SILVIO SANO: A cidade de Santos que não conhecia

“Sai da frente, japonês!!”

Levei um susto e quase uma “raspada” do ciclista que veio de trás de mim e seguiu adiante. Como permaneci estático, pego de surpresa, em seguida, nova admoestação: “Dá licença, japa!”… acompanhada de imediato puxão da minha esposa tirando-me fora da… ciclovia!

Foi quando a “ficha caiu” ao me recordar de que, em Santos, a ciclovia é levada muito a sério e respeitada pra valer. Por isso as broncas. A razão de minha distração foi devido à empolgação que o jardim da orla de praia, onde estávamos, estava me provocando.

Já tinha ido à cidade algumas vezes, mas quase sempre de forma passageira. Ou para pegar a balsa ao Guarujá, ou seja, muitos e muitos anos atrás; ou para visitar o aquário quando só existia o bloco original, ou seja, idem; e, recentemente, para visitar o monumento à imigração japonesa e/ou escultura da artista plástica Tomie Ohtake.

Dessa vez, com minha esposa, fomos para constatar por que a cidade é conhecida como “dos aposentados”, apesar de outras litorâneas paulistas também as serem… rsrs, como Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém, Peruíbe, São Vicente e até Guarujá. À exceção de São Vicente, conheço todas por ter ido para usufruir suas praias, ou seja, com pouco mais de tempo para observá-las. Nenhuma me chamou a atenção nesse aspecto, apesar de Praia Grande ter a maior orla de praia urbanizada do Brasil.

Mas, segundo o Guiness, Santos tem o maior jardim de orla de praia do mundo! Como se não bastasse é limpo, bem conservado e com ótima segurança pública. Mesmo à noite me senti seguro passeando nele.

Já tinha minha conclusão a respeito, mas como sabia que minha esposa detesta calor, apesar de achar que aqueles 7 km de área arborizada devia contribuir para seu frescor em relação às outras praias, falei-lhe que melhor seria retornar à cidade no verão… em sua plenitude!… no que concordou meu amigo de infância, Masuó, que mora lá há mais de quarenta anos, e com quem me reencontrei depois de quase igual período… e que, com a esposa, Bety, não pretendem se mudar de lá.

 

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Fim do Karaokê do Rojin Kais... Por falta de cantores da terceira idade, maiores de 60 anos, o último torneio foi a 36ª edição, em 2014, em Bauru. O torneio era rodiziado. Em cada an...
    BEM ESTAR: Crenças Limitantes A essência do ser humano são as consciências que carregam pela eternidade. Elas são ilimitados, de fontes inesgotáveis de sabedorias. O acesso a...
    ERIKA TAMURA: 4 ANOS DO TSUNAMI NO JAPÃO Há 4 anos atrás, o Japão passava por um fatídico terremoto seguido de tsunami, um tsunami devastador para o norte do país. E eu estava lá. Onde eu ...
    JORGE NAGAO: Nihongo vai e vem Tadatoshi e Setsuko, meus pais, chegaram à capital paulista, vindos de Vera Cruz, interior de São Paulo, em 1955, com 5 filhos. Depois de uma breve...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *