SILVIO SANO > NIPÔNICA: Dar ou não palmadas, eis a questão!

A adoração por minha mãe sempre foi grande, e como “bom”(?) nikkei nem mesmo meus seis irmãos sabiam disso. Na verdade, nem ela própria. Mesmo sendo adepta da palmada… no momento certo, porque tinha um segredo, que conto mais adiante, razão de quase não tê-la praticado em nós, seus filhos.

Já a admirava porque lia muito… inda mais naqueles tempos. Trazida por meus avós, como imigrante, com 14 anos, veio com o curso Fundamental quase finalizado, ou seja, com conhecimento pleno de quase todos os ideogramas japoneses. Tinha ótima formação e era muito atenta.

Sou caçula dentre os homens e apesar de três irmãs, recordo-me de que a ajudava muito na cozinha. Por isso, apesar de nenhuma tendência a “chef”, acabei aprendendo algo com ela nesse aspecto. Pena que não esteja mais aqui para confirmar.

Se bem que não me recordo se a ajudava por imposição (“castigo”?) dela, ou por estar sempre por perto nessas horas. Mas a ajudei! Como para fazer tofu (queijo de soja) ou kon nyáku (massa da batata konjak) girando suas misturas líquidas, com a mão, até endurecê-las; e até mandyu (doce japonês recheado); etc… E não tinha nem dez anos!

Por isso, hoje, ajudo razoavelmente minha deusa nos afazeres de casa, apesar de… ops?!… não me recordar de que ajudava minha mãe a lavar pratos e passar roupas, como faço agora…

Agora, sobre o segredo da palmada, porque os “castigos” acima não eram nada perto desse, “pra valer”, que dava em nós se extrapolaásemos em alguma “arte”: beliscão no bumbum… do tipo twist carpado, com giro de mão. Ai!… como doía!, razão de tê-lo recebido apenas uma só vez porque a partir do primeiro devo ter tomado muito cuidado para não mais merecê-lo.

Esse era o segredo: a nós, que o recebíamos, valia como intensa palmada… para ela, nem para se cansar, dava… rsrs! Ah!  Apliquei-o ao meu filho… e também não mais do que uma vez. Por isso minha adoração por ela… e parece que meu filho também gosta de mim.

Ou seja, sou a favor dessa palmada… e de hora certíssima, como forma de educação, gostem uns não gostem outros.

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Mangá, alfabeto e trajes jap...   “Um olhar à cultura japonesa” foi aberto às 9h do dia 4 de agosto e vai até o dia 11, no Museu Histórico e Arqueológico de Lins, com a prese...
    ERIKA TAMURA: Pavilhão Cultural na Embaixada do Br...   No dia 25 de março, fui convidada para um jantar na casa do Embaixador do Brasil no Japão, André Corrêa do Lago. O jantar era uma confratern...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Andarilhos velh... Andarilhos velhos Que validade tem A passagem dos anos Além da inutilidade das rugas? Que resta fazer Sem se importar mais Com o já feito Uma n...
    HIDEMITSU MIYAMURA: Tempos Dourados   Há momentos que calam fundo na nossa alma e eles são mágicos quando relembrados e contados pelos próprios protagonistas. Desde que passei a ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *