SILVIO SANO > NIPÔNICA: MAIS MULTAS?! AGORA, POR JOGAR LIXO NA RUA!

Já abordei o assunto, do jogar lixo na rua, mais de uma vez, neste espaço e, bem como, já insinuei sobre a necessidade de se multar quem comete essa infração. Não sou dono da ideia, até porque isso já existe em muitos países desde há muito tempo e até mesmo em algumas cidades do Brasil, como o Rio de Janeiro. Agora, o Senado quer estender o mesmo a todo o país, conforme pauta de reunião (29/09) da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) pelo Projeto Lei PLS 523/2013.

Por culpa do que se conhece da postura do brasileiro, muitos dirão que não funcionará… e estarão certos!! A própria cidade do Rio, onde a lei foi aprovada em 2001, mas sendo aplicada, na prática, somente a partir de 2013!, já deu pequena amostra: em abril deste ano, das quase 90 mil multas aplicadas desde então, apenas 15% delas tinham sido pagas!; até houve uma pequena redução no lixo, mas a sujeira das ruas continua sendo 30% de todo o lixo da cidade. Ou seja…

Sempre fui, e sou, favorável à penalização para essa infração, mas em tempos atuais… de CPMF… sem cortes nos próprios gastos, e ciente de que nem com campanha educativa funcionará aos pessimamente mal acostumados brasileiros, a aprovação desse tipo de lei “cheira” a mais outra ação para se arrecadar recursos. Né, não?! Igual à redução absurda das velocidades nas ruas e avenidas de nossa cidade porque o motorista vai acabar “pisando além”, involuntariamente… e ser multado!

No caso de ações relacionadas ao trânsito, dependendo do tipo, às vezes dá até para pegar, mesmo no Brasil, como foi o caso do cinto de segurança. Na época de sua implantação fui remetido ao Japão onde o cumprimento das leis são fiscalizadas com rigor, e o infrator devidamente penalizado com multas de valores altíssimos, pontuações idem e, naquela sociedade das aparências, até com castigos advindos da empresa onde trabalha, por também tê-la exposta! Por isso, até apaguei da mente a imagem que tinha de que o motorista japonês respeitava muito o pedestre. O respeito era, sim, às multas e castigos!… rsrs.

No Brasil, mais precisamente em São Paulo, nem essa da redução da velocidade vingará… assim como não vingaram as caixinhas de pronto-socorro e os extintores. Não que sejam malefícios, mas porque são implantados sem a devida análise técnica e sem considerar a realidade brasileira (malandragem, jeitinho, vantagem em tudo)… para mim, a mais relevante.

Por isso, essa do lixo, sem uma mudança efetiva na mentalidade do povo, conforme já escrevi “n” vezes sobre minha experiência de vida na terra ancestral e que nós próprios testemunhamos aqui, no ano passado, na Copa do Mundo, o exemplo dos torcedores japoneses nos estádios, infelizmente, também estará fadada ao fracasso.

Ou seja, trata-se, só, de mais uma ação com intuito único para se arrecadar recursos, mesmo que pouco, até porque a expectativa (vide Rio) seria de apenas 15% sobre as multas aplicadas… e não resolverá esse gravíssimo problema (vide Rio). Né, não?!

 

Para que a lei?.

O problema é na raiz!

(Vide o Japão)!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    AKIRA SAITO: DESESPERO “Nada pode ser tão ruim que não possa melhorar”   Momentos ruins fazem parte da vida de qualquer pessoa e ocasionalmente alguns podem trazer ...
    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: É bom olhar para trás Era um dos que olhava de viés para a Bolsa Família. Como tantos remediados achava excessiva essa assistência às classes desprotegidas. Não deem os pei...
    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Lançamentos Colônia Hirano: 100 anos e Fragmentos em Homenagem aos 60 anos da Professora Mary Hassunuma são os dois livros que o jornalista Shigueyuki Yoshikuni...
    JORGE NAGAO: Venga, Novembro!   Novembro chegou, por favor, nos traga coisas boas porque esse ano do golpe tá um horror se pode piorar, no puedo crer. Voltamos pro sé...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *