SILVIO SANO: A POLÊMICA DO PROF. SHIMADA COM A UPK… AI… AI… AI…

No discurso de abertura oficial da Seletiva para o Paulistão 2014, o presidente da UPK, Toshio Yamao aproveitou-o para esclarecer ao público os dois temas polêmicos envolvendo a entidade: ultimato do Ministério do Turismo pela dívida herdada no Paulistão 2008 e ausência do prof. Shimada desta e de futuros grandes eventos da UPK. Decisões, conforme afirmou, com a anuência da diretoria e conhecimento prévio dos representantes regionais.

Fiz matéria correspondente, no Jornal Nippak (12 a 18/09/2013) dando ênfase aos temas, mas por se tratar de simples reportagem achei que, ao menos, o do professor se esgotaria por si mesmo porque o Sr. Yamao comprovou, com emails, ter sido iniciativa do próprio. No entanto, como a redação japonesa deste mesmo jornal (Nikkey Shimbun) retomou o tema a partir de um depoimento contundente do professor, que se queixava de desconsideração pela UPK e que o “fizeram de bobo”, conforme suas palavras, mas ouvindo também o outro lado, do presidente da entidade que confirmava o descrito acima, achei por bem também retomá-lo, em português, em prol daquilo que a entidade carrega no nome, literalmente: “união!”.

Lógico que falo por mim, visto que não sou bem quisto pelo professor, que admirava… “lá atrás”, apesar de, como músico e compositor que é, ainda respeitá-lo muito, mesmo que isso pouco importe a ele. Aquela admiração, comprovo-a pela charge que fiz… “lá atrás”, que ilustra esta Nipônica e que ele deve se lembrar muito bem do conteúdo. Por isso lamento muitíssimo ter se chegado a esse ponto o boom do karaokê que tanto elogiei e continuo, apesar de tudo, pela enorme contribuição à nossa introspectiva comunidade nikkei… além de trabalho a muitos. Sem contar o amplo círculo de amizade que se faz.

Pois é, por minha convivência nesse meio, considero que o professor perde enorme chance de se tornar o seu maior aglutinador por estar cercado de pessoas semeadoras da discórdia que lhe “colocam minhocas na cabeça”. Afirmo isso porque não consigo associar quem adora música como ele, com esse tipo de personalidade. No meu caso, por exemplo, até hoje, não sei por que não gosta de mim (acho que nem mesmo ele…) e não cumprimentá-lo, como faço, pode ter várias razões, uma das quais atender a seu próprio desejo. Né, não?! A propósito, ao semeador que lhe for traduzir esta Nipônica, faça-o corretamente. Sim?

 

Áquele indefeso,

Semeador da discórdia

Deita, rola e borda.

 

 

Silvio Sano

é arquiteto e escritor. E-mail: silviossam@gmail.com

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BEM ESTAR: Crenças Limitantes A essência do ser humano são as consciências que carregam pela eternidade. Elas são ilimitados, de fontes inesgotáveis de sabedorias. O acesso a...
MEIRY KAMIA: Como arrumar emprego em tempos de cri... Com a taxa de desemprego chegando aos 8% no primeiro trimestre de 2015, é natural que se veja mais pessoas desesperadas pela falta de emprego e/ou com...
JOJOSCOPE: Shintori: a morte da Fênix da Gastronôm... Herdando do antigo Suntory a suntuosidade de um templo da alta gastronomia, o Shintori se despede da cena gastronômica de São Paulo. Foi durante décad...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Vestes esvoaçantes Naquela movimentada rua tem uma construção bem diferente dos padrões habituais. Fica dentro de uma grade alta. O enorme portão principal raramente é a...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *