SILVIO SANO > NIPÔNICA: Estudante mata colegas em escola – II

Na Nipônica anterior a respeito, tinha deixado claro que a notícia do estudante que matou colegas, em Goiânia, tinha sido apenas referência para abordar meu tema pela associação às consequências trágicas e não pelo ato em si.

Ainda assim, alguns leitores acharam que deveria abordar também sobre o próprio, mesmo sabendo que não sou de invadir praia alheia… rsrs. Então os atenderei, mas naquilo que me propus no título, que era “… no Brasil?!”

Ou seja, porque sempre achei que esse tipo de ato dificilmente ocorreria… no Brasil!

Explico.

Tudo começou quando saí do país pela primeira vez, em 1975, para ir ao Japão por uma bolsa-estágio; e depois, na volta, por meu retorno não convencional, de mochila nas costas, de três meses, passando pelos EUA e 14 países da América Latina.

Pois bem, no Japão já ficara pasmo por ver como programas do tipo pastelão e mundo-cão faziam sucesso na TV… num país tão desenvolvido. Sem contar, no dia-a-dia, ao ver como adultos se divertiam por coisas banais, como se um justificasse o outro (isso, deixo aos especialistas).

Depois, nos EUA… também super… idem! Mas não vi o mesmo nos demais 14 países… não desenvolvidos! Assim, depois de muito matutar, conclui que nos desenvolvidos, por proporcionarem praticamente tudo à população, além de poder aquisitivo condizente, acabavam por lhe limitar iniciativas, atitudes criativas e, por consequência, cotidiano sem graça… razão do sucesso daqueles programas na TV, enquanto nos não desenvolvidos, com a população tendo “se virar” e ser criativa na luta pela sobrevivência, esses programas não poderiam mesmo serem vistos igualmente.

Por isso, para mim, suicídio coletivo (seitas), serial killer, atiradores em escolas (e agora, em uma igreja, no Texas!), streaking, bullying, etc., são mais fáceis de ocorrerem em países desenvolvidos pela impotência de reação da população perante adversidades imprevistas. Enquanto que aqui, sem stress, mas por questão de sobrevivência, temos latrocínios, crimes comuns, arrastões, etc. Né, não?!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

     

     

    Related Post

    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Tristeza não tem fim? Pode... Bom, pelo título e pelas últimas Nipônicas, além do “clima” ainda no ar, é fácil entender minha referência. Né, não?! Pois é, eleições 2014, com vitór...
    JORGE NAGAO: Carta Aberta de um Inadimplente   São Paulo, 19 de julho de 2012 Banco Surreal, Ag. Virtual, Sr. Gerente Geral, Como estou devendo (mais uma dívida) uma resposta às s...
    SILVIO SANO / NIPÔNICA: NO FUTURO DO KARAOKÊ – PAR... De volta de Jacareí, findo o Paulistão, assediado que fui por pessoas de grande representatividade perante a principal entidade do karaokê no Esta...
    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Curiosidade do karaokê   Ainda não se escreveu tudo a respeito dessa atividade artística. Não se sabe quantos a praticam – só se sabe que são milhares – nem o montan...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *