SILVIO SANO > Nipônica: Aiteni meiwakuwo kakenai!

Três semanas atrás, enquanto aguardava o sinal abrir para seguir meu caminho, de repente, recebi tranco forte. Saí de imediato do carro para ver o dano, ao mesmo tempo em que o motorista de trás, veio em minha direção já pedindo desculpas, sinal de intenção conciliadora e que se confirmou até o momento… coisa rara hoje em dia.

Assim, os procedimentos transcorreram bem da vistoria até a aprovação do reparo por parte da seguradora, em dois dias. Mas à realização do serviço… dependeria do recebimento das peças a trocar. Adivinhe? Mais de duas semanas depois, ainda não chegaram!

Mas trago o assunto não por isso, porque em se tratando de Brasil, infelizmente, isso vai se tornando banal. Escrevo mais pela atitude do motorista e bem como sua corretora, prestativos desde o início, inclusive quando a seguradora dele afirmou não disponibilizar carro reserva a terceiros. Ou seja, ele se predispôs a bancar o aluguel de um ao período em que ficarei sem o meu.

Aí, acendeu-me uma luzinha: contatei a minha, que me confirmou mesma postura em relação a terceiros… o que me remeteu ao Japão, onde ocorre o contrário.

A explicação àquele país está no título acima: “Aiteni meiwakuwo kakenai” (Não causar incômodo a outrem). Ou seja, naquele país de concorrência mercadológica acirrada, essa frase pode ser traduzida também como: “O cliente sempre tem razão!” Por isso procuram oferecer os melhores serviços (“sa–bisu”) para atraírem clientes. O carro reserva, a esse caso, é um deles!

Para entender melhor o efeito poderoso dessa frase, além do moral e ético, basta lembrar o que já passamos a ouvir também no Brasil, em restaurantes típicos, aquela manifestação vinda dos funcionários: “Irasahaimassê!” (Bem vindo!). No Japão, isso ocorre em qualquer comércio.

Lá, aliás, certa vez, após abastecer meu carro em um posto, me surpreendi ao ver, pelo espelho retrovisor, o frentista ao longe, ainda curvado, após me gritar na saída: “arigatougozaimashita!

Aqui, o motorista e sua corretora fazem jus ao conceito dessa frase… não as seguradoras!

Né, não?!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    ERIKA TAMURA: A visita de Trump no Japão É público e notório que o presidente norte americano, está viajando pela Ásia, e até ontem estava no Japão. Eu entendo que seja importante tal visi...
    AKIRA SAITO: FOQUE EM SUAS METAS “Nenhum objetivo é alcançado sem esforço, muito esforço”   Em um país onde a exceção vira regra, o errado vira certo, e boa parte do povo tem...
    JORGE NAGAO: Lembranças das Copas Mascotes da Copa do Mundo de 1966 a 2010 (foto: divulgação) 1930, 1934, 1938, 1954 – Não lembro de nada. 1958- Meninos, eu não vi.  O Brasil ac...
    JORGE NAGAO: Poesia, aqui me tens de regresso   (Foto de Luis Fernando C. Nagao)   A turbulência da adolescência me fez poeta. Cometi quadras e haicais, acrósticos e sonetos...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *