SILVIO SANO > NIPÔNICA: Dia do Pedestre

8 de julho, foi o Dia Internacional do Pedestre. Caramba! Tem até esse dia?! Bom, não sei se ter dia “disso ou daquilo” funciona como meio para se levantar alguma bandeira, em todo caso, se até dia do abraço tem…

Péra… péra aí! Não sou contra abraços! Pelo contrário! Até adoro o “beijinho brasileiro”, do bochecha com bochecha, bem entendido… rsrs. Afirmei aquilo porque certas boas intenções não funcionam no Brasil. Né, não?

Todo brasileiro, quando na condição de pedestre, sabe do que estou falando. O problema não é nem da “corda romper no lado mais fraco” porque no trânsito há normas, regulamentos, como semáforos, que devem ser respeitados! Devem…

Pois é. O problema está na mentalidade “malandra” do brasileiro. Por isso, é comum vermos carros/motos pararem sobre faixas de pedestres, mesmo com tempo suficiente para frearem após fechamento dos faróis. Apenas para serem… “malandros”. Isso, quando param.

Mas cá pra nós, às vezes, não são culpados. Como testemunhei na semana passada, numa faixa de pedestre, perto de casa, pelo tempo exíguo para atravessá-la. Menos de dez segundos! Como já conhecia e só aguardava o sinal abrir, com passadas rápidas, saí no momento exato. Mesmo assim, o sinal fechou antes de eu atingir o outro lado. Fui salvo pela lentidão dos carros ao começarem a se movimentar…

Isso me remeteu ao Japão e às redes sociais. Ao Japão porque, lá, motoristas/motoqueiros respeitam, sim… as multas e consequências advindas de um acidente com pedestres que pode repercutir em até demissão do trabalho… por envolvimento do nome da empresa. Também… naquela sociedade das aparências, né.

E às redes sociais porque, em tempos atuais, tudo é rapidamente socializado. Como o vídeo, que caiu em minha, de uma criança cruzando uma faixa de pedestre no Japão. Fez, antes, o que eu já sabia: levantou a mão. A surpresa veio tão logo ter cumprido o percurso ao se voltar ao motorista para agradecê-lo por meio da conhecida reverência japonesa.

Não precisamos chegar a tanto, até porque nós, pedestres, também não somos tão santo assim. Né, não?!!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    AKIRA SAITO: EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO “Tudo que acontece de bom e ruim com os filhos, é responsabilidade dos pais” Para quem tem filhos, eles são nossos bens mais preciosos e temos o de...
    JOJOSCOPE: Emi Ogawa em versão Mix   Lembram da cantora Emi Ogawa, que veio apresentar o programa Vamos Cantar em Japonês, da NHK World Radio Japão , em abril deste ano? Ela ...
    AKIRA SAITO: O BUDÔ COMO FERRAMENTA SOCIAL “Mais do que uma Arte de Guerra, uma Arte para engrandecimento do homem”   No Budô (Caminho Marcial) em seus primórdios, as artes que compunh...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: A prática Criança, ela via um livro que havia em sua casa e com muito cuidado, ficava olhando aquelas páginas meio amareladas com as letras pretas e os desenhos...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *