SILVIO SANO > NIPÔNICA: “COISAS” IDEAIS… AOS OUTROS

Se bem se recorda, caro leitor, até porque escrevi recentemente, afirmei que muitas “coisas” que consideramos ideais, teoricamente perfeitas a se aplicarem em nosso dia-a-dia, do tipo que aprendemos nas escolas e as consolidamos nas faculdades, em minha modesta opinião, não servem para, este ainda, nosso Brasil.

Para refrescar a memória a esse respeito, na primeira vez, citei, na área da Educação (Após a contribuição à nossa Educação, uma reflexão… polêmica, 25/06/2015), o sistema de progressão continuada e escolas de período integral que também considero como ideais à boa formação dos alunos; na segunda, relacionada com a melhoria da circulação do trânsito na cidade, citei as ciclovias (Quem é contra as ciclovias?, 16/07/2015).

E retomo o tema, e novamente relacionado ao nosso trânsito caótico, para me referir à recente redução das velocidades nas marginais Tietê e Pinheiros, implantada pelo prefeito Haddad.

Antes, porém, preciso trazer aqui uma afirmação de minha esposa, tão logo retornamos do Japão, após uma estada contínua de 3,5 anos naquele país: “Reparou que mesmos os carros novos daqui são barulhentos?” Minha resposta foi imediata: “Também… Não é porque os nossos são malfeitos, apesar de o controle de qualidade de lá ser bem superior… rs, mas porque o acabamento das vias públicas japonesas são igualmente quase perfeitas!” Simples, assim.

Retomemos, pois. Em relação à redução da velocidade, que o prefeito alega estar comprovado em vários países de que melhora a média da velocidade geral porque evita acidentes, deve estar correto e é até coerente… em outros países! No Brasil, e particularmente em São Paulo, na própria gestão dele, além dos buracos a que me referi, têm as sinalizações malfeitas, confusas e motoristas que carregam, inerentes, seus lados do “levar vantagem em tudo”, sem contar a quantidade de veículos em péssimos estados de conservação circulando ainda livremente (com certeza proibidos de circular naqueles países referências do prefeito).

Ou seja, tudo isso somado à quantidade enorme de veículos circulando na pior hora, do rush, por exemplo, é que mostra a incoerência da alegação dele, visto que a velocidade média das marginais nesses períodos já é muito abaixo da implantada, próxima do zero!! Sinalizações confusas e buracos também provocam acidentes que levam a esses caos que já nos acostumamos a ver. E passarelas estrategicamente colocadas resolvem o problemas dos pedestres, outra razão alegada pelo prefeito.

Essas atitudes advém de teóricos bitolados com ideologias de imediatismos independentemente do ambiente real que vivem. Daí, ficam implantando “coisas” indiscutivelmente ideais antes de dar condições… ideais, para suas aplicações. Né, não?!

E… simultaneamente?”, refutariam alguns… ou muitos. A resposta é simples: “Alguém está vendo isso ocorrer?” As três citações acima são “coisas” já implantadas!

E até repetirei meu haicai final, da Nipônica da polêmica… rs:

 

Há coisas ideais

Que dependendo do lugar

São impraticáveis.

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

     

    Related Post

    CANTO DO BACURI > Mari Satake: E ela fez sessenta ... Naquele dia ela não estaria para ninguém. Ficou só, reclusa consigo mesma. Acordou bem cedo, se arrumou toda e saiu. Sem destino definido, apenas saiu...
    JOJOSCOPE: Naomi Kawase na TV Cultura   A diretora Naomi Kawase, em Cannes, recebendo o prêmio por A Floresta dos Lamentos, em 2007.   Uma das diretoras mais independen...
    BEM ESTAR: A importância do Auto-Conhecimento Devido ao véu do esquecimento, ao adentrarmos no ventre materno, a nossa consciência fica zerada. Mesmo com a retomada da consciência, não passam d...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Após a contribuição à noss... Quando, há um mês, escrevi a Nipônica referente à Educação (Outra contribuição à nossa Educação) tive uma grata surpresa graças ao advento da internet...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *