SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: A melhor arma para a mulher

 

É só assistir as esses noticiários, à tarde, que você se assusta com a quantidade de mulheres espancadas e mortas de forma violenta, quase sempre pelos ex-companheiros ou algum maníaco. A Lei Maria da Penha não as protege, devidamente.

As mulheres, num tempo já remoto, principalmente aquelas que exerciam atividade de risco – prostitutas, por exemplo – sabiam se defender. Portavam navalhas, estrategicamente colocada na liga junto à coxa (será que elas ainda usam isso?). Lia-se muito naquele jornal que espremendo saía sangue: teve o rosto desfigurado por navalhada na zona de meretrício.

Há ainda à venda nos marreteiros da rua. E os preços são módicos ao alcance de qualquer uma.

Se fosse você, mulher, adquiria uma. E aprenderia a manejá-la. Para isso, nada melhor que assistir a velhos filmes. Elas faziam miséria com essa arma na mão.

Aqui fica a sugestão, se não quiser ser assaltada ou surrada pelo ex.

 

Shigueyuki Yoshikuni

 jornalista e reside em Lins, também colunista do jornal Correio de Lins, colaborador do Jornal da Colônia de Araçatuba e do Jornal das Nações de Àguas de Prata, e diretor de comunicação do Bunkyo de Lins.

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JORGE NAGAO: Autoajuda Livre-se, em breve, do peso, colega, que você carrega. sinta-se leve, e desapega.   Acalme a mente que problemas gera ...
SILVIO SANO > Nipônica: Como receber alta em hospi... Apesar do título, não se trata de sugestão de como fazê-lo, cuja incumbência é do médico responsável. E até porque sou adepto do “cada macaco no seu g...
BEM ESTAR: Hospital do espirito Para que viemos? De onde viemos? Porque viemos? Entre nossa reencarnação aqui, até nossas vidas atuais, por tudo que passamos, experiências boas ou...
JORGE NAGAO: Massafumi, o guerrilheiro Oficialmente, foram 25 os nikkeis rebeldes que lutaram contra o regime militar. Lembro de uma nikkei depondo na Comissão da Verdade, neste ano, mas nã...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *