SILVIO SANO > NIPÔNICA: Malufismo, petismo = Fanatismo

Sempre afirmei que não gosto de invadir “praias” alheias, apesar de, igualmente, ou quase sempre, estar perto disso… rsrs. Afinal, minha formação é em Humanas e, desde o cursinho tenho convivido com matérias e debates relacionados a essa área, dentre as quais, História Geral, da Arte e da Comunicação, Psicologia e até Filosofia, mas com as devidas dosagens.

E ainda fui entrar em uma faculdade que, na época, adotou um curso básico ao primeiro ano, misturando aspirantes de Humanas com Exatas. Assim, até matérias como Cálculo, Física e Estatística, tive. Culpa da faculdade, pois, por já ter me metido a opinar até sobre esta última em assuntos referentes a… pesquisas eleitorais.

Pois é. E culpa disso tudo também pelo assunto desta Nipônica, se algumas citações parecerem “técnicas”. Se bem que há também a considerar minha experiência de vida… que já não é tão pouca assim… rs. Até agora, ao menos, nenhum especialista me refutou. Agora, cá pra nós, não é preciso ser especialista para concluir, por experiência de vida, que qualquer tipo de exagero não é benéfico… nem mesmo bondade exagerada. Né, não?! Quanto à maldade exagerada, sem comentários.

E quando se chega ao exagero dos exageros? Ao não especialista aqui, a primeira palavra que me vem à mente é: fanatismo. Como no futebol, por exemplo. Sou corinthiano, publiquei um livro sobre o Timão, mas nem por isso me considero fanático. Não brigaria com um torcedor de outro time por essa diferença.

Um terrorista islâmico que até dá sua vida pela “causa” (7 virgens no Paraíso?) é chamado de extremista… ou fanático. Só que, nesse caso, teve formação direcionada desde seu nascimento ou recebeu lavagem cerebral, que tem a ver com a negação do conhecimento anterior pela adoção do novo. Se bem que neste caso, tenho certeza, os especialistas têm também outras razões para isso.

Ao meu caso, não sei como nominá-lo e nem com justifica-lo, porque são pessoas de boa formação que adotam uma causa por própria conta… ao extremo!

Como um tio malufista fanático que tive. Ele foi taxista, ou seja, rodou por São Paulo inteira… antes de Maluf e pós Maluf. Preciso explicar? Não pelo malufismo, mas veja seu fanatismo: no velório de minha mãe não parava de me falar sobre Maluf, e em voz alta, até que, em respeito aos visitantes, o interrompi lembrando-o de que quem estava ali deitada no caixão era minha mãe… e irmã dele! Parou.

Tenho alguns amigos petistas. Todos, em minha opinião, fanáticos, porque, depois de tudo aflorado, continuam sendo petistas… rs. A razão tem a ver com a primeira gestão Lula que realmente correspondeu ao que o ex-sindicalista “defendeu” por 25 anos… independentemente de FHC ter lhe possibilitado isso. O que causa estranheza é manterem-se petistas, mesmo estando evidente que Lula fez, dos projetos sociais, escudo para enriquecimento próprio… assim como Maluf, das obras viárias. Né, não?!

E pior, Lula instituiu tão bem o uso dos recursos públicos para usufruto próprio que o país não mais os tem nem para manter a bandeira dos projetos sociais que o levou a ser idolatrado.

 

Dia dezessete

O Brasil renascerá

Como a fênix!

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    ERIKA TAMURA: A força dos países asiáticos Recentemente li um artigo, excelente por sinal, na Folha de São Paulo, do articulista Marcos Jank, onde o título diz: "O Século do Pacífico". Jank...
    JORGE NAGAO: “Paupiteiro” e Fazendo um Poema     Ele é o Paupiteiro, assim mesmo, com u. Ele quem? Tudo começou quando adquiri um smartphone e, quando ia digitar a prime...
    SILVIO SANO: O povo não sabe votar… O nikkei...   Há muitos anos, quando Pelé afirmou que o povo não sabia votar, recebeu uma saraivada de críticas por isso. De minha parte, sempre concordei...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Mottainai Mottainai   A mãe dizia: Mottainai. Já bastava para saber que ela se referia ao resto de comida que tentavam deixar esquecido no prato. Min...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *