SILVIO SANO > NIPÔNICA: #ForçaChape! #ForçaBrasil!

Com a finalmente, ufa!… morte de um dos ditadores mais sanguinolentos da história mundial, Fidel Castro, minha tendência seria abordar sobre o mesmo. Mas não! Como, três dias após, acabou ocorrendo o trágico acidente aéreo que ceifou a vida de quase todo elenco da Chapecoense, o time mais promissor do ano no Brasil, também em solidariedade, ignorarei aquele.

Na verdade, até tenho razões de sobra para falar sobre o genocida, porque depoimentos surpreendentemente favoráveis à vida pregressa dele circularam nas redes sociais, sem contar que no mesmo dia da tragédia aos nossos jogadores, os ministros das Relações Exteriores, José Serra, e da Cultura, Roberto Freire, antigos e… ainda, admiradores do sanguinário, se dirigiram a Cuba para as cerimônias fúnebres. Foi demais pra mim!

Assim como foi demais também, mas em outro sentido, ouvir a notícia do acidente que atingiu os jogadores da Chapecoense, que ainda estavam em êxtase por poderem disputar o primeiro jogo da decisão final da Copa Sul-Americana deste ano, na Colômbia, que poderia lhes levar à glória verdadeira. Fariam a primeira final internacional da história do clube.

E em êxtase, sim, porque  só o fato de estarem nessa decisão já era uma conquista para eles, a ponto de o técnico, Caio Júnior, provocar a primeira ironia do destino tão logo finalizou o jogo contra o San Lorenzo da Argentina que lhe deu essa condição: “Se eu morresse amanhã, eu morreria feliz, pois tudo o que quis na vida eu consegui”.

Outra ironia ficou por conta de um vídeo que viralizou no mesmo dia nas redes sociais, pela dramaticidade do conteúdo, porque se tratava do momento em que Tiaguinho, jogador daquele time, vibrava efusivamente com a notícia que abava de ler de que seria pai, apesar de ocorrido uma semana antes do acidente que lhe tiraria a vida.

Na verdade, até acho outra ironia do destino a repercussão da morte do ditador genocida ter sido abafada pela fatalidade aos nossos jogadores. E não apenas no Brasil! A corrente de solidariedade se propagou mundo afora. Nos sites dos maiores clubes do mundo havia mensagens de condolências e apoios ao time e minutos de silêncio em início ocorreram em quase todos os jogos nesse dia, alguns extremamente emocionantes pelo silêncio quase pleno, profundo, em todo estádio. Afora isso grandes clubes nacionais resolveram se juntar para oferecerem ao clube catarinense, graciosamente, jogadores por empréstimo, por um ano, além de pedido à CBF para que não o rebaixe pelo prazo de três anos.

Mesmo eu, sem relutar, troquei os perfis e capas de minhas redes sociais, o que não pretendia fazê-lo enquanto o tal “Pixuleko” não fosse preso. Mas por uma semana, achei que poderia dar essa folga ao “molusco”… rsrs.

Se bem que o mesmo não parece ter ocorrido no “longínquo” Congresso Nacional que, nem em respeito ao luto nacional, na calada dessa noite, jogou duro para aprovar o projeto das 10 Medidas Contra a Corrupção… mas bastante desfigurado para favorecer parlamentares visados pela Operação Lava-Jato.

 

Em clima de luto

Políticos corruptos

Sorriem, felizes!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    ERIKA TAMURA: Hakodate   Estamos em pleno feriado de Finados no Japão, eu e a maioria dos brasileiros vamos folgar 10 dias. Aproveitei o feriado para viajar, mas ...
    JORGE NAGAO: Marilia Kubota, poeta que bota pra q... Lançamento da antologia Retratos Japoneses no Brasil, com dez autores nipo-brasileiros: Adalgisa Naraoka, Alexandre Inagaki, Itiro Takahashi, Gabriel...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: De volta à barbárie... Carnaval, ainda não chegou, mas o gestor, já cumpriu uma de suas promessas. Deu de presente na data em que se comemora o aniversário da cidade. Au...
    JORGE NAGAO: Nihongo Mnemônico       I) Minha Família   Olá, sou Watashi Kazoku e quero te apresentar a minha família. Meu pai é Otosan e a mi...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *