SILVIO SANO > NIPÔNICA: Nikkei, introspectivo?!

No dia em que escrevo esta Nipônica ocorreram dois eventos significativos, e do momento, para o país. O primeiro foi a sabatina da CPI da Petrobrás com os deputados que a compõe tendo de se deslocar de Brasília até Curitiba para inquirir alguns dos acusados da Operação Lava Jato presos na carceragem da Polícia Federal local. O outro foi a do Senado Federal, ao polêmico candidato a ministro da Suprema Corte do país, Luiz Edson Fachin, indicado da presidente Dilma à vaga aberta com a saída do ministro Joaquim Barbosa.

Tá… mas o que tem um nikkei introspectivo com isso? Na verdade, nada! Explico. É que como, quase sempre, costumo dar essa pecha ao nikkei, o que, de maneira geral, é uma verdade, além da outra da alienação, resolvi começar por aí para, no mínimo, contribuir-lhe com alguma atualização em relação ao país em que vive, antes de abordar sobre o tema… vinculado a isso.

A citação à sabatina de Fachin, na verdade, foi porque ocorreu simultaneamente à da comissão de deputados que foi a Curitiba à qual irei me referir. Aproveitei a “deixa” apenas por se tratar, realmente, de um assunto do momento a ponto de o hashtag #FachinNao ter alcançado o topo mundial no trend topics do Twitter, superando OsamaBinLaden. Outra atualização… rs.

A de Curitiba também nada teria com o tema se um dos depoentes não fosse uma nikkei, mais precisamente Nelma Mitsue Penasso Kodama, ex-amante do doleiro Alberto Youssef, condenada a 18 anos. Nem por ser nikkei! O que me chamou a atenção foi a forma de ela, sendo nikkei, ter sido ousada e até bem mais ousada do que muitos não. Foi realmente surpreendente! Tanto, que até virou manchete de primeira página, em especial, por duas de suas atitudes diante daquele austero comitê inquisidor.

O que ela fez? À pergunta sobre como carregou aqueles 200 mil euros quando foi presa, não apenas respondeu: “Quero deixar claro que o dinheiro não estava escondido na calcinha”, como ficou de pé, para o espanto da mesa, virou-se de costas ao público e à câmera, levantou a parte de trás do paletó e mostrou… os bolsos de trás da calça!, “foi aqui, nesses bolsos!!”. Ah… bom. E completou: “Como no passado prenderam uma pessoa com dinheiro na cueca, resolveram achar uma mulher com dinheiro na calcinha”.

E não parou por aí. À pergunta sobre ter sido amante do doleiro, aparentando orgulho, confirmou a relação, mas se estendeu na resposta tal qual aquele chato a quem damos bom dia e te responde explicando porque o dia está bom… rs. Bastava ter dito sim, mas criou um curto momento polêmico ao replicar seu inquiridor sobre o que quereria dizer com o significado amante e após dar sua própria definição ilustrou-a cantarolando o refrão da música Amada Amante, de Roberto Carlos, além de levantar os braços ao público presente. Um choque ao presidente da mesa que lhe pediu mais respeito àquele ambiente.

“Taí”! Ao assisti-la quase arrependo de minhas afirmações afins… rs. Mas não! Só veio confirmar que “a toda regra sempre há exceção”. E que exceção!! Né, não?!

 

Cantar faz bem

Inda mais ao tímido nikkei

Mas não bem assim.

 

SILVIO SANO

SILVIO SANO

é arquiteto, jornalista e escritor.

E-mail: silvio.sano@yahoo.com
www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano
SILVIO SANO

Últimos posts por SILVIO SANO (exibir todos)

     

    Related Post

    SHIGUEYUKI YOSHIKUMI: Pessoas Procuradas   A pedido de parentes, a Diretoria Cultural do bunkyô de Lins, está a procura das seguintes pessoas: Kazuyoshi Kenmochi, há 40 anos, resid...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Mogari no Mori Filme de Naomi Kawase. Ganhou o Premio Especial do Júri no Festival de Cannes em 2007. Chegou por aqui no ano seguinte na Mostra Internacional de ...
    HIDEMITSU MIYAMURA: HISTÓRIA DO JAPÃO – VISÃ...   Esta é uma apresentação sucinta da História do Japão sob o ponto de vista de um nissei brasileiro. Trata-se de uma exposição sob a ótica de ...
    ERIKA TAMURA: Visto de Yonsei Eu relutei muito em falar sobre esse tema, pois ainda acho um pouco precipitado esse tipo de abordagem. Mas como estou n o Brasil, muitas pessoas ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *