SILVIO SANO > NIPÔNICA: Eu, Lava Jato… e a comunidade

 

Às vésperas da grande manifestação nacional do dia 15, não poderia deixar o tema “batido”, até porque é o que tenho feito em minhas redes sociais… e mesmo aqui. Sem contar que, no momento em que iria escrever a respeito, começou, justamente, o depoimento de Pedro Barusco, na CPI da Petrobrás, ou seja…

Prosseguindo, pois, afora acima, no domingo, aproveitando o Dia Internacional da Mulher, a presidente resolveu dar um pronunciamento na TV… não às mulheres!, mas ao povo brasileiro, para tentar limpar sua barra que está suja desde a posse, pela sequência incrível de quebras de promessas feitas para ser eleita.

Teria uma ótima oportunidade para se redimir e até minimizar um pouco os efeitos das manifestações, mas o que vimos foi uma reprise da campanha… até porque retomada pelo mesmo marqueteiro. Daí, o que poderia, ao menos, ter sido uma louvação às mulheres, acabou sendo novo panfleto com mesmas “conotações” e, pior… de longos dezesseis minutos! Se bem que, ótimo ao panelaço, de modo a ser percebido até pelos mais alienados. Ou seja, em vez de refrear as manifestações, acabou por estimulá-las ainda mais.

E no dia seguinte, alertada do ocorrido, a presidente veio a público: “O que nós não podemos aceitar é a violência, qualquer forma de violência não podemos aceitar, mas manifestação pacífica, elas são (sic) da regra democrática”.

Como?! Dois dias antes, um “exército” de mulheres do Stédile (MST) atacou e destruiu 14 anos de pesquisas (eucaliptos transgênicos) da empresa Suzano Papel e Celulose… em uma manifestação “pacífica” (?!). No domingo mesmo já tinha postado a respeito, em minha página no Facebook:

Outra pergunta no ar:

“Se eu, sozinho, entrar em um local de pesquisas científicas e destruir tudo irei para a cadeia, por que um grupo de mulheres (?!) que fizeram isso de verdade, registraram e postaram nas redes sociais continua solto?!!!!!”

Mas retomando o fio da meada dessa Nipônica… e no embalo das redes sociais devido ao momento, muito antes, tinha postado isso:

Uma pergunta que não quer se calar:

“Se #delaçãopremiada … aceita!, só ocorre mediante existência concreta e irrefutável de provas, por que acusados do #Petrolão insistem em responderem que é tudo mentira?!”

E não deixei “barato”:

E mais outra pergunta… no ar:

“Se depois do #PGR e #STF os acusados saírem ‘ilesos’ (inocentados ou com processos arquivados) os delatores, naturalmente, serão punidos e suas penas fortemente aumentadas?” Afinal, #DelaçãoPremiada, que implica em redução de penas, é só aceita pela existência de provas concretas, incontestáveis. Né, não?! Ou o ingênuo, aqui, ainda não aprendeu que em “juridiquês” uma coisa não é uma coisa… e ainda pode ser outra.

Tudo isso até para mostrar que a comunidade, ou “parte” dela (eu… rsrs), está atenta aos problemas da Nação, assim como a conclamar aos que se sintam indignados para que se mostrem, verdadeiramente, enquanto cidadãos brasileiros… que também são!

#15deMarçoEuVou !!

 

Delação premiada

Operação Lava-Jato.

É o renascimento!!

 


 

silvio-nippak

Silvio Sano

é arquiteto, jornalista e escritor. E-mail: silvio.sano@yahoo.com

www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano


 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JOJOSCOPE: Festival da Fertilidade   Kanamara Matsuri: devoção ao falo, um canto da primavera   Escultura em nabo: um trabalho para artesãos. É primavera no Japã...
CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Entre as divaga...     Entre as divagações   Em que casa haverá água Para lavar o barro em meus pés Que por caminhar pelas veredas da alma Ac...
JORGE NAGAO: Túnel do Tempo   Chegou a temida correspondência do Leão. Ante surpresa tão rude não sei como pude abrir aquele envelope de plástico. Eleão me enquadrava no ...
SILVIO SANO > NIPÔNICA: O futebol da terra do beis...     A partir da 4ª série do 1º grau, no Japão, os alunos são obrigados a praticar alguma atividade extra-curricular, dentro da pró...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *