SILVIO SANO > NIPÔNICA: GREVE JUSTA, CLARA E… INTELIGENTE

— Cara, tá me quebrando um galhão! — bufando, César entrou no carro do amigo — Essa greve parece que parou o mundo! — e fechou a porta.

— Nem tanto, César — amenizou Kenji — tanto que nem todas as linhas de ônibus pararam e o Metrô trabalha de forma parcial. A CPTM não parou.

César franziu o cenho, até pela forma despreocupada de falar do amigo.

— É verdade. Estou acompanhando pelo rádio — prosseguiu Kenji — e, pelas informações, a greve não está tendo adesão plena por parte dos funcionários dessas empresas, o mesmo ocorrendo em outros Estados.

— Pra dizer a verdade, nem sei direito a razão dela — César falou, meio envergonhado.

Kenji sorriu pela sinceridade do amigo:

— Essa deve ser a razão. Nem todos sabem. Ao menos nessa rádio, todos os entrevistados não souberam explica-la.

— E você sabe, Kenji? — interrompeu-o.

— Sim!… — fez uma pausa — acho que sei… rsrs — deu um leve sorriso — Não há pauta unificada, mas basicamente é contra as reformas da Previdência. A confusão se dá porque os sindicatos, aproveitando o dia, fazem as suas e daí vira meia greve, só atrapalhando a vida dos trabalhadores que querem trabalhar.

— Não tem aí o lance do “Fora Temer!”? — arriscou César, para não mostrar alienação.

— Até tem, César. Os extremistas… de esquerda e de direita, não perderiam a oportunidade, né.

— Tudo bem, mas e nosso direito de ir e vir… e de trabalhar? — César, agora, falou de boca cheia.

— Pois é, cara. Por isso acho que essas lideranças grevistas não sabem fazê-las de forma objetiva, proveitosa mesmo — Kenji falou com certa firmeza.

— Como assim, Kenji?

— Todos têm direito à greve, mas têm de fazê-la de forma justa e convincente para buscarem adesão plena e poder reivindicatório real…

César o interrompeu apenas com um menear de cabeça na direção dele.

Kenji, prosseguiu:

— Um economista americano, Willian Ouchi, pesquisando sobre trabalho no Japão, contou em seu livro, Teoria Z, uma série de experiências que constatou naquele país, inclusive que considerou inviáveis à economia dos países ocidentais — César mostrava-se atento e Kenji prosseguia — Como uma greve de trabalhadores em uma empresa japonesa. O sindicato informou uma semana antes que a faria e no dia marcado, todos os trabalhadores pararam e se aglomeraram no pátio à frente da sede com faixas, panfletos e gritos sobre suas reivindicações. Terminada a greve, todos, limparam as sujeiras do chão e no dia seguinte trabalharam em dobro para recuperar a produção perdida no dia anterior.

— Verdade?! — falou César, abismado.

— Pois é. Mostraram que tinham o poder de parar, mas não o intuito de prejudicar a empresa que lhes dá o ganha pão — e Kenji, concluiu — nossos sindicatos deveriam agir, sim, mas sem tirar os direitos dos outros cidadãos… até para também ganhar o apoio deles às suas reivindicações.

— É verdade — concordou, César — Por exemplo, se os metroviários propusessem parar os trens apenas fora das horas de picos, talvez até ganhassem o apoio da população, né.

Ambos riram.

 

Tenho um pedido

É justo e merecido

Se não der eu paro

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

    Related Post

    JORGE NAGAO: Nihongo vai e vem Tadatoshi e Setsuko, meus pais, chegaram à capital paulista, vindos de Vera Cruz, interior de São Paulo, em 1955, com 5 filhos. Depois de uma breve...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Violência Urbana Para melhorar seu português, desde quando chegou ao Brasil, baseado no fato de em seu país os noticiários televisivos serem os que praticam a linguage...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: A traição do gu... Em momentos de crise política, tempos instáveis em que os interesses das partes envolvidas, os principais interessados, têm a alma nublada pelas paixõ...
    ERIKA TAMURA: Paulinho Gogó no Japão Queridos leitores, eu não estou acreditando que já estamos no final do ano. Meu Deus, como passou rápido! Ao mesmo tempo que paro para pensar s...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *