SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: MORADOR DE BASTOS, CIDADE MAIS JAPONESA DO BRASIL, CONTESTA O ARTIGO ‘ O ÚLTIMO DOS SAMURAIS”.

Alto funcionário do Banco do Brasil, em Brasília, Agostinho Shinagawa chega a Bastos para gerenciar a agência local; é transferido depois de alguns anos, para Pereira Barreto; aposenta-se e retorna a Bastos, escolhida para sua residência definitiva, principalmente pelo seu campo de golfe, um dos melhores do país. Contestando a nossa opinião de que a tendência é o desaparecimento dos costumes japoneses aqui no Brasil, anexa exemplares de dois jornais daquela cidade, afirmando : sobre o comentário em seu blog a respeito da continuidade cultural japonesa em nosso país, envio-lhe reportagens sobre as comemorações do Ano Novo aqui em Bastos. Creio que  permanecerão por um bom tempo, ainda.”.

É, Bastos é Bastos, uma cidade à parte. Destaque-se o judô, bastante praticado; soroban; karaokê e minyô; beisebol, sofbol, shakô dansu, escola da língua japonesa, o jornal “Evolução”,  da cidade ,editado por não nikkey, traduz textos em japonês –deve ser o único no país -; oodaikô, grande tambor no dia primeiro do ano, coral em japonês, kagamimochi e oozoni.

Convide a gente, Agostinho, para o shinenkai do próximo ano que iremos apreciar o oozoni, há muito tempo desaparecido por estas bandas.

Parabéns, Bastos, que essas atividades perdure por muito tempo.

 

====================================================================

 shigueyuki-yoshikumi

Shigueyuki Yoshikuni

Jornalista e escritor

Membro da Academia Linense de Letras

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JORGE NAGAO: Por que não fui eleito?   Após a eleição de 1986, Benemar e eu, num bar perto da Folha de SP, em que éramos colaboradores, esboçamos uma frases com a pergunta acima. ...
CANTO DO BACURI – MARI SATAKE: A gata ouvint...   Feliz, vestida com muito esmero, ficou ali esperando ser chamada. Em outras ocasiões, ela acharia um martírio aquela espera. Mas daquela...
SILVIO SANO > NIPÔNICA: SOU SÃO PAULO?!   Doze anos atrás, em minha primeira fase deste jornal Nippak, o já redator-chefe, Aldo-san, pediu-me para escrever um artigo sobre minha impr...
JORGE NAGAO: Como estou dirigindo?   A pergunta está na traseira dos caminhões. Ela, obviamente, não é feita por quem está na direção do veículo mas, sim, pela direção da empres...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *