado por Terutaka Hiros, secretário para Assuntos de Saúde, e Thiemi Salles, assessora econômica do Departamento de Assuntos Econômicos da Embaixada. Eles foram recebidos pelo representante do UNFPA, Jaime Nadal; e pelo representante adjunto, Yves Sassenrath.

Texto e Foto: UNFPA/Ulisses Bigaton

 

 

 

Related Post

ATLETISMO: Sudoeste é campeã do 76º Intercolonial;...   A equipe Sudoeste, sagrou-se campeã da 76ª Competição Intercolonial de Atletismo, evento realizado nos dias 21 e 22 de julho, na pista de at...
CULTURA: 8º Festival da Cultura Japonesa agita Uba... Organizado pela Associação Nipo-Brasileira de Ubatuba (Anibra), com apoio da Prefeitura de Ubatuba e patrocínio da Associação Comercial de Ubatuba e S...
IMIGRAÇÃO JAPONESA: Promissão forma comissão para ... O advogado e produtor rural Fábio Maeda assumiu como presidente da Comissão Organizadora para as Comemorações dos 100 Anos da Colonização Japonesa em ...
SILVIA IN TOKYO: CINZAS DO MONTE ASO PODEM CHEGAR ... A erupção do Monte Aso, em Kumamoto, foi registrada às 1h46 do dia 8 e as cinzas se espalharam por uma grande área. Moradores em Aso tentam se...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *