SILVIO SANO: NIPONICA: Bonenkai, blitz, alegria e responsabilidade

 

Bom, caro leitor, aproxima-se o final do ano e por todos os lados o clima já é evidente. Os shoppings estão enfeitados e com papais-noéis em quase todos, indícios de que os atrasadinhos terão problemas para estacionarem. Mas outra situação também preocupa, mesmo considerando a existência das blitz devido à lei seca, porque o noticiário continua intenso quanto a acidentes de trânsito devido a motoristas alcoolizados. Até porque alguns presos em flagrante, ou não, dão a impressão de que voltarão a repetir o ato. Imagine nesse clima de festa em que as confraternizações (bonenkai) é que prevalecerão.

Como evitar não ser um desses protagonistas sem deixar de comemorar plenamente com os amigos a convivência de mais um ano? Lógico que não tenho a solução, mas essa preocupação remeteu-me a duas possibilidades que testemunhei no Japão, além do óbvio que seria a de “não beber se for dirigir”… rsrs.

A primeira foi devido às multas pesadíssimas, pontos na carteira e infrator ainda correndo risco de ser demitido do trabalho que gerou uma nova prestação de serviço: motorista de aluguel. Assim, quando alguém vai a um encontro ou festa ciente de que vai “rolar” dessas bebidinhas já sai de casa sem o carro ou até com, mas liga a uma empresa que tenha esses motoristas para vir busca-lo no final da festa. Lá tem dado certo.

A outra aconteceu comigo. Percebi com o tempo. Como sempre fui de me integrar também com os nativos japoneses, reciprocamente, convidavam-me a “beber” com eles. Coloquei entre aspas porque são do tipo de cumprir as coisas de forma literal. Experimente convidar uma japonesa pra “dormir”… Ops! Retomando, no começo achava estranho como ficavam bêbados logo, à exceção dos abstêmios, mas aos poucos percebi que era porque não comiam! Pois é… só bebiam! E não se conformavam por eu não ficar, mesmo bebendo tanto ou mais do que eles. Por isso convidavam-me sempre, até com intuito de me verem bêbado. De minha parte, sempre aceitava de bom grado porque como achava motainai (desperdício) aqueles pratos dele “sobrando”, sem enryo (cerimônia) beliscava-os também… rsrs.

Ou seja, neste final de ano, se for dirigir… e não resistir em beber, melhor alimentar-se bem primeiro. Né, não?!!

 

Vem bonenkai aí

Terá mesmo de beber?

Então coma… bem.

 

 

 

Silvio Sano

é arquiteto e escritor. E-mail: silviossam@gmail.com

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Notícias de Promissão: Cente...   A celebração dos cem anos da chegada no Brasil, será no dia 20 de abril, no sítio do patriarca Tadakuni, 93 anos, no Bairro Bonsucesso, Prom...
ARTIGO: O valor de uma promessa cumprida: a retoma... O ano de 2015 teve um significado especial para o meu primeiro mandato na Câmara Municipal de São Paulo, pois pude cumprir uma promessa feita antes me...
ERIKA TAMURA: 106 anos da imigração japonesa no Br...   Dia 16 de junho, participei de uma sessão solene na Câmara Municipal de São Paulo, onde se deu a homenagem comemorativa dos 106 anos de imig...
TÊNIS DE MESA: Divisor de águas – Tóquio Nem sempre “treinar tênis de mesa na Ásia” é sinônimo de se tornar um atleta de alto rendimento ou de seleção brasileira, como foram vários mesa-tenis...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *